BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

RACIONAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA DE 2001: O ESTADO DO TOCANTINS

Yolanda Vieira de Abreu y Marcelo Romão Manhães de Azevedo


Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (105 páginas, 1.47 Mb) pulsando aquí

 

 

2.3. Racionamento de energia elétrica

Em 2001, o país passou por uma crise no setor elétrico que modificou permanentemente o estilo de vida da população. As lâmpadas incandescentes foram substituídas pelas fluorescentes compactas, que não eram fabricadas no Brasil e tiveram suas alíquotas de importação reduzidas de 21% até a isenção. A demanda por eletrodomésticos que consomem menos energia aumentou e o governo, junto com os fabricantes destes aparelhos, implantou selos indicativos do nível de eficiência de consumo elétrico desses aparelhos. Alguns aparelhos, como freezer e forno microondas, apresentaram expressiva queda nas vendas. O setor residencial foi um dos que mais contribuiu para o sucesso do racionamento, com a maior redução percentual entre 1998 e 2002. Mas este não foi o único programa implantado visando diminuir o consumo de energia ocorrido na história recente do país. Já em 1985 foi implantado o horário de verão (Decreto 91.689, de 27/09/1985). Também houve crises de abastecimento elétrico nas regiões Sul (1986) e Nordeste (1987). Na região Sudeste houve sério risco em 1986 (Bardelin, 2004).

Os motivos que contribuíram diretamente para o racionamento foram: dificuldade de planejamento e de operação do sistema hidrelétrico de modo a garantir uma oferta contínua de energia, condições hidrológicas adversas entre 1996 e 2001 (à exceção de 1997), regime de tarifas equalizado que eliminava os incentivos à busca de eficiência produtiva, déficit da energia assegurada em relação ao consumo a partir de 1996, queda contínua nos investimentos na geração e transmissão no setor desde 1987, paralisação de obras e risco e incertezas decorrentes de indefinições regulatórias. Em sistemas elétricos predominantemente hídricos, como o brasileiro, é grande a dificuldade de um planejamento eficaz e eficiente, de modo a garantir o abastecimento contínuo do serviço de energia. Isto é devido às grandes variações do fluxo de água nos rios, alterando a capacidade de geração ao longo do tempo, podendo ser estas alterações bastante significativas. Para regularizar a geração, o parque hidrelétrico é complementado por enormes reservatórios que servem para regularizar a energia afluente natural, isto é, o volume de água a montante que chegaria às hidrelétricas (m3/s), convertido em unidades de energia elétrica (MWh), considerando o rendimento gerador de cada usina hidrelétrica. Mas, mesmo com o uso dos reservatórios não é possível eliminar o risco da falta de suprimento de energia elétrica, pois uma adversidade hidrológica pode comprometer a capacidade do sistema em atender a demanda (Filho & Camargo, 2003). Para entender melhor, observe os Gráficos 2, 3, 4 e 5:

O Gráfico 2 mostra que a energia afluente natural em 1996, 1999 e 2001 foi muito desfavorável; em 1997 apresentou-se bastante favorável e em 1998 e 2000 foi próxima da média de longo prazo. Nos 71 anos da série de dados, a energia afluente natural de 2001 foi a décima mais baixa, em 1996 a vigésima nona e em 1999 a décima sexta. Em conjunto, estes cinco anos anteriores ao racionamento tiveram uma hidrologia bastante adversa. Vale ressaltar que, se considerarmos a existência de subsistemas de geração energética (Sudeste/Centro-Oeste – SE/CO, Sul – S, Norte – N e Nordeste – NE), observa-se que os subsistemas N e NE apresentaram as maiores adversidades hidrológicas, enquanto que a capacidade hidrológica do subsistema SE/CO foi próxima da média e do subsistema S foi superior à média de longo prazo. Assim, o parâmetro de desvio da média de longo prazo para o sistema NE pode não ser apropriado para este tipo de análise, devendo-se então considerar o uso da água para outros fins, como para a irrigação na bacia do rio São Francisco, reduzindo a disponibilidade de água (Filho & Camargo, 2003).

A adversidade hidrológica comprometeu a capacidade instalada de geração de energia elétrica frente ao consumo anual, como se observa a seguir:

O Gráfico 3 faz uma comparação temporal entre a capacidade instalada para a geração de energia (curva pontilhada) e o consumo anual de eletricidade (curva contínua). A escala é em percentual, indicando um índice de crescimento com a base fixada em 1980 = 100%. De 1980 a 1984, o crescimento relativo da capacidade instalada foi superior ao consumo anual, invertendo essa situação a partir de 1985 até 2001, quando ocorreu o racionamento. Isto significa que desde a década de 1980 já era previsível uma crise de abastecimento energético e um possível regime de racionamento, solução adotada em 2001 para a contenção do consumo. Conforme Bardelin (2004), houve atrasos nas obras de geração e transmissão de 1998 a 2001, representando uma redução na oferta de energia de cerca de 22.000 GWh, equivalente a 15% da capacidade de armazenamento dos reservatórios dos subsistemas SE/CO e NE juntos. Este crescimento inferior da capacidade instalada frente ao consumo anual ocorreu principalmente por causa da queda de investimentos no setor, conforme se observa a seguir:

O Gráfico 4 mostra o crescimento da capacidade instalada de geração elétrica (medido pela escala à direita, em MW) e a queda dos investimentos no setor (medida à esquerda, em US$ bilhões constantes de 2000, já deflacionados). Segundo Filho & Camargo (2003), os investimentos em geração de energia, embora se observe muitas flutuações, tiveram clara tendência à queda, considerando todo o período do gráfico. De fato, o volume de inversões no setor foi insuficiente. Após registrar valores anuais próximos a US$ 10 bilhões nos anos 1980, esta cifra reduziu-se à metade na década de 1990. Após certa recuperação de 1994 a 1997, em 1998 os investimentos voltaram a cair com o fim das privatizações e a falta de atratividade de investimentos privados, que totalizaram apenas US$ 3 bilhões em 1999. Este volume de inversões resultou em um acréscimo médio anual da capacidade de geração de energia de 1.080 MW entre 1990 e 1994 e de 2.200 MW desde então, enquanto essa necessidade ficava em torno de 3.500 MW/ano.

De acordo com Araújo (2001), houve um subinvestimento nos anos 1980, representado pela falta de recursos financeiros, que levou ao atraso ou à suspensão de projetos de expansão em geração e transmissão, sendo a raiz desta crise. Assim, o sistema entrou em um estado de escassez crônica, constantemente pressionado pela demanda. Pelo lado da geração, este cenário não era tão aparente, dado o imenso volume dos reservatórios e seu esvaziamento paulatino. Poderíamos dizer então que a sociedade capturava energia futura na forma de esvaziamento precoce dos reservatórios. De 1985 a 1989 a capacidade instalada cresceu a uma taxa superior à do período posterior, de 1990 a 1999.

Para amenizar a crise, o governo procurou diversificar as fontes de geração, conforme se observa a seguir:

O Gráfico 5 traça as curvas no tempo da participação relativa de três fontes de geração de energia: hidráulica (medida pela escala à esquerda), térmica e termo nuclear (medidas à direita), de 1998 a 2002. Conforme Bardelin (2004), o governo tomou como foco o aumento da geração de eletricidade a partir da implantação de termelétricas, que utilizam como combustível o gás natural. Em 1996 o governo assinou com a Bolívia um contrato de compra de gás natural, sendo construído um gasoduto com capacidade de transporte de 30 milhões de m3/dia, um investimento de US$ 2,15 bilhões. Também foram criadas linhas de crédito pelo BNDES a expansão em geração e transmissão, prevendo a construção de 49 usinas termelétricas, das quais 42 utilizando gás natural, objetivando um acréscimo de 15.000 MW na capacidade de geração, até 2003. Também foi lançado o Programa Prioritário de Termeletricidade (PPT) em 2000, visando aumentar a capacidade de geração térmica, mas sem sucesso, pois a ampliação do parque gerador de usinas térmicas leva em média dois anos e o racionamento ocorreu antes. Desta forma, os esforços de expansão da capacidade de geração energética foram insuficientes para acompanhar a demanda crescente, ocasionando sucessivos déficits de abastecimento e o racionamento em 2001.

Note que os quatro Gráficos 2, 3, 4 e 5 mostram exatamente a tendência ao racionamento e, embora tenha havido certo esforço em compensar a queda do potencial hidrológico por meio dos investimentos em energia térmica e nuclear (Gráfico 5), o racionamento foi inevitável.

Com o racionamento, foram estabelecidas metas percentuais de consumo e penalidades tarifárias para quem as excedesse. Como resultado, a população brasileira reagiu bem ao racionamento, sendo que sua maior parte conseguiu cumprir as metas. Mais que isso, foi criada na população uma cultura de economia de energia, como a seguir:

A Tabela 1 mostra a opinião da população quanto à economia de energia elétrica à época do racionamento. Nota-se que 90% da população opinou por pretender continuar poupando energia, enquanto que apenas 5,5% opinou por pretender consumir mais, uma diferença substancial. Segundo o jornal Folha Online, de 31 de maio de 2001, o governo reduziu o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) das lâmpadas compactas de 15% para zero e aumentou o mesmo imposto para chuveiros elétricos, aquecedores elétricos, lâmpadas incandescentes e lâmpadas utilizadas na iluminação pública por meio de um decreto que vigorou até dezembro de 2002 . Este foi um exemplo de estratégia de governo para incentivar a economia de energia.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet