BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


NOVAS TRAJETÓRIAS ENERGÉTICAS

Sinclair Mallet Guy Guerra y Mariana Pedrosa Gonzalez



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (194 páginas, 2.56 Mb) pulsando aquí

 

 

SEGURANÇA ENERGÉTICA

Alguns países possuem grande parte da sua matriz energética baseada em carvão. De acordo com o Relatório do IAC, a previsão é de que as reservas de petróleo e gás natural durem entre 40 e 60 anos enquanto para as reservas de carvão, a previsão é de 150 anos. O crescimento da economia se alia ao aumento da demanda por energia, e esta é buscada em todas as fontes possíveis, levando-se em conta disponibilidade e custos como principais fatores.

Apresentam-se dados sobre a disponibilidade e uso do carvão na atualidade fazendo um paralelo com a questão da segurança energética. Entende-se por segurança energética, a garantia de disponibilidade de energia para o país de forma a assegurar sua demanda atual e os incrementos futuros, garantindo também, desta forma, energia para seu crescimento.

A Figura 2 contém informações sobre as reservas comprovadas de carvão no final de 2007, por região, sendo estas, Meio Oeste, América Central e do Sul, África, América do Norte, Ásia Pacífico, Europa e Eurásia.

Figura 2 – Reservas comprovadas de carvão - final de 2007 (bilhões de toneladas)

(BP, 2008)

Nas regiões da América do Norte, Ásia Pacífico e Europa e Eurásia, as reservas estão muito próximas, em números, possuindo a primeira 272,2 bilhões de toneladas, a segunda 257,5 bilhões de toneladas e a terceira 250,5 bilhões de toneladas. A África contém uma pequena participação no total mundial com 49.6 bilhões de toneladas, seguida pela América do Sul e Central com 16.3 bilhões de toneladas e o Oriente Médio com 1.4 bilhões de toneladas.

O Gráfico 1 contém dados de produção e consumo de carvão no ano de 1997 e no ano de 2007.

O Gráfico 1 mostra que em 10 anos a produção e consumo de carvão se manteve praticamente a mesma em todas as regiões, exceto pela Ásia Pacífico que subiu em 800 tEP tanto a produção quanto o consumo, sendo este o pico no qual a China está inserida.

A Tabela 1 apresenta os maiores produtores mundiais de carvão em ordem crescente. A produção é dada em milhões de toneladas anuais.

A Tabela 1 apresenta a China como maior produtor de carvão mineral do mundo, sendo sua produção de 1.2 bilhões de toneladas anuais; em seguida vêm os USA com 899 milhões de toneladas anuais; em terceiro a Índia com a produção de 310 milhões de toneladas anuais, sendo este o patamar no qual está inserido esse país.

Devido ao carvão ser uma fonte abundante nos países mencionados, este é considerado importante para a manutenção e aumento na geração de energia elétrica, contribuindo desta forma para a segurança energética do país. Nestes casos, a idéia de substituição ou redução do uso desta fonte, com vista à redução das emissões, pode ser vista com aversão.

Para se estabelecer uma comparação entre a reserva e consumo, vale algumas informações mundiais de geração e dados dos países já apresentados como principais produtores. O Quadro 1 apresenta dados sobre o consumo de energia mundial. A primeira coluna contém os anos de obtenção dos dados, sendo estes 2004, 2005 e 2006. As demais colunas descrevem os respectivos consumos de diferentes fontes energéticas, sendo elas Petróleo e derivados, gás natural, carvão, nuclear e hidráulica. A última coluna apresenta o total de todas as fontes nesses anos.

O carvão está em segundo lugar entre as fontes de energia mais consumidas no mundo, tendo representado 27,2% do consumo total mundial em 2004, 27,8% em 2005 e 28,4% em 2006. O carvão possui uma das participações mais expressivas junto a petróleo e derivados e gás natural, sendo que o primeiro lidera o consumo, com 35,8% do total em 2006 e o gás natural está em terceiro lugar com 23,7%; hidráulica e nuclear participam com 6,3% e 5,8%, respectivamente. O crescimento no consumo do carvão de 2004 para 2005 foi de 5,4% e de 2005 para 2006, foi de 4,5%, sendo estes os crescimentos mais expressivos quando comparados aos dados das outras fontes.

China e Índia são os dois gigantes da economia emergente mundial e são centros de consumo de energia. Os índices de crescimento da economia da China e Índia vêm acompanhados por uma demanda crescente de energia. O aumento no consumo de fontes fósseis tem sérias implicações para o meio ambiente, tanto na poluição local como no aumento das emissões de gases do efeito estufa (WEO, 2007).

A Figura 3 apresenta a parcela da China e Índia, no crescimento da demanda por energia, importação de petróleo e emissões de CO2.

A demanda por energia primária na China representou mais de 50% do aumento mundial; a Índia foi responsável por aproximadamente 6%. Quanto ao crescimento na demanda por carvão, a China participa com quase 80% do total mundial e a Índia com aproximadamente 9%, sendo assim, o restante do mundo corresponde a pouco mais de 10% no aumento da demanda. Com relação às emissões de CO2, os números são expressivos: a China contribui com quase 60% das emissões mundiais e a Índia com aproximadamente 5%. Levando estes dados em consideração, a redução da emissão de CO2 nestes países teria um impacto notável perante as emissões mundiais, visto que a matriz energética da China é composta em grande parte por carvão, este pode ser visto como um gargalo frente à redução nas emissões.

O Gráfico 2 apresenta as variações no consumo e no preço da energia no ano de 2006. Sendo os valores expostos em dois gráficos lado a lado.

Através do Gráfico 2 pode-se perceber que o preço do carvão teve um leve crescimento em 2005 e uma queda no ano de 2006, fator este que caminha em paralelo com o crescimento do consumo do carvão no ano de 2006, sendo este de aproximadamente 4,5%. Os dados apresentados sugerem que o fator “custo” é extremamente interligado ao fator consumo; esta lógica pode ser encarada de forma negativa quando se avalia que existem outros pontos relevantes (como visão ambiental e social) que deveriam ser amplamente considerados e que por vezes são relegados em segundo plano.

O Quadro 2 apresenta a geração total de energia elétrica nos Estados Unidos nos anos de 2006 e 2007 e a porcentagem de aumento entre estes dois anos.

O total de energia elétrica gerada entre os anos 2006 e 2007 foi de quase 4 GWh sendo quase 2 GWh gerados a partir de carvão. O aumento na geração do ano de 2006 para o ano de 2007 foi de 2,5% sendo que só o aumento na geração a partir de carvão representou 1,5%.

O Gráfico 3 apresenta a geração de eletricidade nos Estados Unidos por fonte no ano de 2000.

A geração a partir de carvão representou mais da metade da energia gerada, ou seja, 52%, seguido pela nuclear, com 20%, Petróleo, Gás Natural e outros gases, com 19%, hidroeletricidade com 7% e outras renováveis com 2%.

O Gráfico 4 apresenta o aumento na demanda primária de energia no período de 1980 a 2005 e de 2005 projetado para o ano de 2030.

O uso do carvão até 2005 se equiparava ao uso do gás, sendo os dois as principais demandas encontradas, seguidos pelo petróleo, nuclear, biomassa, hídrica e, por fim, outras renováveis. A projeção prevê que o carvão será a maior demanda encontrada até o ano de 2030. O cenário de projeção leva em conta as políticas já adotadas até o ano de 2007 e são levados em conta os pressupostos de crescimento econômico, populacional, preços da energia e as tecnologias se nada mais for feito pelos governos para alterar as tendências atuais da energia.

Pretendeu-se fornecer informações para que se tenha a real dimensão da presença e uso do carvão na atualidade. É possível reduzir ou abandonar o uso do carvão? A partir dos dados apresentados pode-se concluir que não é uma alternativa fácil de alcançar.

A grande disponibilidade deste recurso torna importante o investimento em tecnologias que façam do carvão uma fonte menos poluente em seu uso. As questões que ficam para reflexão são: estas tecnologias serão suficientes para mitigar os problemas ambientais enfrentados hoje? A seguir serão fornecidos subsídios para esta discussão.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet