BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.3 – ENERGIA HIDRELÉTRICA: GRANDES PROJETOS E TRANSFERÊNCIA DO OESTE PARA O LESTE

A questão energética é o grande problema a ser enfrentado pela China nos próximos anos.

O ritmo de crescimento econômico e conseqüente aumento do consumo de energia tem sido observado e relatado em todos os órgãos de imprensa no mundo e a questão dos “limites do crescimento chinês” está em voga com os constantes black-outs a que tem sido submetido o litoral do país.

Pois bem, existe um problema concreto e algumas perguntas devem ser feitas:

1. Quais as possibilidades chinesas de enfrentamento desse problema em curto prazo? 2. Se existem tais possibilidades, onde elas se encontram? 3. O Estado chinês está empenhado, ou seja, está agindo na solução de tal problema? 4. Como será financiada a ampliação energética do país? 5. Como relacionar expansão energética, crescimento econômico e proteção ecológica? No nosso entender, são essas as perguntas a serem respondidas para uma análise mais isenta dessa questão.

Para esta seção, acreditamos ser importante demonstrar que a China, no que concerne à capacidade hidrelétrica não-instalada, tem condições de enfrentar esse problema. E mais: é interessante observarmos também como o país enfrenta a questão tecnológica, para a instalação de novas plantas hidrelétricas, como enfrenta a questão do financiamento. E, para tanto, esmiuçar os casos de Ertan e Três Gargantas é muito emblemático.

Por fim, entrelaçar a questão energética com o desenvolvimento regional e a tese de construção de uma economia continental a partir da transferência de energia do oeste para o leste, é um passo primordial para entendermos o processo de institucionalização do território econômico chinês.

II.3.1 – Ênfase na reestruturação e ampliação

Antes de adentrarmos aos tópicos específicos deste e dos demais temas concernentes à energia, faremos uma breve incursão no que se tornou um desafio para a China e seu desenvolvimento futuro: a reestruturação e ampliação energéticas.

Os novos recursos e fontes renováveis de energia se converteram na chave do desenvolvimento do 10º Plano Qüinqüenal. De acordo com ele, a China importará mais tecnologia avançada do exterior para localizar e industrializar a produção de unidades geradoras de energia eólica e solar, principalmente para o Tibet.

Para o ano de 2005, a proporção de carvão no consumo de energia cairá em 3,8%, em relação a 2000, e a energia não-contaminante, como o gás natural e a energia hidrelétrica, aumentará em 5,6%.

Até 2005, a China terá um aumento médio de crescimento anual de 13,2% na produção de gás natural, 8,3% na energia hidrelétrica e 29,6% em energia nuclear. Conforme decisão da Comissão Estatal de Planificação e Desenvolvimento, para o Plano já em execução será desenvolvida a prática de preços preferenciais para fontes não-contaminantes e de sistemas de cotas para fontes renováveis de energia.

A China tem realizado mais esforços para estabelecer uma base de produção de petróleo e gás natural nas porções ocidentais do país e começou um projeto – que descreveremos a seguir –, de transporte de gás natural do oeste ao leste.

Estão estabelecidos projetos-modelo para aplicação de tecnologias avançadas de limpeza de carvão e metano de carvão, com a construção de 40 usinas de limpeza de carvão com capacidade total de limpar 100 milhões de toneladas por ano do mineral.

A capacidade total de energia do país chegará a 370 milhões de kw em 2005 e a produção energética crescerá a 1,7 bilhões de kw/h. As estações energéticas estarão completamente transformadas em 2005, quando se prevê o início da queda dos preços da eletricidade por conta da concorrência entre estatais do setor.

Desde 1949 a indústria energética vem obtendo notáveis êxitos: naquele ano, a capacidade instalada era de 1,85 milhões de kw; em 1994, alcançou 192 milhões de kw; no final de 2001, 302 milhões de kw; e a previsão é de que chegue à marca de 370 milhões de kw, que colocará a China, no ano de 2005, como a segunda maior capacidade hidrelétrica instalada no mundo, ficando atrás somente dos EUA. A China é o país com o maior número de usinas hidrelétricas em construção, ao mesmo tempo em que se converteu no maior mercado de projeto desse tipo.

A imprensa tem dispensado especial atenção às “Três Gargantas do Rio Yang-tsé”, por se tratar do maior projeto do gênero no mundo. Chama-nos a atenção que, de um modo geral, os programas hidrelétricos estão na ordem do dia. Percebemos isso ao analisarmos projeto por projeto. Nessa análise, verificamos que, em 1999, registram-se 58 usinas hidrelétricas de médio e grande porte em construção, sendo 19 com capacidade de instalação superior a 1 milhão de kw. Nada menos que 10 serão super-usinas hidrelétricas: Três Gargantas, Ertan, Ljiaxia, Lianhua, Tianhuangping, Guangxu, Tianshengqiao, Xiaolangdi e Wanjiazhai e Xiaowan.

Para o 10o Plano Qüinqüenal de Desenvolvimento Econômico e Social, está previsto, como parte da estratégia central, transmitir energia elétrica do oeste, rico em capacidade hidráulica, para o leste, pobre em capacidade elétrica; porém, altamente necessitado de energia em geral, com a construção de duas grandes usinas com capacidade combinada de 18,6 milhões de kw – 0,4 kw a mais que a de Três Gargantas.

Todas essas obras contribuem sobremaneira para o controle das grandes enchentes que vitimam a China há séculos: além de força produtiva essencial para o desenvolvimento da nação, as obras hidrelétricas têm ajudado também no controle das cheias do Yang-tsé.

Quanto ao financiamento desses projetos, os dados são os seguintes: entre 1998 e 2001, foram investidos US$ 17,5 bilhões – 5 vezes mais do que entre 1991 e 1997. Deles, US$ 9 bilhões em forma de investimentos estatais; US$ 4 bilhões provenientes de bônus do tesouro; US$ 2 bilhões em investimentos estrangeiros diretos; e US$ 2,5 bilhões em empréstimos obtidos junto a organismos internacionais. Entre 2001 e 2005 (10o Plano Qüinqüenal), os investimentos previstos são da ordem de US$ 58,18 bilhões 97.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet