BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

I.1. Comércio internacional, relações internacionais, política e investimentos estrangeiros diretos

 

Abaixo seguem tabelas descritivas do aumento do volume do comércio exterior da China (FONTE: China Internet Information Center. www.china.org.cn, tabelas 1 a 3):

Preferimos iniciar este item a partir da visualização dessas tabelas – com a descrição do comércio exterior chinês –, com a intenção de demonstrar que um dos fatores (e não o único) que explicam o fato de esse país crescer continuamente há 25 anos está na idéia de o comércio internacional ser imprescindível para qualquer nação que busque, de um lado, capitalizar sua economia para desafios internos e, de outro, utilizar seu potencial comercial para a consecução de objetivos políticos de médio e longo alcance.

Utilizaremos, assim, algumas páginas para expor em linhas gerais o alcance do comércio chinês sob vários ângulos.

***

Sustentamos, obviamente, que a liquidez da economia chinesa deve-se a um elevado superávit comercial com países do centro do sistema e que superávits comerciais com a periferia (a tabela 4 demonstra déficits com os países inseridos na rede de produção chinesa e japonesa) a credenciam politicamente nos organismos internacionais, tendo em vista contenciosos como o de Taiwan ganharem relevo com a ascensão econômica chinesa.

Segundo a tabela acima, a exemplo do Japão, a China tornou-se mais vinculada à dinâmica das importações americanas, bem como pólo de exportação de países asiáticos. O professor de economia, do Instituto de Economia da UFRJ, Carlos Aguiar de Medeiros, simplifica esse movimento ao afirmar: “de um lado a China é um grande competidor, deslocando exportações e investimentos, de outro, é um grande mercado em processo de expansão” 2.

O fator câmbio, ao lado das escalas de produção, e principalmente o tamanho do mercado interno, é importante para elucidar a relação entre crescimento econômico e comércio internacional. O estabelecimento de taxa de câmbio sobre-valorizada (8,24 yuans por dólar) permite redução de custos e competitividade aos produtos na China. Contudo, é válido ressaltarmos a relação entre mercado interno e câmbio, para demonstrar que a China, ao não mudar sua política cambial em 1997, evidenciou a marca registrada de outras economias asiáticas, caracterizadas pela vulnerabilidade diante de oscilações de mercados externos. Enquanto a China, com uma certa dose de audácia política, não só manteve sua taxa de câmbio como anunciou a implementação de um amplo programa de gastos públicos. Tal política está ancorada também em outro fator que diminuiu sobremaneira os efeitos da crise asiática sobre sua economia e que a torna diferente de outros países da periferia do capitalismo: o absoluto controle de suas contas de capitais.

Há uma outra característica, diretamente relacionada com a taxa de câmbio, com superávits comerciais e reservas cambiais: a altíssima liquidez da economia chinesa, que permite ao governo do país manter uma política econômica voltada para a contenção deflacionária. Desde 1996 o Banco Popular da China baixou suas taxas de juros em oito momentos. Percebemos essa liquidez a partir do aumento dos agregados monetários: a relação entre M2/PIB subiu de 181% no final de 2002 para 194%, em setembro de 2003 3.

A não-pressão inflacionária (iniciada já no segundo semestre de 2004) deve-se entre outros fatores a uma política resultante dessa própria lógica: a manutenção de altos índices de investimentos. Mas também não podemos menosprezar o fato de a China ainda ser uma economia com características rurais, diminuindo o impacto sobre o consumidor do preço da alimentação (ainda a maior parte dos ganhos de uma família chinesa é direcionada à alimentação), pois mais de 300 milhões de habitantes chineses adquirem eletrodomésticos e automóveis em até 120 vezes com taxas de juros que variam entre 0,3% e 0,5% ao mês, demonstrando o que descreveremos mais à frente: o crescimento econômico chinês é marcado além do aumento da produção, pela explosão do consumo.

Retornando às exportações e importações, a tabela abaixo evidencia outras características do comércio internacional chinês: aumento de sua competitividade relacionada com a agregação de valor de suas exportações:

A tabela acima, divulgada em recente estudo promovido pelo Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (NEIT) do Instituto de Economia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) nos remete a algumas observações (já relatadas no documento citado).

Há uma primeira observação importante sobre o grau de internacionalização da economia chinesa após 1978, que corrobora o fato da forte influência dos modelos coreano e japonês. E uma segunda, sobre o aumento de competitividade da economia chinesa no mundo, demonstrada por sua participação no mercado internacional.

Esta última observação é um sinal de alerta aos países que acompanharam os desígnios do Consenso de Washington e promoveram desmontes completos em sua cadeia produtiva de alta tecnologia, como o Brasil, e viram sua participação no comércio internacional despencar nos últimos anos. A terceira observação é centrada no aumento da participação de produtos de média e alta intensidade tecnológica (0,8% para 9,6% das exportações entre 1985 e 2000), evidenciando que o crescimento econômico chinês também é marcado por saltos sucessivos de qualidade e o seu objetivo de romper o círculo vicioso da divisão internacional do trabalho tem sido atingido.

Porém, a China ainda é líder mundial na produção e exportação de produtos de baixo valor agregado (têxtil, roupas, sapatos, brinquedos etc).

A quarta observação é síntese para o deslocamento de investimentos estrangeiros, transformando a China em pólo de transferência de indústrias de média e alta intensidade tecnológica, sobretudo de Taiwan (além dos EUA e Japão). No caso de Taiwan, líder mundial de produção de equipamentos para computadores (teclados, monitores), a transferência de unidades produtivas produtoras desses equipamentos guarda não somente importância econômica, mas altamente política 4.

Ainda com relação a Taiwan, deixamos a observação de que tal movimento de transferência de unidades produtivas em direção ao continente revela o desenho feito pelo governo chinês de uma reunificação via “sucção econômica”. Atualmente 6.000 unidades produtivas taiwanesas localizam-se no vale do Yang Tse – o que uma apreciação de longo alcance nos fará chegar à conclusão de que quanto mais cooperativa com o continente for a classe empresarial de Taiwan, mais debilitadas ficarão as posições independentistas dentro da ilha.

Continuamos o parêntese acerca da relação entre comércio e objetivos políticos: hoje, como Taiwan Hong-Kong passou por processo semelhante antes e depois da reunificação com a China em 1997: em 1982, 32% das exportações de Hong-Kong eram originários da China, e 60% em 1992. Já as exportações chinesas para Hong-Kong saltaram de 26,2% em 1985 para 45% em 1982 5.

Retornando ao cerne do tema desta dissertação, essa mudança qualitativa de pauta de exportações da China e as necessidades de seu mercado interno em expansão têm impacto considerável na Ásia, ampliando oportunidades de industrialização. Em 1993 a exportação de óleos e lubrificantes respondia por 32% das exportações asiáticas à China. Em 1999, a de máquinas e computadores por 20% e a de equipamentos elétricos por 18%. Já em 1993 a China exportava para a Ásia 11% de equipamentos elétricos e 10% de computadores e máquinas. E, em 1999, as proporções foram de 26,6% e 20%, respectivamente 6.

A quinta observação é reservada para o crescente peso da economia chinesa no mundo. As importações de minério de ferro (30% do consumo mundial em 2001), platina (21%), alumínio (15%), além de petróleo (50% do consumo importado em 2003), e demais commodities, têm “puxado” para cima muitos dos preços, sendo fator de expansão em economias periféricas, como a do Brasil que multiplicou por oito o comércio com a China entre 1993 e 2003 7.

Há, ainda, o caráter político, na esteira dessa quinta: o desenvolvimento econômico da China demonstrado em todos os índices possíveis aumenta seu peso nos assuntos internacionais. Os objetivos de longo prazo da China a colocarão frente a frente com os Estados Unidos, pois o seu fluxo de comércio internacional com o restante do mundo, principalmente seus déficits comerciais planejados com a periferia do capitalismo, tem por objetivo a criação de um ambiente internacional que lhe seja favorável nesta futura guerra comercial (conseqüentemente política) entre os dois países.

As posições cada vez mais conflitantes em assuntos internacionais, entre China e Estados Unidos, resultam, sobretudo, dessa expansão chinesa que desde logo se posiciona na linha de frente dos países periféricos. O alinhamento da China ao G-22 criado no âmbito da OMC, as pressões crescentes pela embaixada chinesa na ONU pelo perdão das dívidas do Terceiro Mundo, a decisão de apoiar uma reforma no Conselho de Segurança da ONU que contemple os interesses de países como Brasil e Índia, entre outras iniciativas, lançam luz a uma política chinesa de criar uma relação de forças no mundo cada vez mais propícia para seus objetivos políticos de longo prazo.

Por seu turno, os Estados Unidos pressionam a China no sentido de rever sua política cambial, da mesma forma que o Japão foi pressionado na metade da década de 80. Porém, diferentemente do Japão, aquela (evidenciado por Medeiros) é um devedor líquido enquanto este um credor líquido. As contradições entre os dois casos estão no fato de a baixa internacionalização do yen ter se tornado fator de crescente risco cambial, enquanto a China, apesar de ser um devedor líquido, ainda não está diante de problemas relacionados de insolvência, pois o serviço de sua dívida externa com relação a suas exportações ainda é muito baixo, como demonstra a tabela abaixo:

Retornando ao fator desvio comercial e estratégia de desenvolvimento das empresas norte-americanas, as pressões norte-americanas demonstram muito mais disposições políticas ao percebermos outra diferença relacionada ao Japão: A China tem estocado mais de US$ 70 bilhões de investimentos de empresas multinacionais dos Estados Unidos, colocando o país (no campo periférico) no primeiro posto dos investimentos produtivos norte-americanos, ao contrário evidentemente do Japão.

Assim, as pressões contra a China, vindas dos Estados Unidos, são anestesiadas no âmbito da política interna do imperialismo, mais precisamente em sua Câmara dos Deputados, casa máxima de representação dos interesses dos oligopólios norte-americanos.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet