Estimação de funções exportação e importação do Brasil para os paises do Mercosul

CAPÍTULO IV Estudos Empíricos Realizados

Pode-se observar que ao longo dos anos já foram realizados estudos a respeito das funções exportação e importação e, em alguns destes, também, tinham como variáveis exógenas o Produto Interno Bruto (PIB) e a Taxa de Câmbio Real (TCR).

Para LORENZONI Fº (1998)

“Descobre-se que a Taxa de Câmbio influi nas exportações, mas não determina as mesmas. Para as exportações totais, um dos fatores primordiais, é a existência de uma demanda externa. Ou seja, se há um aumento de demanda externa, isto implica que o exportador se sentirá estimulado a exportar mais”.

Em seu estudo Lorenzoni F° relatou sobre o câmbio e exportações durante o Plano Real, período este compreendido desde o primeiro trimestre de 1994 até o primeiro trimestre de 1998.

Segundo CARVALHO e DE NEGRI (2000)

“As estimações das exportações são muito afetadas pelo nível de atividade mundial e pouco afetada pelo câmbio real e, as importações dependem das alterações no câmbio real.”.

Neste trabalho, os autores estimaram equações trimestrais para os quanta de produtos agropecuários importados e exportados pelo Brasil.

Estimação de equações de importação e exportação de produtos agropecuários para o Brasil (1977/1998)

Para as exportações, o período considerado vai de 1977 a 1998, enquanto, para as importações, o período das estimações inicia-se em 1978, devido à disponibilidade das séries históricas.

Os vetores de co-integração são estimados via procedimento uniequacional, a partir de uma regressão com defasagens distribuídas, e, no caso das exportações, começa-se com o procedimento de Johansen, para, em seguida, testar-se a presença de exogeneidade fraca.

Para as importações, assumiu-se, a priori, a exogeneidade fraca das variáveis explicativas, em parte baseando-se na hipótese de que o Brasil é um pequeno país importador.

As relações de longo e de curto prazo foram sintetizadas em um mecanismo de correção de erros.

As importações de produtos agropecuários mostraram-se muito dependentes da taxa de câmbio real e da taxa de utilização da capacidade doméstica instalada.

Nesse último caso, o sinal positivo da elasticidade de longo prazo indica o comportamento pró-cíclico das importações do setor.

As exportações brasileiras desses produtos são influenciadas basicamente pelo nível de atividade mundial e, em menor grau, pela taxa de câmbio real.

Segundo KUME e PIANI (2000)

“Confirma a importância dos vários tipos de acordos regionais de livre comércio para a criação de um nível extraordinário de trocas comerciais entre países membros, independente de serem compostos por países desenvolvidos ou não”.

O objetivo deste trabalho é avaliar a evolução dos fluxos bilaterais de comércio internacional entre 44 países e, em particular, os efeitos de acordos preferenciais de seis blocos econômicos, no período 1986/97.

Para tal, foi estimada equação de um “modelo gravitacional”, pela qual é possível comparar o peso da influência de preferências comerciais com o de outros determinantes do comércio, como a proximidade geográfica entre os países, seus níveis de renda absoluta e per capita, adjacência e idiomas comuns.

Em adição, foi introduzida uma variável “distância relativa”, que permite evitar que o comércio mais intenso realizado por países isolados dos mais importantes centros econômicos seja “captado” pela dummy representativa do bloco regional, superestimando-a, e o contrário, no caso de países muito próximos daqueles centros.

A análise é posteriormente segmentada em quatro subperíodos — 1986/88, 1989/91, 1992/94 e 1995/97 — , para que possam ser examinados os impactos resultantes de acordos mais recentes, como o NAFTAe o MERCOSUL.

Para HORTA e de SOUZA (2000)

“apesar das expressivas taxas médias de crescimento das exportações registradas, não se verificou, de maneira geral, um aumento do market-share17 brasileiro no mercado mundial.(...)

Apontou-se como exceção a essa regra o desempenho das exportações brasileiras no mercado latino-americano nos anos 90, sugerindo a existência de um padrão de intercâmbio diferenciado nas transações do país com a região, quando comparado com o resto do mundo”. 18

Este trabalho procura avaliar a evolução das exportações brasileiras entre 1980 e 1996.

A capacidade de inserção dos produtos brasileiros, desagregados em 19 setores industriais, em 10 mercados-destinos é comparada em três subperíodos (1980/84, 1984/90 e 1990/96), tendo-se como referências os setores em que o país detinha vantagens comparativas reveladas (VCR) e o ritmo das importações setoriais totais de cada mercado.

O texto procura demonstrar que existe uma reduzida capacidade de orientação das exportações do Brasil aos nichos de produtos e mercados mais aquecidos do comércio mundial, bem como que os maiores ganhos de mercado observados concentraram-se em setores efetivamente de baixo dinamismo, nos quais o país tradicionalmente detém VCR.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet