ENCUENTROS ACADÉMICOS INTERNACIONALES
organizados y realizados íntegramente a través de Internet



‘Rianxo, o mar feito tradição’: um caso de boas práticas na recuperação patrimonial e desenvolvimento turístico sustentável*
 


Bárbara Kristensen
Joám Evans Pim
Óscar Crespo Argibay

Núcleo de Estudos Atlânticos
Instituto Galego de Estudos de Segurança Internacional e da Paz
Rianxo, Galiza

Nota introdutória

Não é de hoje que o mar, com seus mistérios e encantos, faz parte da cultura galega. Na verdade, sabemos que seria impensável imaginar a cultura e, por que não, a história galega sem a influência e primazia do ‘oceano galleciense’. Sendo pensado como mais do que um meio de locomoção, o ‘mar galego’ é praticamente uma ‘entidade’, que rege e guia o modo de vida e devir da Galiza.
Já as cantigas da Idade Média, fruto primeiro da hoje tão rica literatura galego-portuguesa, tinham este ambiente como maior inspiração, tanto para as ‘lamentações’ das solitárias moças galegas como para a exaltação e superiorização do mar. As influências e a importância, no entanto, não se encerram aqui.

Este texto fue presentado como ponencia al
TERCER ENCUENTRO INTERNACIONAL SOBRE
Desarrollo sostenible y población
realizado del 6 al 24 de julio de 2006

Esta página muestra parte del texto de la ponencia, pero carece de las tablas o imágenes o fórmulas o notas que pudiera haber en el texto original.

Pulsando aquí puede solicitar que le enviemos el Informe Completo y Actas Oficiales en CD-ROM
que incluye todos los debates en los foros, la lista de participantes, con indicación de sus centros de trabajo y los documentos que se presentaron en el Exhibidor del Encuentro.

Si usted participó en este Encuentro, le enviaremos a la vez su certificado en papel oficial.

Vea aquí los resúmenes de otros Encuentros Internacionales como éste

VEA AQUÍ LOS PRÓXIMOS ENCUENTROS CONVOCADOS



Os primeiros vestígios relacionados com a exploração dos recursos marinhos na área galaica, os ‘picos camposanquenses’ remontam-se ao Paleolítico (Calo, 1996:13), desenvolvendo-se a actividade de forma paulatina até o período da civilização castreja e tendo Rianxo, e as suas próximidades, importantes testemunhos destes assentamentos (veja-se, por exemplo, a amostra interpretativa das artes e prácticas pesqueiras célticas no complexo de Neixão em Boiro).
O domínio romano, embora reduzindo à escravidão grande parte das populações indígenas, introduziu, certo é, sofisticados aparelhos e indústrias de salgadura, apesar de ter sido na Alta Idade Média, marcada pela constituição, na Galiza, do primeiro Estado da Europa Ocidental após a queda do Império Romano, onde alguns autores (Calo, 1996, por exemplo) situam a aparição de autênticas comunidades pescatórias. A arribada nos portos da Galiza de gentes das mais diversas procedências devido às Cruzadas e perigrinações marítimas, que tinham em Compostela paragem devida, junto com a marcada influência escandinava nas nossas embarcações, configurariam os sistemas tradicionais, só alterados com a chegada dos baleeiros de Euskal Herria e, mais tarde, dos fomentadores catalães.
Nesta nova fase pré-industrial (ou protocapitalista) introduzem-se as embarcações a vapor, novas artes como o cerco de xareta e arrastre e novas fórmulas industriais, substituindo a indústria conserveira os armazéns de salga. O marinheiro passa, em muitos casos, de ser proprietário ou co-partícipe dos meios de produção a simples assalariado, incorporando-se também a mulher às indústrias de terra (Calo, 1996: 23).
Só nos anos 60, e com o retorno de alguns emigrantes, parte dos meios de produção retornarão às mãos dos marinheiros que adquiriram barcos melhor dotados, possibilitando avanços notórios tanto nas condições de trabalho como nos próprios resultados.
Dentro deste panorama, seja qual for o contexto histórico, na Galiza, seriam as embarcações marítimas as que de forma mais precoce acadariam pleno desenvolvimento epocal. Partindo da antiguidade, onde já se perfilara essa vocação atlântica de relacionamento com as demais fisterras (lembremos que a viagem por mar desde a Dinamarca até as costas galegas demorava menos de oito dias, em contraste com as difíceis ligações terrestres com a península), o engenho deste povo marinheiro, plasmado em sector artesanal/industrial ponteiro, foi capaz de botar ao mar um grande número de embarcações e aparelhos, bem para a pesca como para o transporte de mercadorias ou pessoas (Cerdido, 1999:77).
O decorrer histórico, as mudanças societárias e tecnológicas, a vocação atlântica, no fim, forjaram nas costas galegas uma longa tradição de interação e convívio entre homem e mar. O tempo legou-nos as evidências desta relação, ainda hoje viva, que se pretende manter para as gerações vindouras, pois é através da memória do passado que um povo se pode afirmar como tal no seu caminho face ao futuro. Para evitar a sua desaparição e esquecimento, no entanto, é preciso saber conjugar a tradição com os reptos e desafios que nos aguardam, sendo a conservação do patrimônio um ponto crucial neste caminho.
No presente artigo, desta forma, pretendemos achegar um estudo de caso de uma iniciativa que visa a recuperação, mantenimento e divulgação do patrimônio histórico e antropológico marítimo-pesqueiro com vistas à sua maximização como elemento sustentável para a dinamização turístico-cultural da economia local. O projeto em questão, que se traça desde os seus primórdios até a sua realização atual, abordando os desenvolvimentos previstos a curto, médio e longo prazo, é o da vila de Rianxo, ‘O Mar Feito Tradição’.

Caracterizando a área: uma vista sobre Rianxo

Até o encontrado agora, os restos arqueológicos costumam indicar a presença humana nos arredores da vila há mais de 4.500 anos (Axeitos, 2001:8). A intensa presença dos petróglifos, da mesma forma, e a intensa ocorrência de enterramentos tumulares (mâmoas) e castros (até treze catalogados) neste município parecem confirmar que, talvez não exatamente nesta data (senão anterior), Rianxo sempre se constituiu um local de assentamentos e vida humana organizada . E, logicamente, permanece assim até hoje.
Localizado ao extremo sul da província da Corunha (antiga província de Santiago, até 1833), no vértice inicial da Ria d’Arouça, integrado à Comarca do Barbança, Rianxo é um sítio extremamente bem localizado: cerca de 40 minutos de Santiago Compostela e pouco mais de uma hora para as capitais das outras províncias galegas. Sua extensão abrange cerca dos 59 km2, repartidos entre 82 ‘entidades de povoação’ (Páramo Aller; Lavandeira Suárez, 2000:2), conformando seis paróquias e comportando uma população de aproximadamente 12 mil habitantes (Costa, 2001; Tubío e Gómez, 1987).
Os recursos econômicos de Rianxo, ao que tudo indica, precedem basicamente do mar (o cultivo do mexilhão, a pesca artesanal, etc.) e do campo, que geralmente é considerado de autoconsumo. Além disso, mas já em menor escala, também se encontra a presença de outros setores da atividade industrial e comercial (florestal, têxtil, pequeno comércio, etc.) (op. cit., 2000:3).
No que diz respeito aos estudos, ainda que não pareçam ser completamente fiáveis (op. cit., 2000:3), os dados indicam que aproximadamente 70% da população possui formação inferior ao título equivalente à primaria e menos de 1% possui titulação de Ensino Superior.

A ‘Escola-Obradoiro Xeiteira’: o agente impulsionador

Já conhecendo o indicadores sócio-econômicos da vila e também a importância do mar na cultura rianxeira, a idéia de eternizá-la e, mais praticamente, transformá-la em momumentos não parece impensável. Foi desta maneira que, em 1996, o Concelho de Rianxo deu início a uma linha de atuação cujo objetivo centrava-se na ‘intervención cultural nas súas máis diversas fórmulas, e máis concretamente na intervención patrimonial, un dos elementos claves de desenvolvemente local do territorio’ , descrito no documento ‘Liñas mestras para o desenvolvemento dun plan estratéxigo no Concello de Rianxo baseado no turismo rural e cultural’.
O projeto, que este ano comemora uma década, como bem se imagina, contemplava objetivos ambiciosos e que, efetivamente aplicados, conseguiriam conferir ao patrimônio um status de agente impulsionador do crescimento local, o que nos parece facilmente perceptível se considerarmos, entre eles, a remodelação do Passeio da Ribeira e a construção do Passeio Marítimo, por exemplo, tendo sido grande parte inaugurada faz poucos anos e considerado dos melhores de toda a Comarca.
Também neste sentido, em 1997, baseando-se em um projeto elaborado pelos serviços técnicos da Educação, Cultura, Esportes, Juventude e Tempo de Lazer, em conjunto com a Agência de Emprego e Desenvolvimento Local, iniciaram-se os processos para a implantação da ‘Escola-Obradoiro Xeiteira’ que, com um orçamento aproximado de 700 mil euros (cobertos pela Consellería de Familia, pelo Concelho de Rianxo e por outras subvenções, inclusive de entidades privadas), em junho de 1998, o Concelho de Rianxo, juntamente com a Conselharia de Família, Promoção do Emprego, Mulher e Juventude da Junta da Galiza e com subvenções do Fundo Social Europeu inauguravam.
Para levar a cabo esta inciativa, os organizadores valeram-se de projetos já desenvolvidos, especialmente os de Marim (em Ponte Vedra), Astillero (em Cantábria) e Tenerife (nas Ilhas Canárias). Desta forma, deu-se início a um trabalho de ‘recopilación de material (...), de lecturas abundantes y ahondantes, de entrevistas y conversaciones con empresas vinculadas a los diversos sectores que queríamos abarcar, con personal de outras escuelas-taller, etc.’ (Páramo Aller; Lavandeira Suárez, 2000:7), buscando a efetiva elaboração dos conteúdos, do currículo e a análise de empresários, para medir que efeitos poderiam gerar a fundação de uma escola-obradoiro como esta.
Tendo em vista, e não somente, o nível de desemprego da época entre os jovens (cerca de 21% da população menor de 25 anos, de acordo com Páramo Aller e Lavandeira Suárez, 2000:3), esta iniciativa visava, dentro de um prazo de 18 meses, formar cerca de 45 jovens não-trabalhadores das paróquias de Rianxo, com idades compreendidas entre 16 e 25 anos, na tentativa de oferecer-lhes uma via de formação nas áreas em que ‘a oferta educativa está pouco desenvolvida’ (Páramo Aller, 1999:15), mais especificamente em alguma das três especialidades que abarcavam o programa, a saber: Carpintaria de Ribeira, Novas Tecnologias de Construção Naval e Atividades Náutico-turísticas, além de ‘avanzar en el proyecto de desarrollo que, desde el Gobierno Municipal, se intenta[ba] implementar’ (Páramo Aller; Lavandeira Suárez, 2000:5).
Cada especialidade, como se pode imaginar, tinha objetivos e planejamentos distintos. Desta forma, os alunos que seguissem a especialidade de Carpintaria de Ribeira, deveriam, ao final do obradoiro, ser profissionais que ‘dominasen las técnicas de construcción artesenal de embarcaciones propias de la tradición gallega’ (op. cit., 2000:8-9), dominando as técnicas básicas de representação gráfica, as noções pertinentes da teoria do buque e do desenho naval, os conhecimentos e habilidades suficientes para realizar trabalhos e montagens em madeira (reconhecendo e valorando e conservando os materiais), além de elaborar modelos, estrututuras constitutivas e realizar montagens, sabendo, ademais, lidar com a execução e a colocação das coberturas e com a habilitação dos interiores das embarcações, posteriormente assentando e alinhando as motorizações, selando, calafateando e embreando as juntas dos barcos (op. cit., 2000:8), construindo, finalmente, uma buceta, um bote chinchorro, uma dorna, um bote do Minho, uma lancha xeiteira e um batel (op. cit., 2000:14).
Com isto, o projeto de obra de Carpintaria de Ribeira, além de oferecer uma qualificação de aptidões laborais-acadêmicas a jovens desempregados, fez um importante traballho de recuperação do patrimônio marítimo, não apenas com a construção de réplicas de embarcações tradicionais das Rias d’Arouça e Muros-Noia mas também com a reparação de outras como a gamela da Guarda, o bote polveiro, etc. Muito importante foi também o labor de seguimento realizado em paralelo pelo mestre carpinteiro de ribeira e a engenheira técnica naval, elaborando planos e uma descrição detalhada das fases do processo construtivo, o que salvaguarda um saber em grave perigo de extinção facilitando, a modo de guia, a construção de novas réplicas no futuro (Páramo Aller, 1999:16).
Os alunos que elegeram a especialidade de Novas Tecnologias de Construção Naval deveriam saber, ao final do um ano e meio de atividades, realizar desenhos técnicos básicos, utilizando a norma correspondente; compreender e interpretar planos utilizados na indústria náutica; conhecer e utilizar os distintos tipos de materiais e ferramentas necessários para o avanço de trabalhos simples em madeira para construir modelos e cascos propriamente, além de montar subconjuntos e acessórios para tais (Páramo Aller; Lavandeira Suárez, 2000:8-9), finalizando com a produção de uma ‘yola’, um batel, um cadete, uma piragua e um snipe (op. cit.,2000:14).
A especialidade de Atividades Náutico-Turísticas, que, por motivos óbvios, é a que nos deteremos mais detalhadamente, buscava formar profissionais que procurassem a exploração da crescente demanda que o turismo, rural e ativo, tem vinculado, assim como a ‘ocupación del ocio y tiempo libre, desde la vertiente de las actividades acuáticas y náutico-recreativas, sin excluir otras modalidades adyacentes y complementarias’ (op. cit., 2000:9). Com isso, o projeto desta especialidade baseou-se na observação do seu público discente, dos planejamentos constitutivos das propostas de turismo ativo, rural e cultural e das potencialidades oferecidas pelo Concelho de Rianxo e seus entornos, dirigidos à náutica, lazer, tempo livre e turismo (op. cit., 2000:9).
Desta forma, os alunos deveriam ter conhecimentos e competências concernentes ao manejo das embarcações, dominando os preceitos de segurança e casos de emergência, além da normativa que regula e informa este campo de atuação; saber manter e conservar os equipamentos disponíveis e, acima de tudo, utilizar o ‘acervo cultural, material y espiritual como potencial recurso turistico y de ocio’ (op. cit., 2000:9-10), já que este é um setor de atividade de crescente interesse econômico, mas que, por outra banda, exige noções de saberes da psicologia e pedagógicos, gestão de recursos, educação ambiental, aprendizagem teórica e prática das técnicas de recreação, a educação para saúde, etc., além de um amplo conhecimento da realidade biótica e física da Vila de Rianxo e, por extensão, da Ria da Arouça, dominando os valores naturais, patrimoniais e socioculturais que fossem mais importantes para o aproveitamente turístico (op. cit., 2000:11-12), diretrizes abordadas pelo currículo da especilidade.
Entre os resultados desta especialidade, esperava-se que os alunos que escolheram a especialidade de Atividades Náutico-Turísticas terminassem por desenvolver excursões, estudos, maquetes, exposições, material artesanal, atividades de animação, etc. (op. cit., 2000:14).
Muito além de se constituir o que Santiago Páramo (1999:15) chamou de ‘centro de dinamización local e, mesmo, sectorial’, os objetivos da escola, como se comentou, centravam-se na incorporação destes alunos-trabalhadores ao mercado de trabalho do mundo marítimo, trazendo à tona e realçando a influência de Rianxo (assim como, por extensão, da Ria d’Arouça e da Comarca do Barbança) nesta área e, logicamente, estabelecendo intercâmbios de informação e, até certo ponto, formativos, com outras instituições deste tipo, principalmente no âmbito internacional – nomeadamente na União Européia.
Desta forma, e como se pôde perceber, os projetos que se buscavam realizar dentro deste período, isto é, de junho de 1998 a dezembro de 1999, incluíam, desde o desenvolvimento de atividades múltiplas para fomentar o turismo náutico-desportivo e uma aproximação ao mar sob uma nova perspectiva, que considerasse o mar como um espaço de lazer, como fonte de riqueza, vida e saber, etc., atingindo não somente os próprios estudantes do obradoiro, como também as crianças em idade escolar, os marinheiros e os conterrâneos de comunidades pesqueiras, além dos turistas que se achegam a Rianxo em épocas estivais; como a construção de embarcações tradicionais em madeira (especificamente a lancha xeiteira, a dorna, o bote), que serviriam de trabalho prático para a consolidação dos conhecimentos, destrezas e habilidades imprescindíveis para construir e reparar as embarcações, além de recuperar e valorizar o patrimônio cultural marítimo rianxeiro, não desprezando, é claro, a presença das novas tecnologias e materiais (fibras, resinas, laminados, etc.) que se utilizam cada vez mais na fabricação do transporte marítimo.
Assim, os estudantes, tendo escolhido a área com que mais pareciam se identificar, deram início as atividades coordenadas por professores e especialistas, cumprindo as tarefas propostas e alcançando – e em certas vezes superando – os objetivos e metas desejados para o projeto.
Para cumprir estas metas e ‘optimizar la formación recibida por nuestros alumnos’ (Páramo Aller; Lavandeira Suárez, 2000:19), foram também promovidas cerca de dez viagens formativas a fim de visitar empresas de construição naval, instituições de caráter educativo relacionada com a cultura ou com o meio marinho e cidades históricas nas que o mar – e as suas entidades derivadas – tivessem sido essencialmente importantes. Além disso, realizaram-se conversas com sindicatos, direções de empresas, com o Instituto Galego de Promoción Económica e jornadas a respeito do patrimônio e da carpintaria de ribeira (op. cit., 2000:19-20).
Da mesma forma, também se realizou um programa de intercâmbio entre jovens rianxeiros e da localidade de Douarnenez, na Bretanha, através do qual também se pôde conhecer melhor, e in situ, as atividades desenvolvidas por este local, como, por exemplo, a escola de carpintaria de ribeira L’Atelier de L’Enfer, o Museu do Mar, o Museu da Pesca de Concarnau, entre outros.
Além do dito, os alunos da especialidade de Atividades Náutico-Turísticas concretizaram uma gama de eventos, como, por exemplo, a ‘Festa das Tradições Marinheiras - Encontro de Embarcações Tradicionais’, que favoreceu a recuperação e revalorização do patrimônio local, realizada muito exitosamente em 1999 e a assinatura de convênios com outras instituições, inclusive estrangeiras (nomeadamente de Portugal e Noruega, além das espanholas de Astúrias, País Basco e Baleares e da Consellería de Pesca da Xunta de Galicia), com as quais mantinham objetivos coincidentes, ademais da consolidação de relações com as associações locais (conforme afirmam Páramo Aller; Lavandeira Suárez, 2000:22, os Clubes Náuticos, Clubes de Remo, Clubes de Piragüismo, estaleiros, associações profissionais, comissões de festa, a comunidade educativa etc.), da reconstituição da Federación Galega de Asociacións pola Cultura Marítima e da fundação, apoiada pelo Concelho, da ‘Aquelar’, uma cooperativa que prestaria serviços turísticos (op. cit., 2000:28-29).
No entanto, entre estas atividades, uma em destaque merece especial atenção: a criação da ‘Aula Activa do Mar – Santiago Gallego Picard’, funcionando ainda hoje em Rianxo e considerada um ponto turístico essencial para melhor conhecer a vila, que se consitui um ‘espacio no que se combinan diversos aspectos para a educación ambiental sobre o medio mariño, xunto con elementos de tipo etnográfico referidos á carpintería de ribeira, artes e útiles de pesca e mariqueo e divulgación sobre as embarcacións tradicionais de Galicia’ (Páramo Aller, 1999:19), com a finalidade de dinamizar a comunidade desde a educação ambiental, procurando a participação e integração dos coletivos e pessoas no processo .
Além de ser o resultado vivo da iniciativa educativa iniciada em 1998 e, como dissemos, fazer parte dos principais pontos turísticos rianxeiros, servindo de modelo aos interessados em projetos como este, a concretização exitosa da ‘Aula Activa do Mar’ acabou, de uma maneira ou de outra, por impulsionar todo um projeto maior, um ‘complexo museístico localizado en diversos espacios da vila de Rianxo’, agrupados sob a denominação de Rianxo, o Mar Feito Tradición: Proxecto de Activación do Patromonio Marítimo Rianxeiro’ .
Este projeto maior subentendia a presença, o auxílio e a atuação de diversos grupos organizados e definidos para tal, agindo tanto em questões de caráter infraestrutural (a grande maioria já, de certa maneira, existente em Rianxo) como de caráter pessoal (por exemplo o assessoramento técnico, concedido através de um convênio com o Museu do Povo Galego que a vila efetivamente concordou no ano de 2001), assim como, se possível, a presença de indústrias relacionadas à ligação deste projeto com a importância e influência do mar.
A linha de atuação desta iniciativa, especificamente, tinha em mente seis enclaves, além da já citada ‘Aula Activa do Mar’, nos quais nos deteremos a seguir:

a) o Museu da Tradição Marinheira, que, assim como vem fazendo a ‘Aula Activa do Mar’, utilizaria as instalações municipais da ‘Casa do Coxo’, direcionado à pesca e à carpintaria de ribeira, aproveitando, entre outros, o material utilizado e o produzido pela ‘Escola-Obradoiro Xeiteira’ na sua vertente de Carpintaria de Ribeira. Este espaço constaria de três plantas com uma superfície de 193,63 m2 no que se desenvolveriam áreas de conteúdo como ‘O mar, fonte de vida e de comunicação’ (história da pesca na Galiza; o mar como via de comunicação, o mar como motor de desenvolvimento econômico); ‘A pesca’ (história da pesca em Rianxo e na Ria d’Arouça, atividades relacionadas com o mar em Rianxo, artes e aparelhos da pesca costeira); ‘As embarcações galegas e a sua construção’ (definições de barco, tipos de propulsão, dimensões, funções e tipos de embarcação, tipologias de construção); ‘A carpintaria de ribeira e a construção de embarcações’ (definição de carpintaria de ribeira, situação atual, descrição do lugar de trabalho, processo construtivo, descrição de ferramentas, madeiras, etc.); incluindo maquetes das dinstintas fases do processo construtivo, elemenos de propulsão (remos, velas, motores, ...), artes e aparelhos de pesca e marisqueio, etc.

b) o Museu a Flote de Setefogas, dependente de ‘Portos de Galicia’, constituindo-se um espaço aberto composto por cerca de dez unidades, visando a conservação das embarcações tradicionais marinheiras galegas;

c) a Capela de São Bartolomeu, dependente do Arcebispado de Santiago de Compostela, a transformar em um espaço-museu de ‘exvotos marinheiros’, abrangendo a mística relação entre a religião e o mar na cultura galega e, especificamente, rianxeira;

d) a painelização autointerpretativa da zona portuária, espaço sob o jugo de ‘Costas de Galicia’ que permitiria ‘a interpretación ambiental, sociocultural e económica da paisaxe da ribeira e da actividade portuaria’;

e) a Casa Marinheira, que consistia na reabilitação ‘de época’ de uma ‘casa do remo’, com mobiliário e outros elementos integradores e característicos;

f) a remodelação da Casa da Cultura ‘Quartel Vello’, municipal, atualmente dedicada às atividades da Cultura (até que se inaugure um novo espaço), que funcionaria como um ‘complemento ó Museo da Tradición Mariñeira’, alojando exposições temporais, compilando documentação especializada, realizando obradoiros, eventos, etc.

É bem verdade que, conforme dissemos no início deste apartado, o projeto tencionado pelo Concelho parecia ser um tanto ambicioso e extenso, tornando imprescindível a atuação e participação de diversas entidades e contando com um pessoal especializado nas variadas áreas que abrangia.
No entanto, conforme observaremos no apartado a seguir, e levando em consideração todos os trâmites, geralmente morosos, que este tipo de inciativa demanda, alguns dos itens que compunham o complexo têm se desenvolvido, tomando forma, e remodelando a visão e a estrutura rianxeira concernentes às atividades turísticas e ao patrimônio marinheiro que as compõe.

Concretizando os objetivos

Conforme já repetimos neste artigo, não é novidade que projetos deste porte, especialmente de âmbito público, e por motivos que nos são claros (entre muitos outros, a aprovação dos orçamentos, a subordinação dos concelhos e as outras prioridades que sempre surgem em um organismo vivo como é a administração pública), exigem um largo espaço de tempo e uma quantia geralmente vultosa de investimentos cujos financiamentos, como bem se supõe, não se demonstram fáceis de alcançar.
Desta forma, no largo deste dez anos de idealização (desde que se publicaram as ‘Liñas mestras para o desenvolvemento dun plan estratéxico no Concello de Rianxo baseado no turismo rural e cultural’), foram possíveis alguns avanços neste sentido e a concretização, pelo menos parcial, de algumas as iniciativas.
Como já dissemos, o que, pelo menos nos dias de hoje, parece apresentar um êxito maior e que, devido a isso, tornou-se, de certa forma, o agente impulsionador de outras atividades, é a instauração e a atuação da ‘Aula Activa do Mar - Santiago Gallego Picard’’, que costumeiramente desenvolve atividades, especialmente no âmbito escolar, e encontra-se aberta à visitação e ao estudo.
Por outra banda, e ao menos atualmente, a construção do novo espaço para a Casa da Cultura (que compreenderia, entre outras instalações, o novo auditório e os gabinetes que atualmente alberga o ‘Quartel Vello’) apresenta-se em estágio avançado e aguardando inauguração para ainda este ano, assim como o Museu da Tradição Marinheira que está com a infraestrutura praticamente completa, fazendo falta apenas itens basicamente estéticos ou de menor importância para a inauguração, também idealizada para o presente ano.
No que tange à painelização da zona portuária, ainda que não se tenha concretizado por inteiro o projeto, algumas iniciativas foram já tomadas pelo Concelho de Rianxo, a partir da remodelação do Passeio da Ribeira, como a identificação dos monumentos ali presentes (as ‘Casas do Remo’, as edificações religiosas, as estátuas em homenagem aos grandes literatos galegos, o monumento à Rianxeira, o museu de arte ao ar livre, com a representação da trainheira ‘Manuela’, entre outros).
Os dois projetos que ainda restam são os que, ao nosso ver, encontram-se menos desenvolvidos. Relacionando-se ao ‘Museu a flote de Setefogas’, a verdade é que não muito pôde ser feito, com exceção da construção do Passeio Marítimo e integração do porto de Setefogas a este, já que esta área depende dos ‘Portos de Galicia’ e, além disso, implicaria uma intensa revitalização, através de dragagem e saneamento da área, não nos esquecendo de todo o material que se supõe existir em um museu como este.
O projeto que envolve a transformação da Capela de São Bartolomeu no museu dos exvotos marinheiros, até o momento, consistiu na restauração da edificação, ocorrida nos finais dos anos 90. Outras iniciativas ainda dependeriam da aprovação do Arcebispado de Santiago e, da mesma forma que é necessário em outras entidades museísticas, a presença de pessoal especializado e a efetiva elaboração ou busca de elementos para constituir um acervo.
E finalmente, abordamos o projeto relacionado à ‘Casa Marinheira’, que busca revitalizar o espaço, já identificado e reconhecido como as ‘Casa do Remo’, e reconstruir o ambiente tradicional dessas edificações, cujo andamento semelha estar ainda em fase inicial, já que estas casas são de particulares e não mais têm a sua função primeira.
Como percebemos e fizemos questão de ressaltar, as iniciativas que compõem o projeto ‘Rianxo. O Mar Feito Tradição’ demonstram-se ambiciosas e de complicada execução. Desta forma, acreditamos, tendo em conta o relativamente curto tempo que se vem trabalhando nestas atividades e, principalmente, pensando nos recursos disponíveis, parece ser que o desenvolvimento destas idéias tem mantido uma postura otimista e ativa, buscando sempre avançar dentro dos limites impostos.

Reflexões finais e outras proposições

Conforme tratamos de abordar neste artigo, já há quase uma década, o Concelho de Rianxo vem se direcionando para uma política de restauração do patrimônio marítimo que, nesta vila, sempre se demonstrou essencial e riquíssimo.
Neste sentido, propuseram-se diversos projetos que comungassem para o objetivo final de integrar novamente à sociedade as imagens e as circunstâncias de um Rianxo pesqueiro, marítimo e, seguindo as tendências atuais da economia mundial, turístico.
Dentre os variados projetos, sobre os quais expusemos ínfimas considerações, destacou-se visivelmente a ‘Escola-Obradoiro Xeiteira’ que, conseguindo cumprir com grande parte dos seus objetivos e formando jovens atuantes no desenvolvimento do município, inaugurou um exitoso ponto turístico, essencial para Rianxo: A ‘Aula Activa do Mar - Santiago Gallego Picard’.
É verdade que, conforme nos dizem Páramo Aller e Lavandeira Suárez (2000:31), o sucesso da Escola-Obradoiro Xeiteira acaba por ‘reclamar’ mais uma edição (uma ‘Xeiteira II’), ainda sem estar projetada, na que, como comentam estes autores, ‘justifican la continuidad de la especialidad de Actividades Náutico-Turísticas, pero introduciendo materias que en el proyecto anterior no estaban representadas (como inglés náutico o maquetismo naval) y perfilando contenidos como Historia y etnografía marítima de Galicia’.
No entanto, já que ainda não se sabe nada desta continuação da Xeiteira, tendo como referente e antecedente esta iniciativa, as outras atividades, já idealizadas, mergulharam em um processo de execução e impulsionamento que está sendo levado a cabo até os dias atuais e, acreditamos, estará também por mais alguns anos.
Ainda assim, os entraves deste caminho são muitos, fazedo-se marcadamente ausente, como vêm denunciando o pessoal implicado nesta área, um plano estratégico para o resgate do patrimônio cultural marítimo. Já em 1999 Páramo Aller denunciava a “falla de comunicación e coordinación interinstitucional” e a desarticulação de departamentos universitários (já em um de por si desarticulado panorama universitário galego) como os de História e Instituições Econômicas, Tecnologia Pesqueira, Antropologia Social e Cultural, Engenharia Naval, Teoria e História da Educação, etc. Se calhar mais grave, por serem os mais ‘capacitados’ para levar a bom porto estas iniciativas, é a falta de vertebração e interesse das instituições públicas como a Direção Geral de Patrimônio e a Direção Geral de Turismo (que, até breve, e esperamos que o apoio a este Congresso seja uma mudança de rumo significativa, vinham ignorando o importante acervo cultural marítimo) e Portos de Galiza. Quiçá, cabe dizer, os departamentos autonômicos mais empenhados durante os últimos anos em projetos como o que cá abordamos foram a Direção Geral de Formação Pesqueira, o Museu do Povo Galego, o Conselho da Cultura Galega e outras instituições similares.
A via formativa é, e deve ser, um método privilegiado para a conservação do patrimônio, ora seja através de cursos de formação ocupacional, de formação de diretores e monitores de tempo de lazer, especialidades de Formação Profissional ou mesmo cursos de pós-graduação que, de se articularem em Rianxo, os supracitados espaços, não apenas museísticos e de propagação cultural, mas também de estudo e pesquisa, bem poderiam chegar a implantar-se na vila, considerando o volume de atividades de caráter científico e acadêmico que se vê em desenvolvimento, ainda considerando as dificuldades estruturais, durante os últimos anos (diversos congressos internacionais sobre os literatos rianxeiros, os Seminários Internacionais de Tradução e os Simpósios de Outono sobre Paz e Conflitos, de caráter anual, e, neste mesmo ano, o I Congresso Luso-Galego de Estudos de Segurança Internacional e da Paz e o I Congresso Internacional de Estudos Atlânticos, por não mencionar um amplo leque de encontros e jornadas de todo tipo).
Do mesmo jeito, como também apontava Páramo Aller, cabe também explorar a via da etnografia e antropologia cultural marítima recompilando, através de fórmulas de voluntariado (tecido associativo do terceiro sector) ou bem através dos liceus e colégios de ensino e centros de investigação públicos e privados, os “saberes que poden ofrecer á comunidade os xubilados, expertos en distintas áreas, traballadores do mar, (...)” (1999:28). Como se tem demonstrado já na Marinha luguesa, a recuperação para usos turísticos e didácticos do patrimônio industrial (velhas fábricas de conserva e salga) ou marítimo (edifícios de ‘lonxas’, confrarias, casas de vigias de porto, instalações do Instituto Social da Marinha, etc) em desuso, convenientemente articuladas com os setores produtivos de hoje (visitas a bateas, embarcações, faenas, conserveiras, estaleiros, etc.) pode resultar em excelente produto para uma aproximação compreensiva e holística à vida no mar, no passado, no presente... e mesmo no futuro.
Tais atividades, é verdade, têm estimulado a população e as entidades rianxeiras, e também de outros lugares, a repensar a Vila de Rianxo, tão célebre pelos literatos e pensadores que ali nasceram e viveram, como também um pólo de desenvolvimento turístico alternativo (ou complementar) ao simples ‘sol e praia’ que, ao nosso ver e analisando a multiplicidade de resultados e caminhos que ainda se podem abrir, tende a crescer e fortalecer-se. A este respeito, apontava de novo Páramo Aller, poderiam-se somar iniciativas como a criação de uma rede de centros de divulgação do patrimônio marítimo, o estabelecimento de uma mesa de coordenação interinstitucional, estabelecer programas de formação em recursos humanos, estabelecer e consolidar ligações internacionais com iniciativas similares dentro e fora da União Européia, implicar o setor empresarial vinculado à exploração e preservação do meio marinho assim como às administrações municipais do litoral, e promover a difusão de experiências, projetos e conteúdos através das novas tecnologias da informação e comunicações, facilitando a aprenzagem virtual e o compartilhamento de conhecimentos e saberes.
E vias para este crescimento, é bem verdade, não faltam. Ainda que o projeto que aqui se apresentou e as suas ramificações consigam abranger uma matéria considerável no que diz respeito às possibilidades rianxeiras de desenvolver o turismo, parece-nos ser um tanto importante reconhecer que há, nesta localidade, uma potencialidade, digamos, museística quase infindável.
Desde a idade do bronze com as suas dezenas de mâmoas, aos seus diversos petróglifos e, avançando no tempo, fortificações castrejas, até os tempos medievais, dos quais ainda (pouco) se preserva o Castelo da Lua, que urgentemente solicita uma efetiva revitalização ou, partindo para tempos mais cercanos, a exploração do fato de ser, coincidentemente (?) o berço dos, mais que célebres, fundamentais pensadores e literatos galegos, Rianxo apresenta-se-nos, muito além de um ‘Mar Feito Tradição’ (lema que, é bem verdade, muito bem representa o caráter rianxeiro): mas a cultura, intrínseca a esta terra, diga-se, feito tradição.

Referências Bibliográficas

AXEITOS, Xosé Luís, Dir. (2001). Sempre en Rianxo Sempre en Galiza. Rianxo: Concello de Rianxo.
CALO LOURIDO, Francisco (1996). Evolución histórica da tecnoloxía pesqueira e cambios sociais desde o século XVI ata o XX. ABEL VILELA, Adolfo de, Ed. Historia e Antropoloxía da cultura pesqueira en Galicia. Santiago de Compostela: Fundación Alfredo Brañas, pp. 11-25.
CEM, SOC. COOP. GALEGA (s/d). Proxecto de museo da carpintería de Ribeira [reprografado]. A Corunha: Cem, Sociedade Cooperativa Galega.
CERDIDO FACHAL, María Ana (1999). A construcción dunha lancha xeiteira. In: Rianxo. O mar feito tradición. Rianxo: Concelho de Rianxo, pp. 71-160.
CONCELHO DE RIANXO (2001). Declaración de Intencións, Rianxo, o mar feito tradición – Proxecto de Activación do Patrimonio Marítimo Rianxeiro [reprografado]. Rianxo: Concelho de Rianxo.
CONCELHO DE RIANXO (s/d). Memoria Xustificativa da Ampliación da Aula Activa do Mar Santiago Gallego Picard [reprografado]. Rianxo: Concelho de Rianxo.
COSTA RODIL, Xesús (2001). Rianxo no Antigo Réxime. Economia e sociedade nunha vila mariñeira do Señorío Arcebispal de Santiago. Rianxo: Concello de Rianxo.
DOURADO DEIRA, M. (1999). Xeiteira: Unha orixinalísima escola-obradoiro de cara ó mar. In Guadalupe 99. Rianxo: Concello de Rianxo, pp. 32-35.
PÁRAMO ALLER, Santiago (1999). Xeiteira. Unha experiencia de traballo-formación en recuperación e divulgación do patrimonio marítimo. In: Rianxo. O mar feito tradición. Rianxo: Concelho de Rianxo, pp. 13-34.
PÁRAMO ALLER, Santiago; LAVANDEIRA SUÁREZ, Fernando R. (2000). La escuela-taller ‘Xeiteira’ de Rianxo: una propuesta formativa para un proyecto de desarrollo local. In II Jornadas Provinciales de Escuelas Talleres, Casas de Oficios y Talleres de Empleo, Castillo de Santa Bárbara, Alicante, 1 y 2 de junio de 2000 [reprografado]. Alicante: Diputación Provincial.
TUBÍO RODRÍGUEZ, Teresa; GÓMEZ GONZÁLEZ, Martín R. (1987). Rianxo. Bello rincón de las Rías Bajas Gallegas. Madrid: Everest.
XEITEIRA, Escola-Obradoiro (1998). A Escola-Obradoiro ‘Xeiteira’. Unha singladura dende a tradición cara á innovación. In Guadalupe 98. Rianxo: Concello de Rianxo, pp. 36-37.


Pulsando aquí puede solicitar que le enviemos el Informe Completo en CD-ROM
Si usted ha participado en este Encuentro,
le enviaremos a la vez su certificado en papel oficial.


Los EVEntos están organizados por el grupo eumednet de la Universidad de Málaga con el fin de fomentar la crítica de la ciencia económica y la participación creativa más abierta de académicos de España y Latinoamérica.

La organización de estos EVEntos no tiene fines de lucro. Los beneficios (si los hubiere) se destinarán al mantenimiento y desarrollo del sitio web EMVI.

Ver también Cómo colaborar con este sitio web


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet