BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.2.5 – O Plano de médio prazo, o desenvolvimento rodoviário no oeste e os “caminhos rurais”

Retornando ao assunto rodovias, muitas das obras descritas até aqui contemplam, num plano geral, o esforço de levar, a todos os cantos do país, estradas que, por um lado, interligam regiões, cidades, vilas, aldeias e povoados inteiros e, por outro, levam o progresso econômico e, conseqüentemente, melhoria das condições de vida do povo.

Os chineses planejam fazer 8 estradas troncais nacionais e mais 8 interprovinciais, chegando todas elas 16 ao total de 28 mil km 90.

Nas regiões ricas do litoral serão construídas auto-estradas, enquanto as rodovias novas destinam-se ao oeste do país. Para tanto, 251 obras rodoviárias no oeste estão em andamento desde 1998. As estradas troncais já citadas serão interligadas por uma rede de 5 corredores norte-sul e 7 leste-oeste, conectando completamente o interior pobre e o litoral desenvolvido 91. Nos âmbitos das províncias, já está em andamento a construção de estradas de cimento, que ligarão as capitais provinciais a distritos, vilas e aldeias.

Toda essa gama de projetos teve lançamento imediato em 1998. Os investimentos em rodovias (como afirmamos anteriormente) não exigem alta tecnologia e usam intensiva mãode-
obra. O valor estimado para a conclusão de todos os projetos previstos está na casa dos US$ 62,5 bilhões, sendo que já foram utilizados até 2002 US$ 22,6 bilhões. As formas de financiamento têm sido múltiplas, a saber: US$ 10 bilhões em bônus do tesouro de longo prazo (este ganhou força nos últimos anos); US$ 4,5 bilhões em empréstimos de longo prazo junto ao Banco Mundial; e os outros US$ 8,1 bilhões, diretos do governo central e da dotação orçamentária do Ministério dos Transportes 92.

Como para o atual estágio de desenvolvimento econômico na China formula-se muito a respeito da necessidade de múltiplos canais de financiamento para obras de envergadura.

Como registro didático vale a pena discorrermos acerca da participação do Banco de Desenvolvimento Asiático que aprovou empréstimo de US$312 milhões para o corredor Changsha-Chongqing de 177 km.

Tal ramo rodoviário é parte da futura rodovia Changde-Huaihua de 517 km. A importância desse projeto reside no benefício direto para 1,9 milhão de habitantes moradores de 404 aldeias produtoras de cereais. Desta população cerca de 42% são etnicamente minoritários e seus produtos, segundo Zhang Dehua, se beneficiarão dos mercados costeiros do país 93. O custo total do projeto será de US$ 778,1 milhões e seu término está previsto para dezembro de 2009.

Na atualidade, os principais problemas existentes no desenvolvimento rodoviário do oeste são o pequeno tamanho da rede – apesar das rodovias constituírem 91% das vias de acesso à região –, a baixa eficácia do acesso, o baixo nível tecnológico e as más condições da mesma.

O oeste chinês é 71,5% da área nacional e conta somente com 18% da rede viária. Desatar esse “nó” passa necessariamente pela capacidade de investimentos do Estado e por introduzir as melhores técnicas estrangeiras possíveis, a fim de diminuir os custos dos empreendimentos.

Para o 10º Plano Qüinqüenal, está previsto o início da execução de 251 projetos rodoviários voltados para o desenvolvimento do oeste. Analisando o Plano e verificando sua execução podemos notar três movimentos que norteiam a construção no oeste:

1. Ao mesmo tempo em que se executa o plano de estradas troncais de nível estadual, constituem-se novas estradas segundo as necessidades do desenvolvimento integral, formando, assim, um elo de ligação não somente com as regiões pobres do país, mas também com os rios, mares e o entorno das mesmas.

2. Estão sendo construídas estradas troncais no oeste; e melhoradas as condições da rede, com o recapeamento de várias estradas.

3. Estão sendo construídas estradas “arteriais” ligando as capitais de províncias com as estradas troncais.

Todas essas construções levarão em consideração os mais altos caracteres técnicos, e estarão de acordo com as necessidades sociais e econômicas da região num prazo de 20 anos, como, por exemplo, o plano que contempla a Região Autônoma do Xinjiang, que proverá todas as suas vilas, aldeias, cidades e povoados de ligação terrestre em forma de estradas com sua capital Urumqi.

Outro exemplo é a província de Gansu, que tem US$ 4,6 bilhões em gastos previstos para a construção de estradas no período do 10º Plano Qüinqüenal, com US$ 1,2 bilhão já provido pelo Banco de Desenvolvimento Estatal da China. Os atuais 41.200 km de estradas chegarão, em 2005, a 45 mil, o que fechará toda uma linha rodoviária ao redor de Lanzhou, conectando todas as regiões da província à sua capital e ao restante do país.

Esse dado nos remete ao papel desenvolvido pelo Banco no desenvolvimento do oeste chinês. Até o final de 2003, todas as capitais de províncias e regiões autônomas terão uma instalação de tal órgão em funcionamento 94.

Especificamente na zona rural procura-se, a partir principalmente de 2003, intensificar os investimentos em construção de “caminhos rurais”, onde já existe a orientação de construir ou transformar o maior número de estradas já existentes 95.

Esse tipo de rodovia é antiga. Em 1949 havia somente 80 mil km delas no país, acrescidas de outros 50 mil km de rodovias de cantão e povoado. Sem incluir estas últimas, os “caminhos rurais” estenderam-se, em 1978, a 590 mil km e 1.370 milhão km, em 2003, correspondendo assim a 76% das rodovias chinesas.

A grande importância desse tipo de empreendimento fica na otimização da circulação de mercadorias, pessoas e de informação pelo campo.

Todo esse planejamento prevê que em 2010 todos os povoados e cantões, assim como as aldeias administrativas da China, terão de contar com algum tipo de ligação rodoviária. As vias entre os distritos e cantões terão de ser dotadas, no fundamental, de um pavimento asfáltico de qualidade, enquanto as vias que interligam os cantões e aldeias terão de ter um nível médio de pavimentação. Para 2020, os caminhos entre os cantões e aldeias terão de ter um pavimento de alto nível.

Num programa bem específico da construção no oeste, para Zhan Dehua, diretor do Departamento de Rodovias do Ministério dos Transportes, é mister agir no sentido de aperfeiçoar a rede nacional de estradas, seguindo os seguintes objetivos:

1- Construir de maneira geral estradas asfaltadas entre as prefeituras e os distritos.

2- Promover a construção de estradas entre os distritos nas regiões ocidentais.

3- Dar prioridade à transformação das estradas já existentes entre os distritos que desempenham um papel de peso nas comunicações, rotas turísticas e portuárias.

4- Realizar a transformação das estradas existentes entre os cantões e povoados.

5- Fazer o mais rápido possível a transformação pavimental em três anos das estradas em condições de serem transformadas.

Para 2003, está em execução a tarefa de transformar cerca de 20 mil km de estradas nas regiões interioranas. Ao mesmo tempo, estão sendo construídas estradas distritais e troncais, e ramais leste-oeste e norte-sul que também estão se desenvolvendo. Nas províncias de Liaoning, Shandong e Zhejiang, as capitais provinciais e as prefeituras e municípios já estão conectadas por auto-estradas 96.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet