BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.3.3 – O caso de Três Gargantas

O tamanho da usina hidrelétrica de Três Gargantas é proporcional à polêmica que gira em torno dela. A questão dos reassentamentos e da proteção ecológica é diuturnamente colocada na mesa de discussão em quaisquer conversas especializadas.

Abaixo faremos um relato histórico da obra, desde sua concepção até sua execução.

Pincelaremos, ainda, questões relativas a financiamento e meio-ambiente e um pouco de nossas impressões, por ocasião de nossa visita à obra no mês de maio de 2004.

II.3.4 – Uma idéia de quase 100 anos

Esse projeto está localizado ao centro da garganta de Xilingxia, no extremo leste das Três Gargantas, no rio Yang-tsé. A represa está situada em Sandouping, Yichang, província de Hebei. Ao final da obra, no ano de 2009, o depósito – com um nível de água normal de 175 m –, armazenará 39,3 bilhões de m3. Sua capacidade instalada em 26 turbinas alcançará 18,2 milhões de kw, com uma geração anual de 84,7 bilhões de kw/h. Sua área total é de 1.000 km2 e sua represa de leste a oeste terá 660 km navegáveis.

Vista aérea da barragem das Três Gargantas do Rio Yang-tsé (Fonte: Beijing Review)

Como é impossível dissociarmos a ciência histórica da geográfica. Para podermos entender tal empreendimento é mister termos em conta a história de destruição e perdas em função das constantes enchentes provocadas nos cursos superiores do rio Yang-tsé ao longo de mais de dois mil anos, que abarcam desde a dinastia Han (206 a.C. a 220 d.C.) até a década de 1990 do século em que foi fundada a República Popular. Somente na última grande cheia ocorrida em 1998 morreram 1.562 pessoas, afetando de uma forma ou de outra a outras 2,6 milhões.

Em razão disso e pelo fato de a instituição da república em 1911 – incidindo, logo, em maior abertura científica – em 1919, o dr. Sun Yat-sen, precursor da China republicana, em artigo publicado na revista Vida do Povo, lançou a idéia de construção de uma represa artificial nas Três Gargantas do Yang-tsé, onde salientou três objetivos essenciais: o controle das constantes cheias do rio, utilização de potencial hidrelétrico e melhoria do comércio interior da China com a otimização da navegação.

A controvérsia em torno da construção devido ao seu impacto ecológico e cênico e ao risco em potencial para as cidades abaixo das represas aliou-se às constantes perturbações políticas por que passou a China. O fato de somente em 1932 ter sido feita a primeira investigação acerca dos recursos hídricos das Três Gargantas dá embasamento para tal controvérsia.

Já durante a execução do 1º Plano Qüinqüenal (1951-1956), sob a égide da República Popular, e doravante ao crescimento econômico acelerado, a discussão de tal ganha outro patamar. O então presidente Mao Tsetung, em 1953, tendo em mãos um programa para aumento do fluxo navegatório no Yang-tsé, ordena o início do planejamento, estudo e desenho do Projeto das Três Gargantas, iniciado em 1955. Porém, as grandes resistências internas atrapalharam o início da obra.

A necessidade do empreendimento fora novamente posta em questão em 1970, devido a constantes “apagões” na China central. Sob pressão econômica e energética começa a construção da represa de Gezhouba, como parte do Projeto das Três Gargantas.

Com a subida ao poder de Deng Xiaoping, sob o manto de colocar a construção econômica em primeiro plano as Três Gargantas ganham novo ímpeto e a atitude do governo beira a indiferença para com a resistência interna e externa (União Européia, EUA e ong’s, como o Greenpeace) ao projeto.

No final da década de 1980, sob o fogo cerrado de debates intermináveis sobre a viabilização da barragem, suas exatas localização e altura e a profundidade do nível da água acima da represa, estavam envolvidos os seguintes atores: o Escritório de Planejamento do Vale do Yang-tsé; os ministérios de Finanças, Recursos Hídricos e Energia Elétrica, Eletrônica, Comunicações e Construção de Máquinas; membros do grupo central de dirigentes, suas equipes e comissões em Pequim; os governos de todas as províncias envolvidas; todas as principais cidades entre os locais de barragem e Chongqing que poderiam ser inundadas ou escolhidas para realocar habitantes deslocados de outras áreas; 58 unidades e fábricas especializadas em pesquisa, design e construção relevantes para o projeto; onze institutos de pesquisa e universidades; e numerosos consultores e empresários de EUA, Japão e outros países 100.

A divisão gerada pela polêmica em torno da obra é factível com a votação para permissão de início da mesma na Assembléia Popular Nacional em 3 de abril de 1992: 1.767 votos a favor, 177 contra; e 664 abstenções. Porém, o caminho estava aberto e, em 14 de dezembro de 1994, o primeiro-ministro Li Peng autorizava formalmente o início do empreendimento 101.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet