BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


NOVAS TRAJETÓRIAS ENERGÉTICAS

Sinclair Mallet Guy Guerra y Mariana Pedrosa Gonzalez



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (194 páginas, 2.56 Mb) pulsando aquí

 

 

PROBLEMAS AMBIENTAIS

Apesar de o carvão ser visto com bons olhos quando se trata de segurança energética, também devem ser considerados aspectos como problemas ambientais e sociais, inerentes à extração e ao uso de carvão mineral como combustível.

Os problemas ambientais decorrentes do processo de mineração do carvão envolvem desde contaminação hídrica, atmosférica, do solo, subsolo e da paisagem.

Poluição atmosférica

Os principais poluentes emitidos pela mineração e queima do carvão mineral se dividem em: material particulado (MP); metano (CH4); dióxido de enxofre (SO2); óxidos de nitrogênio (NOX); monóxido de carbono (CO) e dióxido de carbono (CO2) (IPCC, 2006). Todos eles prejudiciais, em maior ou menor grau, ao meio ambiente, poluindo a atmosfera e conseqüentemente à saúde humana, afetando, por exemplo, o sistema respiratório.

O relatório ‘Carvão: O combustível de ontem’ mostra através de um estudo realizado no Rio Grande do Sul em 1989 uma estreita relação entre exploração e uso de carvão mineral e má qualidade de vida. Segundo o estudo, a população que vive próxima às termoelétricas sofre com tosse crônica, doenças de pele, lacrimejamento e prurido nasal e ocular. Outros estudos apontam até mesmo a ocorrência de enfisema pulmonar e pneumoconiose nas cidades de Siderópolis e Criciúma, regiões exploradoras de carvão mineral (NAT, 2004).

São notáveis os efeitos prejudiciais do carvão mineral. Na medida em que aumenta a concentração de gases na atmosfera, são causados impactos duplamente prejudiciais: favorecimento do aquecimento global e danos a saúde humana. Talvez seja esse o impacto mais contraditório com os propósitos do protocolo de Kyoto, e também o mais desafiador. Serão as novas tecnologias capazes de reduzir de forma considerável todos esses poluentes?

Poluição hídrica

Em pesquisa realizada no estado de Santa Catarina é diagnosticado que o modelo extrativo adotado concentra seus esforços no rendimento econômico, sem considerar os custos sociais e ambientais inerentes, fazendo com que estes atinjam proporções alarmantes. Avalia-se que dois terços dos recursos hídricos superficiais estão hoje comprometidos, com os rios assoreados e praticamente mortos devido à mineração (POSSAMAI, et al., 2007).

Um problema bastante constante e de difícil solução, segundo Hinrichs et al. (2008) é a ‘drenagem ácida’ que consiste na combinação de carvão, vapor de água e oxigênio formando o ácido sulfúrico (H2SO4) ou nítrico (HNO3), responsável por danos à vegetação e à vida aquática, sendo comum encontrar rios com baixa qualidade de água a jusante de zonas de lavras. Além do problema da poluição dos recursos hídricos, a mineração coloca em risco também sua disponibilidade uma vez que utiliza enormes quantidades de água para remover impurezas contidas no carvão.

Solo

A mineração de superfície nos Estados Unidos causou fortes problemas ambientais no passado. Grandes extensões de terra foram abandonadas sem os necessários cuidados como a reposição da vegetação, causando dessa forma a erosão do solo. É por esse motivo que em vários países foram criadas legislações obrigando as mineradoras a recuperarem as áreas degradadas. Se as exigências forem cumpridas, é possível recuperar o solo e seguir com o reflorestamento ou até mesmo torná-lo próprio para a agricultura (NAT, 2004). Dessa forma se recupera também a paisagem, outrora afetada pela monotonia cinza.

Mas esta recuperação nem sempre acontece. Em muitos casos a região é abandonada sem os devidos cuidados. Como exemplo disso, conforme cita GOMES et al. (1998) em grande parte da região sul-catarinense permanece com passivo de épocas anteriores, com grandes áreas e cursos d’água fortemente degradados. Esta informação é confirmada também por POSSAMAI et al. (2007) em seu estudo sobre os problemas ambientais e de saúde pública dos lixões inativos nas regiões carboníferas de Santa Catarina.

Mudanças climáticas

É inegável a representatividade dos combustíveis fósseis no aumento da temperatura global. A Organização das Nações Unidas (ONU apud NAT, 2004) consideram que estes serão os grandes responsáveis pela concentração de CO2 na atmosfera neste século. A queima de carvão mineral emite enormes quantidades desse poluente, o que é bastante preocupante uma vez que sua alta disponibilidade e seu baixo custo apóiam os investimentos em novas plantas a fim de garantir a oferta energética mundial. A China é um dos países que mais cresce atualmente, sendo o carvão sua principal fonte de energia. Não obstante, é também um dos maiores emissores de gases de efeito estufa.

Diante do atual cenário de preocupações ambientais e, considerando as conseqüências das mudanças climáticas, o carvão mineral tem sido alvo de críticas acirradas devido aos seus efeitos nocivos ao meio ambiente, desde a mineração até a queima do combustível na geração de eletricidade. Novas tecnologias têm sido criadas desde então para garantir sua participação na oferta mundial de energia.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet