El cooperativismo una alternativa de desarrollo a la globalización neoliberal para América Latina

CARLOS GOMES

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS - CULTIVO DE PLANTAS

Por cultivo de plantas entende-se a plantação intencional de variadas espécies com a finalidade de aumentar a quantidade e melhorar a sua qualidade. Envolve o desbravar do terreno e um trabalho directo sobre o solo. Com a sua intervenção, o homem modifica o ambiente, a estrutura e a fertilidade do solo e a própria vegetação natural existente. Ao observar o efeito da domesticação das plantas, os homens tornaram-se botânicos praticantes que já muito sabiam dos ciclos de vida de numerosas plantas e como podiam cultivá-las a partir de estacas, tubérculos ou sementes. Assim começou a preparação dos campos para a horticultura, agricultura por plantação e sementeira.

O aparecimento de zonas de cultivo são influenciadas mais pelos condicionamentos ecológicos do que pelas limitações do conhecimento, da descoberta ou da sua difusão. Alguns cenários ecológicos são tão ricos em recursos naturais que se adaptam mais à domesticação das plantas do que ao seu cultivo. É, por exemplo, o caso de populações vivendo do peixe, raízes, bolotas, nozes e outros produtos naturais. A cultura de plantas surge, por vezes, mais tarde influenciada pelo exterior. Em ambientes florestais encontram-se vestígios de muitas plantas domesticadas, especialmente frutos e raízes. A agricultura era desnecessária junto de florestas temperadas e algumas savanas. Era igualmente dispensável a sua introdução em ambientes com demasiada mobilidade, como é o caso dos desertos, estepes e taigas, ou em terrenos difíceis de dominar, como as pradarias ervosas e florestas chuvosas. Por sua vez, orlas das florestas tropicais, como as africanas, beneficiam da existência duma diversidade excepcional de plantas comestíveis.

Numa primeira fase, as terras ainda não eram lavradas, mas eram praticadas algumas técnicas hortícolas, como a plantação de árvores frutíferas, do inhame, mandioca e outros tubérculos.

Os povos agrícolas ao desenterrarem inhames, recolocavam a parte superior do tubérculo para assegurarem a reprodução na estação seguinte. O inhame e a mandioca requerem uma agricultura de plantação, não existindo sementeira, mas uma reprodução vegetativa. A sua técnica de cultivo é diferente da utilizada para os cereais. Consiste no simples corte e plantação de modo a voltar a germinar no solo húmido, sistema ainda praticado nos nossos dias e que influenciou a evolução da actividade agrícola entre as populações que o praticavam.

O inhame serviu de sustento durante milénios e a sua cultura expandiu-se sobretudo nos continentes africano e americano. O seu cultivo desenvolveu-se ao ponto de sustentar, durante milénios, densidades populacionais extremamente elevadas. A sua propagação pode ser considerada como o primeiro estádio de desenvolvimento da produção alimentar, antecedendo o inicio do cultivo de cereais. A conversão da mandioca em farinha proporcionou o consumo dum alimento, sem ter de recorrer à recolha diária de plantas, e a acumulação de reservas e excedentes alimentares para consumo posterior ou troca com outras comunidades.

A observação da germinação natural e acidental levou o homem a ensaiar uma germinação provocada, lançando ele próprio a semente à terra. Numa primeira fase, as sementes eram colocadas em pequenas covas, abertas especialmente para esse efeito. Daí apreendeu a necessidade da rega, da verificação da qualidade do solo e a selecção da terra próxima de correntes de água. As comunidades dedicam-se a uma cultura temporária, deslocando-se à medida que as terras cultivadas se esgotam. Na prática, derrubam árvores, cortam arbustos, lançam fogo às ervas e aos troncos ramos abatidos e utilizam as clareiras, fertilizadas pela cinzas, para cultivar plantas, utilizando ainda, o pau de escavar ou apenas a enxada. Esta forma inicial persiste em várias regiões do globo. Alguns instrumentos destinados à colheita de cereais selvagens têm sido encontrados em África, como lâminas de ceifa ou foices de osso dentadas.

Com o uso do arado simples, o camponês passou de hortelão a agricultor de espaços mais amplos. Os sulcos eram pouco profundos, mas suficientes para servirem de pequenos canais que retinham a água e, ao mesmo tempo, ventilarem o solo. O arado não era ainda utilizável em terrenos rijos, mas o seu uso facilitou o cultivo de solos menos férteis ou mais difíceis de lavrar, daí resultando uma extensão da terra arável.

As extensões de terra cultivada tiveram de corresponder às necessidades de alimentação dos povos e também dos animais criados. Com excepção dos solos muito férteis, a procura de novas terras era inevitável. Em algumas regiões, a prática do pousio não era desconhecida, bem como, o enriquecimento da terra com estrume animal. Algumas tribos queimavam uma porção determinada de vegetação e aí lançavam as sementes desejadas. Já eram conhecidas as vantagens da irrigação para aumentar a produção.

As culturas com maior expansão eram as dos cereais, trigo e cevada. No continente asiático desenvolveu-se especialmente a cultura do arroz e no continente americano a cultura do milho e painço. Na África Ocidental eram cultivados cereais secos como o sorgo e uma espécie de painço. Alguns povos praticaram a cultura de forragens para alimentação dos animais.

A passagem da domesticação de plantas para o seu cultivo teve com consequências materiais, entre outras, o crescimento demográfico, o avanço da sedentarização e a propagação da cerâmica.

São assinaláveis as diferenças na evolução das populações que assentaram a sua alimentação na plantação de tubérculos ou na sementeira de cereais. Os efeitos nas relações de produção e na estrutura económica e social apresentam diferenças relevantes. Com a produção de cereais, é possível que se reduzisse o papel das mulheres na obtenção de alimentos e surgisse a possibilidade dum produtor individual gerir excedentes substanciais. É mais acentuada a tendência para uma evolução marcada pela apropriação da terra e doutros meios de produção, por uma divisão social de trabalho mais acentuada, assim como, da estratificação social.
 

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet