El cooperativismo una alternativa de desarrollo a la globalización neoliberal para América Latina

CARLOS GOMES

FORÇAS PRODUTIVAS

As forças de que se vale a sociedade para exercer a sua influência sobre a natureza e a transformar denominam-se forças produtivas e incluem como elementos básicos e fundamentais: o próprio homem, na qualidade de produtor, o objecto sobre que incide o seu trabalho, os meios de que necessita para produzir.

No processo produtivo estabelece-se uma interacção recíproca entre os elementos material e pessoal. O homem ao transformar a natureza, desenvolve as suas próprias faculdades e eleva o seu nível cultural. Com a experiência adquirida e os seus novos conhecimentos desenvolve novos meios de produção. Quando estes se materializam, alteram-se os seus hábitos e conhecimentos e consequentemente mudam as forças produtivas.

Simultaneamente , estabelece-se uma relação social entre os próprios homens quer por se tratar duma acção conjunta (na produção o homem nunca está isolado) quer por a sua actividade se destinar à realização dos seus próprios meios de vida. Esta relação influencia as formas de convivência e cooperação humana e o grau de desenvolvimento da própria sociedade.

As forças produtivas são ainda uma força adquirida, produto duma actividade prática anterior. Mas são também o elemento de maior mobilidade do modo de produção. Modificam-se continuamente na medida em que os homens aperfeiçoam sem cessar os seus meios de trabalho e usufruem da faculdade de acumular conhecimentos e transmitir experiências. O seu nível de desenvolvimento reflecte-se na quantidade e na qualidade, e até na modalidade, dos diferentes ramos de actividade económica. A progressão das forças produtivas afecta o desenvolvimento dos meios de produção, na produtividade do trabalho social e da preparação cultural e técnica do próprio homem. À medida que evoluem cresce a população e aumentam entre os povos as relações multilaterais.

Na história económica da humanidade têm-se verificado grandes mudanças nas forças produtivas e, consequentemente, nas relações de produção, que correspondem a autênticas revoluções económicas e sociais, tais como:

1. A mudança decorrente da passagem da economia recolectora para um novo modo de produção baseado no aparecimento da agricultura e da pastorícia e na criação e utilização de novos instrumentos de trabalho;

2. O aparecimento e formação de classes sociais que determinaram uma profunda alteração no comportamento e no modo de cooperação entre os indivíduos na prática produtiva e deu lugar à utilização do próprio homem como instrumento de trabalho;

3. O aparecimento duma produção não destinada à satisfação das necessidades imediatas do homem que gera os bens e assegura os serviços, mas à obtenção dum excedente destinado a manter a classe dos não produtores;

4. A criação de bens materiais tendo como finalidade a troca, ou seja, a produção de mercadorias;

5. O desenvolvimento comercial e dos transportes, o aparecimento de novas matérias-primas, fontes de energia e da moeda, que conduziu ao estabelecimento de intensas relações entre os grupos humanos e os diversos povos e a criação de centros populacionais urbanos;

6. A passagem dos instrumentos e ferramentas utilizadas no trabalho artesanal, para a maquinaria e a criação da industria, mudança que corresponde à denominada revolução industrial;

7. A produção fundamentada na obtenção prioritária do lucro, invertendo o circuito económico da produção que passa a atender em primeiro lugar o consumo, e baseada na acumulação e rotação do capital;

8. A recente revolução científico-técnica, susceptível de conduzir a uma nova base económica e social apoiada numa produção amplamente automatizada;

9. O inicio da construção duma sociedade socialista capaz de influenciar a natureza do trabalho humano, o modo de cooperação, os objectivos e os meios de produção e, consequentemente, as características dos actuais elementos básicos das forças produtivas.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet