UMA DISCUSSÃO SOBRE AMOR
BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

 

DEBATE E DISCUSSÖES

Luiz Gonzaga de Sousa

 

 

Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (238 páginas, 718 kb) pulsando aquí

 

 

 

 

UMA DISCUSSÃO SOBRE AMOR

Um dos mais sublimes sentimentos que o ser humano sente é o amor, e porque não dizer o maior de todos, tendo em vista que ele engloba uma gradação superação dos que são necessários na escalada de um processo evolutivo, isto é, inicia-se com o instinto e depois, os subseqüentes, até a uma liberdade que chegue à lei do amor. Sentir o amor é estar limpo das maledicências que o mundo oferece, estas que são mais fáceis de serem abraçadas, alimentando cada vez mais o instinto descontrolado, mais levado pela irracionalidade, dentro de um processo normal de evolução, que todos passam. Sem dúvida, a maneira instintiva é uma forma de amor, mesmo que seja muito embrionária, poder-se-ia dizer que seria uma luz que brota dentro de cada um chamando ao progresso, a uma melhora no modo de vida.

Assim, sente-se esse embrião de muitas maneiras e talvez o mais importante é o amor de mãe, que não mede conseqüências para conduzir a sua família e especificamente, o seu filho a um caminho de prosperidade, de paz e de vida correta, frente à sociedade que participa. Há uma intransigência muito grande para que o filho trilhe pela senda da retidão, praticando o bem e servindo de modelo para aquele que precisa entender a maneira de viver mais séria, sempre com vistas aos princípios de Deus, trazidos pelos iluminados, os mensageiros do amor, e do sentimento de bondade. Sabe-se que a mãe faz de tudo por seu filho, sacrificando-se a todo instante, fazendo até o que não deve com objetivo de ajudar ao filho, que não caminha muito bem pelas normas, e costumes da sociedade.

Algumas outras pessoas atribuem o amor ao apego a uma mulher, ou a um homem, pois existe um subjulgamento muito forte entre os dois, que leva a alguns problemas futuros, ao entenderem que o amor está na formosura de uma mulher, ou de um homem. Esse tipo de pensamento direciona a que as pessoas pensem que o amor está em um impulso sexual, ou na silhueta de uma jovem, que desperta em alguém a vontade de tê-la impulsivamente, pois, acabada esta fase, o amor cessa e isto não constitui verdade, na acepção real do termo amor. O amor não é isto, pode-se dizer sem medo de errar que ele é um sentimento bem maior, superando a tudo que existe na mente dos homens, que só enxergam poucos instantes em sua frente, ao quererem extrapolar para tudo que existe de inferior, e tão pequeno.

Também existem pessoas que atribuem o amor às coisas, por exemplo: alguém têm qualquer objeto e diz que têm amor àquela coisa, como se algo material tivesse condições de estar imantado de amor, da fineza desse sentimento, o mais puro que pode despertar no ser humano, e espiritual. As coisas merecem os devidos cuidados no usufruto do cotidiano das pessoas, porque servirão não somente para aquele que está as usando no momento; mas, servira, também, para outros que deverão usá-las no futuro, não somente como necessidade imediata, no entanto, como um atributo de evolução e ajuda. Tudo que se possui deve servir para que participe do processo de evolução da humanidade, ou do indivíduo e não como usufruto para que alguém se engrandeça, incutindo em sua cabeça o sentido de dominação, de superioridade, e de usurpação de uns pelos outros.

Do mesmo modo que as mães têm amor para com seus filhos, os filhos, da mesma maneira, desenvolvem dentro de si a fagulha que deve ser burilada com vistas a uma compreensão da relação existente entre os seres, isto é, entre filho e mãe, pai, irmãos e todos que o circundam. Todavia, o amor do filho vai depender muito da educação, dos ensinamentos que começam a receber dos pais, no processo de vivência no mundo material, onde se nasce simples e ignorantes, porém, cabe aos que vão recebê-lo, mostrar os primeiros caminhos da trajetória que vão seguir. Isto não acontecendo, o mundo ensina; contudo, ensina de maneira errada, que é a sua predominância, isto significa dizer, a saliência do instinto trazido de vidas anteriores, alimentada pela vicissitude da vida material que está assumindo.

No relacionamento entre pais e filhos, o pai, do mesmo modo que a mãe, desenvolve a sua aptidão de amor ao seu filho, depositando afeto, e ajudando ao irmão que agora surgiu como seu dependente, que em vidas pretéritas, pode ter sido um desafeto que precisaria melhorar a sua condição embrutecida. O pai, muitas vezes, não cumpre com aquilo que as energias projetaram quando vieram ao mundo, por em prática os ensinamentos que tiveram lá do outro lado da vida; por outro lado, o pai não vem pôr em prática nada, mas, retorna para ajudar aquele que necessita em vê-lo como um exemplo. Inegavelmente, a mãe é que desempenha o papel mais sentimentalista, de coração voltado para a bondade à correção do filho, até mesmo, de muitos que precisam de um espelho àquele que tem o dever de retornar ao mundo espiritual em condições melhores que antes.

Desta maneira, já se pode sentir que o amor não é o apego a nada, não é o gostar de alguém, não é a união de dois, rumo a um casamento, com o surgimento dos filhos, não é dizer que adora a JESUS e nem aos Santos; entretanto, o amor é tudo isto e muito mais, desde que se faça com desprendimento, objetivando a evolução. O ser humano tem muitos sentimentos, cada um deles constitui um elemento de evolução, obedece a uma escala que deve ser seguida de acordo com a situação de cada um no processo, aí nasce a emoção, a busca de ajuda, ter dó, a cooperação, e muitas outras formas de melhoramento ambiental. Neste contexto, ao alcançar esses degraus, inicia-se o processo de libertação do mundo material obsceno e maledicente, para uma compreensão de um outro cheio de paz e felicidade.

Fala-se em amor, porém, ver-se que alguém mata dizendo por amor e muitas das vezes tem a aceitação de algumas pessoas desconscientizadas do bem, da felicidade; em verdade, pensa-se que isto constitui amor, onde isto é instinto possessivo que degrada o ser humano a sofrimentos maiores, quando encarnado e aumentará quando desencarnado. Quanta ignorância paira na mente de muitos irmãos que não entendem as coisas divinas, que vêem no sentido de posse o sentimento sublime do amor, qualidade maior, que são pouquíssimos, os daqui da terra que conseguem o ter com todo o seu tamanho e desenvoltura. As mortes provocadas por amor excessivo, como dizem, não passam de acerto de contas do passado, que tem o sentido de posse que as pessoas adquirem pelos traços de um corpo físico, pela feição do rosto que lhe apresenta bondade, e chamamento irresistível.

Ainda, neste mundo, algumas pessoas desenvolvem o sentimento de apego às coisas da natureza, dizendo-se protetoras, é uma forma de sentimento que adquirem pelo aconchego que a natureza oferece a todos que somente com as energias das águas e das plantas conseguem a harmonia de sua sobrevivência no planeta terra. Neste sentido, dizem ter amor pela natureza, pois, o que se tem é alguma coisa enigmática que liga os homens brutalizados com as coisas divinas; pois, já é um princípio que se deve trabalhar para que todos possam vibrar pelo equilíbrio do mundo que a cada dia desaba. Pelo exposto, é bom que se conheça o real significado de amor, como um desapego às coisas inferiores, como uma certa utilização do livre arbítrio e, por conseqüência, um alcance à liberdade real de sua vida.

Ter o amor é conhecer-se a si próprio, é ser consciente de suas atividades no transcorrer de uma encarnação, depois, vivendo na erraticidade, com objetivo de ajuda ao próximo, sem querer retorno em tempo algum, e se algum ganho tiver de acontecer é por acréscimo, não por pagamento meritório. Deve-se lutar contra as ignorâncias próprias que se têm interiormente, assim, deste modo, tem-se a acumulação de virtudes que, dependendo do merecimento, transformar-se-á em amor, sublime docura para ser distribuído aos carentes e necessitados. Fazer aos outros tudo aquilo que gostaria que se fizesse para a com própria pessoa, isto é, muito difícil de acontecer, tão pouco compreender, pelas limitações que a pessoa impõe a si mesma, no entanto, em palavra todos dizem que são assim.

No mundo, todas as seitas, ou facções, ou igrejas pregam o amor, porém, nenhuma ainda hoje não conseguiu definir coerentemente o significado real do amor, que é a acumulação de todas as virtudes que o ser humano, ou espírito possa ter, pelo trabalho desenvolvido nas múltiplas existências. Não se consegue o amor pela aceitação de uma religião, ou outra, mas, de todo um processo que o espírito encarnado, ou não, está comprometido a cumprir fielmente, como demonstram as provas que as pessoas recebem como xeque e não entendem, contradizendo ao imantado pelas as autoridades maiores. É assim que o amor custa a se completar no trabalho que todos desenvolvem, entretanto, se não existem bons resultados depois de findada tal tarefa que deveria cumprir a contento.

O amor que a pessoa tem, começa na confraternização do lar, suportando as provas que foram imanizadas, tentando ajudar àqueles que não têm condições de caminhar com os seus próprios pés, como é o caso da maior parte dos habitantes do planeta terra que deve procurar entender o seu processo de reencarnação. Enquanto não houver a compreensão entre as pessoas, buscando sentir os diversos graus de conhecimento da realidade espiritual, não há como o amor crescer, e se estabelecer o paraíso celeste num lapso de tempo curto. Assim sendo, este é o maior desafio que a humanidade tem que enfrentar, pois, ainda não sabe o que fazer para conhecer o seu próprio interior, consequentemente, auxiliando aqueles que dependem da evolução mais intensivamente.

O amor se assemelha à pureza de um jardim florido, que exala o mais puro odor a todos os lados, não escolhendo aqueles que vão receber, tão grande dádiva da essência do belo e do harmonioso, que Deus criou para todos que precisam amenizar os seus problemas da respiração, de vida. Vê-se o amor na água límpida que passa nos leitos dos rios, sendo levadas para sanar a sede de muitos que precisam sobreviver com o auxílio da água que sacia a alma com sua doçura, sem distinção de raça, sexo, nem classe social. Finalmente, o amor é a grandeza universal que Deus esparge a todos, doando justiça, indistintamente, a quem quer que seja, pela sua grandiosidade, em conceder a reencarnação como meio de ressarcir os débitos daqueles que ainda não conhecem o caminho da verdade e da vida eterna.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet