Estimação de funções exportação e importação do Brasil para os paises do Mercosul

7. As forças econômicas da Globalização

“A globalização econômica é uma real idade.”

Globalização, conjunto de transformações políticas, econômicas e culturais que pretende a integração do mundo e do pensamento em um só mercado. A idéia da globalização é conseqüência da velocidade com que, cada vez mais, as informações são processadas.

A economia globalizada permite que haja um movimento em direção à globalização cultural. Hoje, através da Internet, um estudante ou pesquisador acessa, sem sair de casa, qualquer biblioteca ou universidade do planeta.

Os contatos humanos e as pesquisas exigem que os habitantes de um país tenham, ao menos, conhecimento básico do idioma de outros países. Acontecimentos no outro lado do mundo podem ser acompanhados on-line e em tempo real.

Apesar de a globalização uniformizar o pensamento, ela também o diferencia por sublinhar as características regionais e não deixar dúvidas, nos consumidores, de que aqueles que não detêm tecnologia estão excluídos do grande sistema que pretende gerar um pensamento universal.

Porém, ainda é cedo para avaliar as conseqüências que esta interação terá sobre as culturas nacionais, principalmente nas dos países do terceiro mundo. Mas já se sabe que a vivência humana globalizada está criando uma nova ética, uma nova forma de pensamento e, nas novas gerações, uma posição mais compreensiva diante de outras maneiras de ser e viver.

Globalização financeira, nova ordem econômica mundial que modificou o papel do Estado na medida que alterou radicalmente a ênfase da ação governamental, que agora é dirigida quase exclusivamente para tornar possível às economias nacionais desenvolverem e sustentarem condições estruturais de competitividade em escala global.

Seus efeitos são de certa forma controversos. Por um lado, a mobilidade dos fluxos financeiros através das fronteiras nacionais pode ser vista como uma forma eficiente de destinar recursos internacionais e de canalizá-los para países emergentes.

Por outro, a possibilidade de usar os capitais de curto prazo para ataques especulativos contra moedas são considerados como uma nova forma de ameaça à estabilidade econômica dos países.

Globalização produtiva, fenômeno mundial associado a uma revolução nos métodos de produção que resultou numa mudança significativa nas vantagens comparativas das nações.

Com a globalização, as fases de produção de uma determinada mercadoria podem ser realizadas em qualquer país e não mais em um mesmo país, pois busca-se aquele que oferecer maiores vantagens econômicas.

Isto tem levado a uma acirrada competição entre países -em particular aqueles em desenvolvimento - por investimentos externos. Em contraste com as décadas passadas, quando julgava-se necessário introduzir controles e restrições para disciplinar, em seus mercados, as atividades das multinacionais, agora, os países em desenvolvimento têm reformulado suas políticas comerciais e econômicas para oferecer um ambiente doméstico atraente para os investimentos externos, os quais se fazem necessários para complementar as suas taxas internas de poupança, geralmente insuficientes.

Os fluxos de mercadorias e capitais, os mercados financeiros globais, as estratégias mundiais das grandes corporações, tudo isso, potencializado pela revolução da informática esculpem a “aldeia global”.

Mas, ao contrário do que sugerem as aparências, cada um dos progressos na direção da integração dos mercados é fruto de uma decisão política dos Estados.

Foi assim com a desregulamentação dos mercados financeiros, sob o influxo das políticas liberais de Ronald Reagan, nos EUA (1980-88) e Margareth Thatcher na GrãBretanha (1979-90).

Foi assim com o NAFTA, estruturado por iniciativa de Washington e direcionado para a consolidação da hegemonia comercial dos Estados Unidos na América do Norte. Foi assim também com a redução generalizada das barreiras alfandegárias promovidas no quadro de negociações multilaterais do GATT, que culminaram com a conclusão da Rodada do Uruguai e a criação da OMC.

Todo longo processo que conduziu a formação de um mercado comum abrangendo quinze Estados na Europa centro – ocidental atesta o papel decisivo dos Estados na promoção da integração econômica.

Os Estados fazem a globalização e podem desfazê-la. A anunciada morte do Estado funciona como suporte para a produção de um discurso pendular, que se move entre a “economia mundial” e a “realidade local”. E ssa abordagem, que fecha os olhos para a esfera política das decisões do Estado, termina ignorando precisamente a ponte que interliga o global e o local.

A globalização implica uma nova reformulação das relações entre o Estado e o mercado. Em conseqüência , a noção de soberania é submetida a mais uma revisão.

A multiplicação dos acordos e blocos econômicos regionais constitui um dos fenômenos mais marcantes do pós -Guerra Fria.

Atualmente ao lado da União Européia, perfilam-se o NAFTA ,a Bacia do Pacífico e, em outra escala, o MERCOSUL, o Pacto Andino, o Mercado Comum Centro –Americano e muitos outros ainda menos significativos.

A teoria econômica explica que a formação de áreas de livre comércio acarreta duas conseqüências simultâneas.

De um lado fluxos comerciais já existentes são redirecionados , em função da atração exercida pela remoção de barreiras alfandegárias. De outro, criam-se novos fluxos comerciais, na medida em que a retirada de barreiras estimula a importação de mercadorias a custos mais baixos. O primeiro fenômeno atua contra a tendência à globalização; o segundo atua a seu favor.

Atualmente, o forte crescimento do comércio internacional indica que a criação de novas oportunidades de intercâmbio é mais intensa que o re-direcionamento de fluxos já existentes. A causa desse predomínio é simples: as políticas econômicas liberais têm suplantado as estratégias protecionistas.

Mas a globalização não se circunscreve ao comércio. No terreno dos investimentos e da ampliação da área de atuação geográfica das transnacionais, os blocos econômicos representam verdadeiros trampolins para a estruturação de um mercado globalizado.

A regionalização não representa uma barreira para a globalização. Os blocos regionais, pelo contrário, formam a estrutura orgânica da economia mundial. Por isso, o fortalecimento da última implica na multiplicação dos primeiros.

Entretanto, o processo de globalização não representa a generalização de padrões globais mas, ao contrário, a disparidade de conceitos , problemas e visões de mundo em termos de todo o mundo.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet