El cooperativismo una alternativa de desarrollo a la globalización neoliberal para América Latina

CARLOS GOMES

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO

A essência da lei fundamental da economia do sistema comunitário radica-se na necessidade objectiva e na capacidade dos grupos humanos assegurarem a sua existência, como membros da comunidade, com base no trabalho conjunto e na propriedade comum dos meios de produção. Esta força colectiva constituiu a principal força produtiva e, por sua vez, com base nela se formaram as relações sociais e económicas da comunidade primitiva.

Os agregados humanos confinaram-se durante muitas centenas de milhares de anos a pequenas regiões e expandiram-se muito lentamente por outras áreas devido, eventualmente, às suas dificuldades de movimentação, à reduzida população, à extensão territorial, aos condicionalismos geográficos e ecológicos e às mutações climáticas. Com a sua deslocação em direcção a todos os continentes, ao mesmo tempo estimulada e dificultada pelo meio ambiente, começa a despontar um traço específico histórico que é o desenvolvimento desigual.

O aparecimento de novos modos de produção, entre determinadas populações, não conduz ao desaparecimento automático dos anteriores. Surge uma coexistência de estruturas e a interacção de sociedades que se encontram em níveis diferentes de desenvolvimento. O predomínio de um certo tipo de produção numa dada etapa histórica não significa a ausência de modos de produção precedentes. Pelo contrário, persistiram, durante alguns milénios, comunidades de recolectores e caçadores ou comunas agrícolas, total ou parcialmente isoladas umas das outras, no Continente Americano (a norte do México e na América do Sul, com exclusão da zona dos Andes), na África ao Sul do Sara, na Península Arábica, em certas regiões do sul e do sudeste da Ásia, na Austrália, Tasmânia e outras ilhas do Oceano Pacífico. Em muitas regiões, só depois de outros povos, vivendo em formações económicas e sociais diferentes, terem penetrado nesses continentes se alteraram os processos de produção e as relações existentes.

Em épocas históricas separadas por dezenas de milhares de anos, mantiveram-se espantosas semelhanças no comportamento humano, mesmo quando os processos produtivos se desenrolaram de forma isolada e independente. Em todas elas existiram povos que se encontravam em níveis diferentes de civilização. Alguns evoluíram com mais lentidão e outros adiantaram-se no seu desenvolvimento, o que criou complicadas interacções. Esta desigualdade começou a manifestar-se, de forma mais acentuada, nos períodos em que, no meio da multiplicidade de comunidades de caçadores e recolectores, se destacaram tribos de agricultores e pastores que adoptaram um modo de vida sedentário ou nómada.

Apesar da grande diferença temporal no desenvolvimento dos povos de todos os continentes, a ciência descobriu a presença de leis e traços objectivos comuns no processo produtivo, na organização de clãs e tribos, nos sistemas de parentesco e de família, na divisão do trabalho e diferenciação social como consequência da desenvolvimento das forças produtivas. Populações, separadas por continentes e milénios, criam e usam os mesmos instrumentos, as mesmas técnicas de corte e polimento da pedra, os mesmos métodos de cultura ou de criação de animais, os mesmos ardis para a caça, de acordo com as condições ambientais em que vivem. A sequência do processo produtivo acompanha as mesmas tendências: à recolha simples de plantas ou animais, segue-se a domesticação, o desenvolvimento da produção alimentar, o aumento e fixação da população e a emergência de sociedades mais complexas. A diferença apenas reside no início temporal dos modos de produção subsequentes. Estabelecem-se tipos de relações sociais muito semelhantes entre estes povos.

Os povos receberam muitas influências do exterior, o que aconteceu em muitas épocas e lugares. O processo de assimilação de técnicas e crenças fez-se por adaptação ao ambiente e às circunstâncias locais.
 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet