BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

RACIONAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA DE 2001: O ESTADO DO TOCANTINS

Yolanda Vieira de Abreu y Marcelo Romão Manhães de Azevedo


Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (105 páginas, 1.47 Mb) pulsando aquí

 

 

5.3. Consumo residencial de energia elétrica no Tocantins

O fornecimento de energia elétrica nos 139 municípios do Estado é feito pela Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins (CELTINS), criada em agosto/1989 e adquirida pelo Grupo Rede em setembro/1989, sendo a primeira concessionária de energia elétrica a ser privatizada no país. A empresa atende aos 139 municípios do Estado, com um total de 397.170 consumidores e um consumo de 278.678 MWh (dados residenciais, 1º trimestre/2009). Os principais municípios consumidores de eletricidade no Tocantins são: Palmas, Araguaína, Gurupi, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional, Colinas do Tocantins, Lagoa da Confusão, Guaraí, Formoso do Araguaia e Miracema do Tocantins, em ordem decrescente de consumo . Em termos geográficos, eles se localizam dispersos de norte a sul do Estado.

O Anuário Estatístico do Tocantins contem dados sobre número de unidades consumidoras e consumo residencial de energia elétrica (ver Anexo III) que mostram que, de 1997 a 2007, entre os dez municípios supracitados, a capital Palmas teve o maior crescimento médio do consumo (11,31% a.a.) seguido de Lagoa da Confusão (10,14% a.a.) e Araguaína (4,77% a.a.). Em relação à participação quanto ao consumo residencial de energia no Estado, o município de Palmas teve e a maior representatividade média no mesmo período (23% do total), seguido de Araguaína (15,95%) e Gurupi (10,7%). Considerando o consumo em MWh por unidade consumidora, indicando a intensidade em que se consome energia na residência, Palmas apresentou neste mesmo período a maior razão média (1,95 MWh/unid.), seguido de Gurupi (1,79 MWh/unid.) e Araguaína (1,76 MWh/unid.). Assim, em termos gerais, pode-se dizer que os três principais municípios consumidores residenciais de energia elétrica são Palmas, Araguaína e Gurupi que, juntos, representam, em média no período de 1997 a 2007, cerca de metade do consumo residencial de energia do Tocantins.

Dados sobre a participação das concessionárias na distribuição de energia elétrica no mercado mostram que a Celtins teve uma participação em 1995 de 0,16% no mercado nacional e de 2,21% no mercado da região Norte; em todos os anos subseqüentes ambas estas participações aumentaram (exceto de 1996 para 1997, quando a participação no mercado nacional manteve-se a mesma) e, em 2000, estas participações subiram para 0,23% e 4,46%, respectivamente.

O Balanço Energético Nacional 2007 mostra que o consumo residencial de eletricidade no Tocantins foi acentuado no período de 1995 a 2002 (ver Tabela 6). Enquanto a média da taxa de crescimento de domicílios particulares foi de 4,47% a.a. (A), a média da taxa de crescimento do consumo residencial de eletricidade foi de 6,44% a.a. (B). Assim a razão entre o crescimento de domicílios e o crescimento do consumo de energia foi de 1 para 1,44. Em outras palavras, o aumento do consumo de energia neste período foi 44% maior que o aumento do número de domicílios. Os motivos que levaram a este crescimento acentuado do consumo estão ligados ao aumento do poder de compra da população após a implantação do Plano Real e ao aumento do consumo de eletrodomésticos, como resultado da facilidade de acesso ao crédito a prazos de pagamento mais longos e da queda dos preços destes produtos. Estas variáveis de interesse serão exploradas nos itens 5.5 e 5.6. Vale notar que houve um crescimento acentuado do consumo de energia entre 1995 e 2000 e uma queda abrupta ocorrida em 2001 (-6,38%), quando começaram os racionamentos.

Considerando o período de 1995 a 2002, o número total de domicílios particulares no Tocantins passou de 233.394 para 316.491, respectivamente, um aumento aproximado de 35,6%. Se segregarmos esse crescimento por faixas de renda, observa-se que a faixa de Até 1 salário mínimo (SM) foi a que obteve maior crescimento médio anual (9,82% a.a.) e a faixa de menor crescimento médio anual foi a de 3 a 5 SM (3,04% a.a.), de modo que de 1995 a 2002 a maior variação média anual quanto à participação no total de domicílios do Estado foi a da faixa de Até 1 SM (0,65% a.a.) e a menor foi a da faixa de 3 a 5 SM (-0,34% a.a.). Em outras palavras, enquanto a faixa de Até 1 SM aumentou sua participação relativa no total de domicílios neste período, a faixa de 3 a 5 SM diminuiu. Em termos de representatividade quanto ao número de domicílios particulares as faixas de renda de Até 1 SM, Mais de 1 a 2 SM, Mais de 2 a 3 SM e Mais de 3 a 5 SM correspondem à média de 75,24% do total. Do total de domicílios particulares no Estado, em 1995 havia 73,70% com iluminação elétrica contra 81,28% em 2002. Se considerarmos apenas a faixa de renda de Até 1 SM, observa-se que nela houve o maior crescimento em relação ao total de domicílios com iluminação elétrica neste período (20,54%) .

5.4. Modelo de consumo residencial de energia elétrica aplicado ao Tocantins

É possível aplicar o modelo de consumo residencial de energia elétrica citado por Jannuzzi & Swisher (1997) ao Tocantins. O uso específico do serviço de rádio, televisão, geladeira, freezer e lavadora de roupas (EiR) foi calculado utilizando-se os dados sobre o número de domicílios particulares permanentes por classes de rendimento mensal domiciliar (Ni), publicados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), considerando um nível de penetração (Pi) unitário, igual a um exemplar de cada aparelho por residência. Adicionalmente utilizamos a tabela da Eletrobrás e Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (PROCEL) sobre o consumo de energia dos equipamentos selecionados (Mi • Ii), conforme a seguir:

A Tabela 7 mostra que o consumo mensal estimado de uma residência por conta destes cinco aparelhos é de 102,5 KWh/mês e de 1.230 KWh/ano, segundo o consumo-padrão da Eletrobrás/PROCEL. Considerando este padrão e com base nos dados da PNAD e do BEN, a participação média no consumo residencial total de energia elétrica no Tocantins, de 1995 a 2002, por conta destes aparelhos foi: Rádio (2,68%), Televisão (10,98%), Geladeira (22,60%), Freezer (6,39%) e Lavadora de Roupas (0,56%), representando 43,20% do consumo do setor residencial. A Pesquisa de Posse de Equipamentos e Hábitos de Uso (Eletrobrás, 2007) evidencia que a participação destes aparelhos no consumo do setor residencial varia de acordo com a região geográfica, conforme mostra a Figura 3:

A Figura 3 mostra a participação dos eletrodomésticos no consumo do setor residencial no Brasil e Regiões em 2005. Nota-se que esta participação varia em relação à região geográfica e às condições socioeconômicas da população. Espera-se que nas localidades de temperatura adversa (mais quentes ou mais frias, como no Norte e no Sul, respectivamente) haja um maior uso de equipamentos de condicionamento ambiental (condicionadores de ar). Outra variação significativa ocorre com o uso do chuveiro elétrico. Nas regiões Norte e Nordeste este aparelho têm pouca participação no consumo de energia elétrica, enquanto que nas demais regiões o seu uso é maior. Com relação à geladeira, à medida que se perpassa do Norte/Nordeste para o Sul, seu uso tende a reduzir, dado as condições climáticas. Mas o uso do freezer – que, dado o clima mais frio, poder-se-ia esperar ser mais reduzido no Sul – é maior nesta região por causa das condições socioeconômicas da população.

O modelo de Jannuzzi e Swisher (1997), desta forma, aborda corretamente o consumo residencial de energia elétrica ao considerar as variáveis Pi (nível de penetração dos aparelhos por uso-final i) e Mi (o número de horas, graus-dia ou freqüência do uso por serviço de energia i), que estão diretamente ligadas às condições socioeconômicas da população e climáticas da região geográfica. Favoravelmente ao nosso estudo, a PNAD publicou o número de residências particulares permanentes que possuem estes aparelhos eletrodomésticos (variáveis Ni e Pi do modelo). As informações sobre as demais variáveis (Mi e Ii) são obtidas a partir do modelo de consumo-padrão da Eletrobrás/PROCEL.

No Tocantins, embora com diferenças entre as classes de rendimento familiar, de modo geral o Plano Real contribuiu para o aumento do consumo residencial de energia elétrica por conta destes equipamentos. De 1995 a 2002 a participação do consumo destes aparelhos sobre o consumo do setor residencial aumentou de 41,83% (1995) para 48,41% (2002), equivalente a um acréscimo médio de 8,62 GWh por ano. A média das participações se aproxima dos dados da Figura 3 para a Região Norte, sugerindo uma semelhança do perfil de consumo residencial de energia elétrica entre os demais estados desta região. Os aumentos das participações do consumo da televisão e da geladeira foram acentuados pelo grande crescimento da aquisição destes eletrodomésticos (ver Gráfico 13), que juntos representaram aproximadamente 34% do consumo de eletricidade do setor residencial no Tocantins, de 1995 a 2002. Veja os dados sobre o consumo residencial de energia elétrica destes equipamentos na Tabela 8:

A Tabela 8 mostra o consumo, a participação e as variações anuais de energia elétrica de alguns equipamentos no setor residencial do Tocantins, de 1995 a 2002. A tabela foi elaborada com base no número de domicílios particulares permanentes que possuíam estes aparelhos (PNAD) e no modelo de consumo-padrão da Eletrobrás/PROCEL. Verifica-se um consumo residencial aproximado de 79 GWh (1995), 86 GWh (1996), 92 GWh (1997), 109 GWh (1998), 116 GWh (1999), 123 GWh (2000), 130 GWh (2001) e 139 GWh (2002), um consumo médio anual aproximado de 109 GWh e um aumento médio anual de 8,62% deste consumo. No mesmo período verifica-se que o aumento médio anual do número de domicílios particulares no Tocantins foi de 4,47%. Em outras palavras, o crescimento médio anual do consumo de energia elétrica por conta destes aparelhos foi 1,93 vezes maior do que o crescimento médio anual do número de domicílios particulares permanentes no Estado. Mais uma vez o aumento da aquisição de eletrodomésticos possibilitado pelo Plano Real (facilidade de crédito, prazos de pagamento mais longos e queda do índice de preços destes produtos) tem grande importância para este crescimento acentuado do consumo de energia elétrica do setor residencial.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet