El cooperativismo una alternativa de desarrollo a la globalización neoliberal para América Latina

CARLOS GOMES

Introducción

A Economia é uma ciência social ainda em construção, relativamente recente, com pouco mais de duzentos anos. Isto não significa que o homem não tenha, desde o começo da sua actividade produtiva, desenvolvido, acumulado e aperfeiçoado um conjunto de conhecimentos nessa área, formando assim o que se pode considerar um princípio de consciência económica.

Desde a antiguidade grega que o homem se tem preocupado com a influência dos factores de natureza económica na formação e na evolução das sociedades humanas. Surgiram assim escritos de filósofos, teólogos ou historiadores, como Platão e Aristóteles, a abordar conceitos relativos aos fundamentos económicos do Estado, ao processo de divisão do trabalho ou à definição de classes sociais, de acordo com o modo de produção predominante na época.

Muito mais tarde, nos séculos XIV e XV, no seio duma sociedade alicerçada na produção mercantil generalizada, em que o comércio desempenha já um papel importante, alguns escritores árabes, como Ibn Khaldoun e El Makrizi debruçaram-se sobre temas económicos, chegando a analisar fenómenos monetários ou a desenvolver conceitos sobre o trabalho, o valor e o preço.

A abertura das rotas marítimas do Atlântico ao Pacífico contribuiu para uma grande expansão do comércio mundial. Começaram então a aparecer, no século XVI, autores preocupados com o estudo do mercado comercial e financeiro, da política económica do Estado, do equilíbrio entre a produção e o consumo, entre a oferta e a procura, com o estudo da acumulação da riqueza e a defesa da propriedade. Tais autores surgiram nas regiões onde o capitalismo registou um maior crescimento, ou seja, na Europa Ocidental, desde a Espanha à Inglaterra. Esta circunstância influiu no conteúdo das obras então vindas a público, cujas análises e conceitos evidenciam as questões relacionadas com o desenvolvimento do próprio sistema capitalista naquela área do continente europeu. Tais obras reflectem uma análise muito restrita e um alheamento da estrutura social e económica doutras regiões e doutros sistemas. Constituem porém as primeiras pesquisas metódicas e sistemáticas reveladoras dum efectivo interesse científico.

O desenvolvimento do comércio e da industria, durante o século XVIII, enfrentou grandes obstáculos por parte dos governos ainda dominados pela aristocracia feudal e dá lugar ao aparecimento de novas doutrinas económicas. Populariza-se o lema “laissez faire, laissez passer”. Com o começo da revolução industrial a investigação económica intensifica-se acompanhando sempre a expansão do próprio sistema capitalista. Datam desta época os estudos mais aprofundados dos fenómenos económicos, as tentativas de definição da economia política como ciência autónoma com as suas próprias leis, o aparecimento de novos conceitos e categorias.

As conclusões extraídas são altamente influenciadas pela evolução do capitalismo na Europa. Situam a Economia, não como uma ciência social extensiva a todo o mundo, a todas as suas gentes, a todas as civilizações e modos de produção existentes, mas apenas como ciência do próprio sistema capitalista em expansão.

Uma grande controvérsia se gerou então entre os economistas, originada pelos antagonismos das classes sociais. A consciência económica assume claramente um carácter de classe e isso determinou a formação de escolas e teorias adversas, designadamente o pensamento marxista.

Ora, a investigação económica não pode assumir uma atitude restritiva ou apologética duma ordem social. Deve abranger todas as estruturas que se interligam e sucedem umas às outras, no tempo e no espaço. Deve incluir todos os povos e não apenas aqueles que, numa determinada época histórica, mais intensamente participam numa fase do desenvolvimento mundial.

O estudo dos problemas económicos e a bibliografia decorrente não tem em geral ultrapassado o sistema capitalista. Apenas, o modo de produção socialista, ainda muito recente e a dar os seus primeiros passos, hesitantes, com avanços e recuos, colocou na ordem do dia a questão da Economia Política numa nova sociedade baseada na eliminação do antagonismo entre as classes sociais e a exploração do homem pelo homem.

Só a corrente marxista se dedicou ao estudo dos problemas das formações económicas e sociais anteriores ao sistema capitalista e sobretudo ao modo de produção feudal, mesmo assim com as limitações oriundas dos escassos conhecimentos existentes na época. Além de Marx e Engels, poucos foram os autores que se preocuparam com o estudo e a interpretação dos modos de produção e dos fenómenos económicos e sociais ocorridos desde os primórdios da sociedade humana.

No entanto, vários economistas têm reconhecido que a economia do futuro deve compreender o conjunto de todas as regiões e épocas históricas. O facto de não ter sido ainda suficientemente estudado em pormenor a economia do sistema comunitário e de alguns modos de produção do sistema pré-capitalista cria dificuldades extremamente sérias aos investigadores.

Os avanços da investigação histórica, do sociologia, da psicologia, das tecnologias, da demografia, da estatística e a expansão a nível mundial da transmissão do conhecimento, permitem aprofundar muitas áreas da ciência económica com novos dados que não eram conhecidos há um século atrás. Por outro lado, a bibliografia económica mais recente tem-se especializado em analisar de forma exaustiva a evolução do sistema capitalista, na sua estrutura global e monopolista, os fenómenos inerentes ao sistema socialista na sua fase adolescente, ou a tentar prever acontecimentos futuros.

Constitui uma preocupação do autor tentar ultrapassar estas limitações e contribuir, se disso for capaz, para uma reanálise das ciências económicas de forma a que os seus conceitos e categorias, as suas leis, a natureza dos meios de produção, as relações económicas e sociais, passem a ser analisadas e definidas, duma forma abrangente, quando referidas a todos os sistemas económicos e a todos os continentes ou, duma forma restrita, quando respeitem apenas a um sistema, a uma estrutura ou região específica.

O conteúdo deste livro abrange apenas os fenómenos económicos ocorridos no sistema comunitário e nos seus modos de produção, a sua análise e evolução, pelo que nele não terão cabimento definições de categorias económicas, tais como: mercadoria, valor, preço, moeda, renda, inflação e outras, que só têm significado nos sistemas pré-capitalista, capitalista ou socialista.

A fonte informativa é escassa e, como não podia deixar de ser, essencialmente histórica. Para isso, concorreram os conhecimentos científicos conseguidos pelo homem nestas últimas décadas nas áreas da antropologia e da história.

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet