El cooperativismo una alternativa de desarrollo a la globalización neoliberal para América Latina

CARLOS GOMES

FORMAS DE PROPRIEDADE

Com o cultivo de plantas e a criação de animais, levantam-se questões dentro do agrupamento humano relacionadas com a pertença dos objectos utilizados na produção, com a posse da própria terra ou dos bens produzidos. A quem pertencem os produtos hortícolas plantados num pedaço de terra por um indivíduo ou a sua família? A quem pertencem os animais domesticados ou criados pelos pastores? A quem pertencem os cereais cultivados pelo camponês ou os artefactos manufacturados pelo artesão?

Para a caça era suficiente a forma vaga de retenção dum conjunto de território, o que de resto não impedia o caçador de utilizar outras áreas. Essa forma vaga de posse da terra não podia convir para cultivar os campos ou criar áreas de pastagem. Nesta fase de produção agrícola desenvolve-se um conceito de propriedade comunal de terras semeadas ou de vales e pradarias indispensáveis à alimentação dos animais. As terras férteis são pertença da colectividade aldeã e a cultura era efectuada colectivamente ou afecta aos clãs ou às famílias. As aldeias agrícolas mantêm o principio da propriedade comunal.

A terra não cultivada é expressamente reconhecida como pertencendo ao clã, à tribo ou à aldeia, mas quando arroteada e trabalhada torna-se usufruto da família a quem foi atribuída. Com a conversão à agricultura, a família encontra-se reforçada em detrimento do clã. Esta transformação social realizou-se lentamente à medida que foi adoptado o modo de produção alimentar.

Com a vulgarização dos domínios familiares verificou-se também uma gradual e lenta transição para o reconhecimento posterior da apropriação privada dos meios de produção utilizados pela família. O aperfeiçoamento dos instrumentos de trabalho conduziu à sua individualização, quer por parte dos utilizadores quer dos artesãos. A enxada ou o arado simples, adaptavam-se melhor ao uso individual ou familiar, conseguindo-se assim melhores resultados. Isto provocou a necessidade duma mudança no modo de apropriação dos instrumentos de trabalho, ou seja, a passagem inevitável da posse colectiva de alguns meios de produção para a posse individual.

Alguns objectos de uso comum mantêm-se na posse da comunidade; outros, como armas, peles, adornos pessoais, utensílios domésticos, são objectos de pertença individual, dificilmente discutida.

Os agricultores ao deterem a sua própria parcela de terra arável, os seus instrumentos de trabalho e ao utilizarem o próprio gado como meio de trabalho, passaram, com o desenrolar do tempo, a sentirem-se detentores dos meios de produção e, bem assim, dos excedentes dos bens de consumo produzidos.

As pastagens eram comuns e a posse dos rebanhos reveste um carácter familiar ou colectivo, mesmo entre os povos que optaram por uma vida pastoral nómada. Os indivíduos dedicados à pastorícia tornaram-se possuidores do gado e, portanto, duma importante fonte de alimentos, trocando depois os seus excedentes por outros produtos alimentares ou utensílios.

Até ocorrerem estas transformações no processo produtivo, as comunidades consideravam-se colectivamente detentoras dos produtos recolhidos. Como vimos, no modo de produção recolector os produtos são partilhados em comum pelos indivíduos a elas pertencentes. O trabalho individual de pessoas ou famílias isoladas pressupõe também a apropriação dos recursos e dos bens produzidos.

O aparecimento do uso particular dos meios de produção dá lugar a um certo isolamento do indivíduo ou da família, enquanto que no modo de vida recolector o homem está integrado no colectivo. Os laços comunais ainda não são destruídos, mas já não se pode falar de uma inteira fusão do indivíduo com a comunidade.
 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet