BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.4 – ENERGIA NUCLEAR: DESAFIO DE BAIXAR O CUSTO, A QUESTÃO DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E TRANSFERÊNCIA TECNOLÓGICA

Podemos ver o desenvolvimento da energia nuclear de várias maneiras. A primeira delas é a afirmação em um mundo marcado por conflitos de toda ordem, no qual, quem possui tecnologia suficiente para a confecção de um artefato nuclear pode se dar ao luxo de se sentir menos ameaçado, ou em condições de manter inalterado seu status de Estado nacional autônomo. A segunda, a utilização da energia nuclear para fins pacíficos, ou seja, para desenvolver uma fonte de energia limpa e pronta a substituir o petróleo e o carvão mineral. E a terceira, a sua utilização em larga escala para fins medicinais, como para o tratamento de câncer.

Tal indústria começou a ser desenvolvida na China durante a década de 1950 e culminou com a explosão de sua primeira bomba de hidrogênio em 1964.

Desde o início dos anos 1980, o país mudou sua focagem da indústria da área militar para a civil. Atualmente, nele estão em funcionamento para uso comercial 7 grupos de geradores de energia nuclear, que têm formado à China um sistema relativamente completo de equipes de desenho e fabricação, assim como para sua operação e serviço técnico. Toda alta tecnologia empregada nesse campo é importada. Portanto, dependente de vultosos investimentos.

Nos próximos três anos (2003-2006), mais quatro grupos de geradores serão colocados em funcionamento. Atualmente, a capacidade de geração é de 5,4 milhões de kw, que têm servido sobremaneira para o alivio das constantes tensões energéticas nas zonas costeiras do país. No ano de 2006, sua capacidade chegará a 8,7 milhões de kw.

Em 2005, a fissão atômica representará 3% do total de energia elétrica gerada na China 113; porém, a distância com relação à média mundial é grande: a média internacional é de 17% do total da energia gerada, e é de central importância em países como França, EUA e Japão, onde a energia nuclear corresponde a 75%, 21% e 33%, respectivamente. A Coréia do Sul planeja elevar a proporção da eletricidade, via energia nuclear de 36,3%, verificada em 1995, para 46,3% em 2015. A Rússia está disposta a por em funcionamento 23 usinas antes do ano de 2010; a Índia conta atualmente com 9 grupos de geradores nucleares e projeta a construção de outras 5; de sua parte, Tailândia, Indonésia, Filipinas e Malásia também já elaboram planos precisos para o desenvolvimento de seus setores nucleares.

O plano chinês consiste em chegar a 2020 com 5% de toda sua energia consumida sendo provida pela energia nuclear. Atualmente a China é um dos 8 países exportadores de tecnologia em energia nuclear. Concluída em 2000, a Usina Nuclear de Chasma, no Paquistão, com capacidade de gerar 300 mil kw, foi construída sob assistência de técnicos chineses.

***

Entraremos agora em questões teóricas sobre a necessidade de um país como a China desenvolver potencial nuclear e as formas de se fazê-lo mais barato.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet