El cooperativismo una alternativa de desarrollo a la globalización neoliberal para América Latina

CARLOS GOMES

PRODUZIR PARA QUÊ ?

Naturalmente os produtos destinam-se a satisfazer necessidades individuais dos membros duma sociedade ou necessidades colectivas provenientes duma vida agrupada, estas também denominadas necessidades sociais.

Entre a produção e a satisfação das necessidades estabelece-se uma estreita interdependência. O desenvolvimento da produção dá origem ao aparecimento de novas necessidades e, por sua vez, estas suscitam a aparição de outras que acabam por influir na própria produção.

As necessidades consideradas primordiais devem ser satisfeitas de forma contínua e, quando atendidas, os indivíduos empenham-se em satisfazer as restantes. A fronteira entre umas e outras depende do género de vida e do nível de civilização. O progresso da sociedade tende a diversificar e a multiplicar as necessidades e os desejos.

Numa determinada época ou determinada região as necessidades económicas são função da estrutura da sociedade em que o homem vive. Diferem consoante o modo de produção, o meio ambiente, multiplicam-se em função do processo de trabalho, com o aperfeiçoamento dos meios de trabalho, a evolução dos meios técnicos e científicos.

Próximo da necessidade encontra-se o interesse que pode assumir um carácter individual, de grupo ou de classe. O interesse manifesta-se na ânsia de alcançar um determinado objectivo ou meta e nas acções tendentes à sua consecução.
Tanto as necessidades como os interesses intervêm como fonte de actividade e estimulam a actuar duma determinada maneira e dum determinado sentido. Este estímulos denominam-se motivações.

Como aptidão técnica para satisfazer uma necessidade, a utilidade possui um carácter objectivo. Para o economista possui ainda um carácter subjectivo, pois a utilidade varia conforme a maior ou menor intensidade da necessidade. Como úteis, sob o ponto de vista económico, são qualificados todos os bens ou serviços que correspondem a necessidades ou desejos independentemente de serem naturais, fictícios, imaginários, viciosos ou prejudiciais, desde que exista produção, distribuição e consumo, em suma, desde que exista trabalho.

No sistema comunitário a produção baseia-se no trabalho individual ou de grupo e realiza-se para seu próprio consumo ou troca acidental. Destina-se à satisfação directa das carências biológicas, culturais ou sociais O mesmo acontece ainda nas formas de produção para auto consumo individual ou dum grupo humano fechado.

No sistema pré-capitalista, em que o produto se transforma também em mercadoria, dá-se uma rotura entre a actividade produtiva e o processo de satisfação das necessidades. A produção adquire uma nova finalidade, como meio de pagamento dum tributo, duma renda em espécie ou em dinheiro, ou como meio de troca.

No sistema capitalista, a lógica da produção não consiste apenas na obtenção de bens económicos destinados a satisfazer necessidades, mas também a forçar o consumo com o objectivo único da maximização do lucro. A motivação do lucro e da valorização do capital leva os produtores e comerciantes a suscitar desejos individuais ou colectivos prescindíveis. Inventam-se necessidades para estimular o consumo. Cria-se a chamada sociedade de consumo que contraria a noção ética de utilidade. A lógica da actividade económica altera-se, passando a produção e a obtenção do lucro a comandar o consumo e não o inverso. A actividade económica decompõe-se assim em duas espécies distintas conforme se destina a satisfazer as necessidades efectivas ou se destina à criação artificial de outras necessidades para provocar uma procura geradora de lucros e riqueza.

Pode inferir-se que a actividade produtiva não é apenas dominada pela satisfação das necessidades, mas também pela acumulação de excedentes e por interesses da sociedade como um todo, das classes ou grupos sociais, definidos pela sua posição dentro de relações económicas e sociais determinadas.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet