BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

RACIONAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA DE 2001: O ESTADO DO TOCANTINS

Yolanda Vieira de Abreu y Marcelo Romão Manhães de Azevedo


Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (105 páginas, 1.47 Mb) pulsando aquí

 

 

5. CONSUMO RESIDENCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA NO TOCANTINS

5.1. Caracterização do Estado do Tocantins

A caracterização do Estado do Tocantins foi realizada com dados das seguintes fontes: informações históricas disponíveis na página eletrônica do Governo do Estado (http://to.gov.br/), dados sobre população e PIB disponíveis na página eletrônica do IBGE (http://www.ibge.gov.br/), dados sobre IDH disponíveis na página da PNUD (http://www.pnud.org.br/), a Constituição Federal de 1988 disponível na página eletrônica da Presidência da República (http://www.planalto.gov.br/) e outros dados da página eletrônica da Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/).

O Estado do Tocantins é uma das vinte e sete unidades federativas do Brasil e faz parte da Amazônia Legal. Foi criado pela Constituição Federal de 5 de outubro de 1988, em seu Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), artigo 13, tendo sido instalado em 1º de janeiro de 1989, com a capital provisória de Miracema do Tocantins. Foi resultado do desmembramento da porção Norte do Estado de Goiás, limitando-se pelas divisas norte dos Municípios de São Miguel do Araguaia, Porangatu, Formoso, Minaçu, Cavalcante, Monte Alegre de Goiás e Campos Belos, conservando as demais divisas com os Estados da Bahia, Piauí, Maranhão, Pará e Mato Grosso. O Estado está dividido em oito microrregiões: Araguaína, Bico do Papagaio, Dianópolis, Gurupi, Jalapão, Miracema do Tocantins, Porto Nacional e Rio Formoso . Em novembro de 1988 foram realizadas as primeiras eleições para os poderes Legislativo e Executivo, sendo eleita a chapa de José Wilson Siqueira Campos, e Darci Coelho como governador e vice-governador, respectivamente. A capital definitiva, Palmas, foi instalada em 1º de janeiro de 1990.

O clima predominante no Estado é o tropical, caracterizado por uma estação chuvosa (de outubro a abril) e outra seca (de maio a setembro). O cerrado é a vegetação predominante (mais de 60% da área do Estado) e o restante é ocupado por florestas. Apresenta cerrado, cerradão, campos limpos ou rupestres e floresta equatorial de transição, sob forma de “mata de galeria”, extremamente variada. Sofre influências da região amazônica, caracterizada pelas florestas fluviais, do médio Araguaia (complexo do Bananal) e das regiões Centro-Sul e Leste (cerrado com algumas variações de floresta). Assim, o Tocantins apresenta uma grande diversidade animal e vegetal, pois está localizado numa área de transição de fauna e flora, sendo caracterizado como uma região de ecótonos. O relevo tocantinense é formado por depressões na maior parte do território, planaltos a sul e nordeste e planícies na região central, sendo o ponto mais elevado a Serra Traíras (1.340 metros de altitude). Possui a Ilha do Bananal, a maior ilha fluvial do mundo, localizada na região sudoeste do Estado, o Parque Nacional do Araguaia, o Parque Nacional Indígena e o Parque Estadual do Jalapão, as cidades de Lagoa da Confusão, Araguatins, Araguacema, Caseara, Araguanã e Palmas, todos atrativos turísticos.

O PIB do Tocantins registrado em 2006 foi de R$ 9,6 bilhões (a preços correntes) e o PIB per capita naquele ano foi de R$ 7.210,00. A principal atividade econômica é a agropecuária, tendo como destaque a indústria da soja e a pecuária bovina: cerca de 89% de sua pauta de exportação é puramente soja em grão, cerca de 10% é de carne bovina e 1% de outros. De acordo com a Pesquisa Pecuária Municipal 2007 (PPM) divulgada pelo IBGE, o Tocantins tem uma participação de 0,9% no valor total da produção pecuária (19ª posição) e de 1,0% no valor total da produção de leite (17ª posição). Em 2005 o Tocantins obteve um recorde histórico de US$ 158,7 milhões em exportações, superando em 36,8% o obtido em 2004, quando liderou o ranking nacional de exportações. A indústria ainda é incipiente, com predomínio das atividades alimentares. A autonomia energética e a pavimentação asfáltica da maioria das estradas estaduais estão facilitando a entrada de novos investidores na área agro-industrial. No setor terciário as principais atividades estão concentradas em Palmas e nas cidades às beiras da rodovia Belém-Brasília (BR-153), por onde passa o principal fluxo de transporte de cargas e pessoas .

Conforme a Contagem da População 2007 do IBGE, o Estado possui 1.248.158 habitantes, nos seus 139 municípios. Em 2006, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE mostrou que a população era composta de brancos (25,5%), negros (4,0%), pardos (70,2%) e amarelos ou indígenas (0,3%), sendo estes dados obtidos por meio de autodeclaração. As etnias indígenas são Apinajé, Krahô, Xerente, Xambioá, Karajá, Javaé, Avá-Canoeiro e Krahô-Canela. O ranking do IDH dos Estados em 2005 divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) registrou para o Tocantins um IDH igual a 0,756 (considerado médio), ocupando a 15ª posição entre os Estados brasileiros.

5.2. Parque de geração de energia elétrica

A produção de energia elétrica no Tocantins corresponde a 1,46% da produção brasileira, ou seja, 1.642.783 KW de potência. O Estado possui um parque de geração de energia elétrica composto de vinte usinas hidroelétricas e uma usina termoelétrica, conforme mostra a Tabela 5 a seguir:

A Tabela 5 lista os empreendimentos de geração de energia elétrica no Tocantins. Cabe destaque para as Usinas Hidroelétricas de Luís Eduardo Magalhães (UHE Lajeado) e de Peixe Angical, as duas maiores em geração de energia no Estado, que juntas têm uma potência de 1,4 GW (92,1% do total produzido no Estado), sendo ambas Produtoras Independentes de Energia (PIE). A UHE Lajeado foi construída pela Investco S.A., um consórcio formado pelo Grupo REDE, Cemig Eletricidade de Portugal (EDP), Companhia Energética de Brasília (CEB) e a norte-americana CMS Energy. Sua construção foi executada no tempo recorde de 39 meses, sendo o maior empreendimento de geração realizado pela iniciativa privada no Brasil. A usina está localizada no rio Tocantins, a 1.030 km de distância da foz, abrangendo os municípios de Miracema do Tocantins-TO e Palmas-TO. A área total do reservatório é de 630 km2 e uma extensão de 170 km de lago. Possui uma potência instalada de 902,5 MW, podendo abastecer uma cidade ou região com aproximadamente oito milhões de habitantes. A geração é destinada prioritariamente ao Estado e o excedente é enviado ao SIN pela da subestação de Miracema do Tocantins-TO, onde há o seccionamento da linha de transmissão de 500 KV que interliga o sistema Norte, em Imperatriz-MA, ao sistema Sul, em Serra da Mesa-GO .

Já a construção da usina hidrelétrica de Peixe Angical foi iniciada em 2002 e completou sua entrada em operação comercial em 2006. A usina está localizada no rio Tocantins, entre os municípios de Peixe-TO, São Salvador do Tocantins-TO e Paranã-TO, na região sul do Estado. A área inundada do reservatório é de 294,1 km2 totalizando um volume de água de 2,74 bilhões de m³. Possui uma potência instalada de 498,75 MW, podendo abastecer uma cidade ou região com aproximadamente quatro milhões de habitantes. A geração é enviada ao SIN por uma linha de transmissão de 500 KV, através da subestação de Furnas em Gurupi-TO . Os demais empreendimentos de energia são de menor porte, compostos por dez Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), seis Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGH) e uma Usina Termelétrica de Energia (UTE) que juntas têm uma potência de 1.642.783kW.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet