EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA MOEDA


Yolanda Vieira de Abreu
Sanay Bertelle Coelho

Volver al index

 

 

A expansão da economia e política monetária de 1967 a 1984

Segundo Lago (1990), em 1964 e 1965, a economia cresceu 3,4% e 2,4% respectivamente, causando um pequeno declínio do produto per capita. Em 1966, a taxa de crescimento do PIB foi de 6,7%, sendo, portanto, satisfatória. A crise de estabilização que aconteceu na metade do ano (1966), causada pelo aperto da liquidez, reduziu esta taxa para 4,2% em 1967. A partir de 1968, ano que se implantou uma política mais expansionista, o produto global e o produto setorial apresentaram um considerável crescimento. Entre 1968 e 1973, o PIB real cresceu 11,2%, chegando a 14% em 1973. O crescimento industrial também foi bastante significativo. No mesmo período, a indústria de transformação e a indústria de construção cresceram à taxa de 13,3% e 15%, respectivamente. Os serviços de utilidade pública cresceram a uma taxa anual de 12,1%. O desempenho do setor primário e do setor terciário também foi muito satisfatório. Todo esse crescimento dos diversos setores da economia foi influenciado por políticas governamentais como o grande volume de crédito concedido à agricultura pelas autoridades monetárias, destaque da soja nas exportações e a mecanização acentuada da agricultura. Este período de expansão da economia entre 1968 a 1973 foi chamado “milagre brasileiro”.

No período de 1967 a 1973, foram utilizados os instrumentos tradicionais de política monetária a fim de reforçá-la. De acordo com Lago (1990), na metade de 1966, realizou-se um forte aperto da liquidez. A partir de 1967, a nova equipe econômica reverteu esta situação expandindo a oferta de moeda. A média de expansão da oferta de moeda em 1967 foi de 2,7%; uma das mais fortes do pós-guerra até o início dos anos 80. Nos anos seguintes (1968 a 1970), houve uma desaceleração dessa taxa e uma aceleração entre 1971 a 1973. Assim, o crescimento médio dos meios de pagamentos alcançou 14% em 1967, 12% em 1968, e 5 a 10% entre 1969 e 1971. A inflação neste período baixou, ficando inferior a 20% de 1967 a 1973.

Um fato importante abalou a economia mundial e brasileira em outubro de 1973: o petróleo quadruplicou os seus preços. A brusca elevação dos preços de produtos essenciais que o Brasil importava como petróleo, carvão, aço, petroquímicos, fertilizantes, papel e diversos produtos industrializados, principalmente os bens de capital, provocou um acentuado déficit na balança comercial e no balanço de pagamentos. Essas alterações nas estruturas dos preços fizeram a inflação retomar um impulso ascendente, acelerando-se.

De acordo com Baer (2002), de 1974 a 1984 os meios de pagamentos se expandiram como se pode observar no quadro 04. Observemos também que a taxa de crescimento dos meios de pagamentos reais (M1) foi menor que a taxa de inflação. Esse crescimento negativo é atribuído ao declínio na demanda por moeda enquanto a inflação acelerava. Houve uma troca para a quase-moeda (poupança, depósito à prazo fixo e títulos do governo) que era indexada de acordo com a inflação.

O crescimento da base monetária, durante a década de setenta, financiado pelo Banco Central e Banco do Brasil, também é atribuído aos aportes de capital estrangeiro e às atividades extraorçamentárias especiais por parte do governo. O Banco Central fornecia os recursos especiais destinados ao setor financeiro, às empresas de exportação e à compra de moeda estrangeira. Caso seus recursos não fossem suficientes para atender a essas obrigações, ele emitia mais moeda. Assim, os empréstimos concedidos pelo Banco do Brasil, os créditos ao setor financeiro e as operações com moeda estrangeira, foram as principais fontes de expansão da base monetária. Mário Simonsen, ex-ministro da Fazenda e Planejamento do Brasil, como relata Baer (2002), frisou este ponto destacando que o sistema monetário brasileiro possuía uma tendência em direção à expansão dos meios de pagamentos. Reconhecia que era difícil evitar a inflação quando o governo tinha a autoridade de emitir moeda para financiar seus déficits.

Resumindo

Desde 1964, um dos principais objetivos do regime brasileiro foi a eliminação da inflação e suas distorções na economia. Vários governos foram bem-sucedidos. Segundo Baer (2002), a inflação foi reduzida de 92% em 1964 para 15,5% em 1973. Isso resultou de medidas de estabilização fiscal e monetária, de uma política salarial restritiva, de um realinhamento de preços controlados, de um sistema cambial ajustado lentamente, da obtenção de recursos não-inflacionários, estimulação da poupança e impedimentos das distorções causadas por forças inflacionárias.

A partir de 1973, começam acontecer mudanças espantosas nas taxas de inflação. De acordo com Gremaud (2006), a taxa mais que duplicou entre 1973 e 1974, ficando de 30% a 48% nos anos seguintes e quase dobrando em 1978 a 1979 (38,9% e 55,8%, respectivamente).

Na primeira metade dos anos 80 a inflação brasileira atingiu o patamar de três dígitos (100% ao ano de 1980 – 1982, e em seguida 200% ao ano de 1983 – 1985). Juntamente o setor real da economia registrou, segundo Rossetti (1998), inconfortáveis indicações de recessão (mesmo sendo satisfatório o crescimento do PIB nos anos de 1980 e 1985, o crescimento plurianual foi praticamente zero entre 1981 a 1984, fazendo o produto per capita recuar aos níveis de cinco anos atrás, formando uma taxa de ociosidade de quase 30% da capacidade de produção).

Assim, neste período, ocorre uma inflação crescente juntamente com uma recessão predominando um cenário de estagflação. O quadro 05 reúne indicadores da estagflação dos anos de 1980 a 1985.

Pode-se observar no quadro 05 uma expansão dos agregados monetários (base monetária, M1, M2, M3 e M4) que registrou três compatíveis com a variação dos preços, onde a variação de M4 indica grande preferência do público por acumulação de ativos financeiros indexados, diminuindo a procura por ativos reais. A velocidade – renda da circulação da moeda, M1, passou de um quociente de 9,6 para 23,1, indicando o repúdio do público pela moeda convencional à medida que a inflação acelerava. Isso acontece devido aos agentes econômicos estarem se desfazendo dos seus estoques convencionais de moeda, convertendo-os em ativos quase-monetários quando estes estão sendo protegidos pela correção monetária integral (indexação).

Segundo Rossetti (1998) os monetaristas ortodoxos consideravam que a causa central da inflação do período (1980-1985), era a multiplicidade e o desequilíbrio dos orçamentos públicos. O recurso à emissão acabava, então, como um mecanismo de nivelamento das receitas e despesas públicas. Assim, a expansão da base monetária ou a emissão de títulos públicos pelo Banco Central por conta do Tesouro Nacional acabavam sendo instrumentos de financiamento do déficit público. Com a expansão da base monetária, os meios de pagamentos expandiram inflacionariamente, e com a emissão de títulos as taxas de juros se elevariam, induzindo a uma especulação financeira. Então, o valor da moeda se deterioraria, enquanto os juros e a garantia de correção monetária levariam à um aumento da demanda por ativos financeiros, deprimindo as atividades produtivas no setor real da economia. A política dos ortodoxos, então, seria o saneamento dos orçamentos públicos através de cortes nos gastos de custeio e de investimento, deprimindo ainda mais as atividades da economia. Por isso, as medidas ortodoxas não eram bem aceitas pelo público, fortalecendo então, as abordagens estruturalistas e inercialistas que enfatizavam que uma economia exposta ao mecanismo inercial de indexação e às estruturas oligopolistas de oferta, a solução seria a extinção da correção monetária e o congelamento geral e indiscriminado dos preços.


Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

17 al 31 de enero
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

15 al 28 de febrero
III Congreso Virtual Internacional sobre

Desafíos de las empresas del siglo XXI

15 al 29 de marzo
III Congreso Virtual Internacional sobre

La Educación en el siglo XXI

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga