ESTUDO DO ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL NO BRASIL: CASO TOCANTINS

ESTUDO DO ÍNDICE DE EXCLUSÃO SOCIAL NO BRASIL: CASO TOCANTINS

Yolanda Vieira de Abreu

Volver al índice

 

 

3 Descrição dos principais índices sociais

Em seguida, serão apresentados alguns índices sociais considerados de grande importância por seu potencial para estabelecer comparações e demonstrar o padrão de vida de uma população.

3.1. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)

Durante muito tempo o desenvolvimento dos países foi medido pelo PIB per capita, isto é, a divisão do PIB pela população do país em estudo, para demonstrar as condições de vida de sua população. Através da observação das limitações do PIB para aferir o desenvolvimento de um país, verificou-se a necessidade de se incorporar dimensões sociais para medir a riqueza (desenvolvimento) de um país. Visto que para se conhecer o grau de desenvolvimento de um país, um dos principais fatores a serem observados é a qualidade de vida de seus habitantes, foi criado, a partir dessas constatações, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) que inclui além da renda, escolaridade e expectativa de vida.

Segundo Nali de Jesus (2005), o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no final da década de 80 (1989), especificamente por Mahbub ul Haq, com a colaboração do economista indiano Amartya Sen, tem o objetivo de ser uma medida geral e sintética do desenvolvimento humano. Este índice mede o nível do desenvolvimento dos países, regiões e municípios. Passando, a partir de então, a representar uma mudança importante na maneira de visualizar o desenvolvimento por incorporar dimensões sociais, quais são:

• A longevidade; que também reflete, entre outras coisas, as condições de saúde da população, medida pela esperança de vida ao nascer;

• A educação; medida por uma combinação da taxa de alfabetização de adultos e a taxa combinada de matrícula nos níveis de ensino fundamental, médio e superior;

• A renda; medida pelo poder de compra da população, baseado no PIB per capita ajustado ao custo de vida local para torná-lo comparável entre países e regiões, através da metodologia conhecida como paridade do poder de compra (PPC).

A partir da construção desse índice foi possível construir rankings para as unidades estudadas. O IDH vai de zero a um, sendo que quanto mais próximo de um, mais desenvolvido é considerado o país. Pôde-se, então, classificá-los como países de alto IDH (maior que 0,8), médio (entre 0,5 e 0,8) e baixo desenvolvimento humano (abaixo de 0,5).

Conforme explica Gremaud (2006), como o IDH une indicadores econômicos e sociais, tem melhores condições que o PIB para avaliar o bem-estar de uma população, ou o grau de desenvolvimento social de um país, buscando chegar o mais próximo de uma medida que retrate o desenvolvimento social dos países.

Através de dados encontrados em Nali de Jesus (2005), foi possível observar uma evolução no IDH do Brasil, de 0,643 em 1975 para 0,777 em 2001, verifica-se uma evolução de 20,2%, como mostra a tabela 1. Para um total de 177 países que fizeram parte do estudo, o Brasil ficou na 65ª classificação, considerando o índice de 2001. Na classificação por nível de renda, o Brasil foi considerado um país de renda média alta, apesar da grande desigualdade existente no interior do mesmo. A tabela com o IDH para os demais países selecionados encontra-se no Anexo A, tabela 1.1,deste trabalho.

Na tabela 2, pode ser observada a evolução do IDH para os Estados da Região Norte do Brasil, entre 1991 e 2000. Os mesmos estão classificados por seu IDH referente ao ano de 2000. Como a evolução de um índice se deve a diversos fatores, entre eles, o momento histórico em que cada uma das unidades vive, podemos ressaltar o Estado do Tocantins, que teve a maior evolução entre os Estados da região, 16,2%. Tal resultado é devido este estar recém implantado em 1991. A tabela com o IDH para os demais Estados encontra-se no Anexo A, tabela 2.1 deste trabalho.

Para o Estado do Tocantins foram selecionados dez municípios, os cinco que apresentam melhores posições no ranking do desenvolvimento humano em 2000 e os que apresentam as piores condições referentes ao IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal). Como pode ser observado na tabela .3, que o município de Palmas apresenta o maior IDH, e no extremo se encontra o município de Carrasco Bonito, apresentado na tabela 3.

A tabela completa, com os Índices de Desenvolvimento Humano Municipal para todos os municípios do Estado do Tocantins, encontra-se em anexo por ordem de melhor situação para pior em relação ao ano de 2000. (Anexo A, na tabela 3.1, deste trabalho).