Observatorio de la Economía Latinoamericana


Revista académica de economía
con el Número Internacional Normalizado de
Publicaciones Seriadas ISSN 1696-8352

ECONOMÍA DO BRASIL

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA PRODUTORA DO ALUMÍNIO PRIMÁRIO





Deyvison Talmo Baia Medeiros
Ricardo da Cunha Alexandre
Arlindo Tavares de Souza Junior
Fábio Roberto Araújo dos Santos
Heriberto Wagner Amanajás Pena (CV)
heripena@yahoo.com.br
UEPA





Resumo
O presente artigo faz uso da análise de demonstrações contábeis para identificar e dispor conclusões sobre a situação econômica/contábil de uma empresa brasileira produtora do alumínio primário. Na realização deste trabalho, foram coletados - para os anos de 2008, 2009 e 2010 - os balanços patrimoniais e as demonstrações de resultado de exercício da empresa, sobre os quais se calculou os índices econômicos de estrutura, liquidez, rentabilidade Ao final desta aplicação verificou-se que a empresa está financeiramente estável, contudo a sua condição de exportadora de uma commodity a mantém em um cenário de constante dependência da economia global e, por conseguinte, de um cenário de instabilidade.

Palavras Chaves: Demonstrações contábeis, Situação econômica, Índices econômicos.

Abstract
This article makes use of financial statement analysis to identify and provide findings on the economic / accounting for a Brazilian producer of primary aluminum. In this study, we collected - for the years 2008, 2009 and 2010 - the balance sheets and income statements for the exercise of the company, upon which calculated the economic indices of structure, liquidity, profitability at the end of this application there that the company is financially stable, however their status as an exporter of the commodity remains in a scenario of constant dependence on the global economy and, therefore, a scenario of instability.

Keywords: financial statements, economic situation, economic indices.

Para ver el artículo completo en formato pdf pulse aquí


Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:

Baia Medeiros, da Cunha Alexandre, de Souza Junior, Araújo dos Santos y Amanajás Pena: "Análise das demonstrações financeiras de uma empresa produtora do alumínio primário", en Observatorio de la Economía Latinoamericana, Número 170, 2012. Texto completo en http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/


1. Introdução
Em decorrência da unificação de mercados gerada pelo avanço do processo de globalização, os investimentos em bolsas de valores, tais como a compra de ações, tornaram-se cada vez mais comuns. Todavia a facilidade e o grande número de opções (empresas) nas quais o investidor pode aplicar o capital que possui, é válido ressaltar que critérios devem ser estabelecidos no sentido de identificar se tal investimento e viável ou não para a finalidade a qual se propõe.
Uma empresa pode ser avaliada em diferentes aspectos, tanto pela sua produtividade, qualidade de seus produtos, responsabilidade ambiental, pela potência de sua marca, como também pela ótica financeira. Nesse sentido as demonstrações contábeis fornecem uma série de dados que, quando analisados, permitem diagnosticar a situação econômico-financeira e, portanto, compreender a viabilidade econômica de uma determinada aplicação.
Segundo o Comitê de Pronunciamentos Contábeis o objetivo das demonstrações contábeis reside em fornecer as informações sobre a posição patrimonial e financeira, o desempenho e as mudanças na posição econômica da entidade, que sejam úteis a um grande número de usuários em suas avaliações e tomadas de decisão econômica. Diante disso surge a análise financeira como um conjunto de técnicas que proporcionam uma conclusão sobre a situação econômico-financeira da organização analisada.
Tendo em vista o diagnóstico fornecido pela realização da análise das demonstrações contábeis, faz-se necessário, ainda, ressaltar a importância desta como uma ferramenta de apoio gerencial que pode ser usada para tomada de decisões internas na empresa visando perpetuar a existência desta frente as suas concorrentes no mercado (NACHTIGALL, 2008).
Nessa perspectiva, o alvo do presente está pautado na utilização dos Índices Econômicos (de Estrutura, Liquidez e Rentabilidade) como forma de diagnosticar a situação financeira da ALBRAS, empresa produtora do alumínio primário, a partir de suas demonstrações contábeis dos anos de 2008, 2009 e 2010. Como forma de expandir ainda mais tal análise, buscou-se relacionar os fatores, que apesar de externos a empresa, influem diretamente na sumarização de seu desempenho econômico.
2. Referencial Teórico
2.1. Produção mundial do alumínio
Em 2010, assim como nos anos anteriores a China vem mantendo o seu lugar de 1° colocada no ranking de volume de produção atingindo uma marca de 16,2 milhões de toneladas. A Rússia foi a segunda maior produtora com 3,95 milhões, e o Canadá segue em terceiro com 2,96 milhões. O Brasil, apesar de possuir grandes reservas e ser produtor de alumina, não se configura com um produtor significativo nessa área, restando a este a posição de 7° colocado com 1,54 milhões de toneladas.
Dentre os insumos necessários para a produção, é importante destacar que a indústria do alumínio (por ser uma indústria eletrointensiva) consome grande quantidade de energia elétrica. Por isso este insumo é considerado um diferencial competitivo dentre as empresas produtoras, afinal ele representa 29% do custo de produção (como pode ser verificado no Gáfico 1). No Brasil, a média é de 35% (Cardoso et al, 2010).
Em outra análise, o gráfico acima também deixa evidente a relevância da mão de obra para este setor – correspondendo a 16% dos custos de produção. Note que os custos da energia elétrica adicionados aos custos da mão de obra correspondem a 45% (quase metade) do total necessário para produzir, portanto deve-se, ao instalar uma indústria, conferir especial atenção para estes dois itens também.

2.2. Consumo mundial
A crescente elevação no consumo chinês tem aumentado consideravelmente o consumo do alumínio. Em 2000, a demanda Chinesa era de 12,9% do total consumido no mundo, em 2010, por sua vez, essa percentagem subiu para 41,3%, sendo assim, a China passou a ser o principal consumidor do metal.
Abaixo é possível identificar os principais consumidores do alumínio primário em uma ordem decrescente do consumo: iniciada pela China e seguida por Estados Unidos, Japão, Alemanha até a Turquia.
2.3. Preço
O alumínio primário por se tratar de uma commodity tem o seu preço cotado diariamente pela London Mestal Exchange (LME) desde 1978. Como é possível observar no Gráfico 02 o preço médio do metal tem mantido uma tendência de alta até 2008, quando em função da crise econômica mundial, há uma brusca queda no seu valor. Esta ultima, por sua vez, é interrompida ainda no primeiro trimestre do ano posterior (2009) quando o preço internacional do alumínio retorna a crescer. Abaixo é possível perceber as variações na cotação à vista do metal, por trimestre, dos anos de 2001 a 2010.
Para dimensionar as variações comentadas no parágrafo anterior (reafirmadas pelo Gráfico 02) os preços do alumínio, que, antes da crise, chegaram ao valor máximo de US$ 3.000/t, no segundo trimestre de 2008 caíram para cerca de US$ 1.350/t, no auge da crise. Em dezembro de 2010, no período de reestabilização dos preços, o alumínio estava cotado em US$ 2.400/t.
A alta nos preços ocorrida anteriormente ao período de crise pode ser explicada pela elevação no consumo dos países emergentes, principalmente, no que diz respeito a China (maior consumidora mundial), apesar de ser uma grande produtora do metal, sua produção não vem sendo suficiente para atender ao mercado interno, tornando necessária as importações (Cardoso et al, 2010).
2.4. Produção Brasileira
A produção brasileira do alumínio primário em 2010 foi de 1.536 mil toneladas, mostrando que o país começa a se recuperar dos efeitos da crise ocorrida em 2008. Com esse nível de produção o país ocupa a 7° posição entre os maiores produtores mundiais. Na Tabela 03, apresentam-se os volumes de produção por usina entre os anos de 2003 e 2010.
Dentre os principais produtores do alumínio brasileiro é possível destacar a Albras-Alumínio S.A, localizada em Barcarena no estado do Pará. A Alcoa Alumínio S.A, instalada em Poços de Caldas (Minas Gerais). O consórcio Alumar – advindo da associação entre Alcoa e a BPH Billinton Metais- com usina em São Luiz no Maranhão e a Cia Brasileira de Alumínio (CBA) estabelecida no município de Alumínio, interior de São Paulo.
 É importante notar que a produção brasileira também está desmembrada em dois grandes eixos (regiões): o primeiro é a região Norte, onde quase toda a totalidade da produção se destina a exportação, isto é, ao mercado externo; o segundo é a região sudeste que volta sua produção mais para o mercado interno. Essas diferenças entre os mercados e os locais de concentração dessas usinas resultam em cargas tributárias efetivas bem diferentes.

2.5. Consumo no Brasil
Antigamente quando o alumínio era ainda uma curiosidade com custos elevados, a sua utilização era limitada a objetos ornamentais, estatuetas e placas comemorativas.
No fim do século XIX, por sua vez, a abundância do metal fez com que este passasse gradualmente a compor utensílios de cozinha. A larga utilização do alumínio foi consequência da combinação de características úteis obtendo-se uma adequação técnica para aplicações em engenharia, podendo ser transformado através de processos metalúrgicos normais, e, atividades de pesquisas e tecnologias, fizeram do alumínio um material que não apresenta dificuldades nas suas aplicações.
O setor de embalagens é a maior fonte consumidora de alumínio no país, representando 31% do total consumido. O segmento de transportes, por sua vez, consumiu 21,%, o da construção civil, 14%, e o da indústria elétrica, 9%.
Continuando com a tendência de alta, a ABAL estima que em 2011 o consumo interno crescerá 13,2%, com todos os produtos de alumínio registrando elevação. Cabe destacar o desempenho do setor de Fios e Cabos, que prevê um acentuado crescimento de 58,4%, impulsionado pela expectativa de investimentos pelo setor elétrico.
Segundo o coordenador da Comissão de Economia e Estatística da ABAL, Mauro Moreno, desde a retomada da economia pós-crise de 2008, este é o nono trimestre consecutivo que registra um crescimento do consumo doméstico de alumínio.
2.6. Análise de Demonstrações Contábeis
 Segundo Neto (2007), a análise das demonstrações contábeis se configura como uma ferramenta eficaz utilizada para avaliar o desempenho passado e o presente de uma empresa,além de possibilitar, a projeção de situações futuras.
As Demonstrações Financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa. O administrador financeiro analisa estes dados e os converte em informações que proporcionarão uma visão clara do desempenho e perspectivas da empresa, identificando seus pontos fortes e fracos e possibilitando a tomada de decisões que intensifiquem estes pontos fortes e minimizem os pontos fracos (FAÇANHA, 2006).
2.7. Demonstrações de Resultados de Exercício
Demonstrações de Resultado de exercício, ou simplesmente, DRE é uma demonstração financeira que mostra geralmente, no período de um ano, a eficiência operacional da empresa, se ele obteve lucro ou prejuízo (NETO, 2007).
De acordo com Façanha (2006), a DRE é apresentada de forma dedutiva (vertical), iniciando-se com a Receita Bruta (Total) da qual são deduzidos as despesas operacionais para atingir-se o Lucro Operacional, ao qual serão adicionados ou subtraídos os valores correspondentes aos resultados não operacionais, apurando o Resultado do Exercício antes da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e do Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas.
Gomes (1999) retrata que, a demonstração do Resultado retrata apenas o fluxo econômico e não o fluxo de dinheiro. Para a Demonstração do Resultado não importa se uma receita ou despesa tem reflexos em dinheiro, basta apenas que afete o Patrimônio Líquido.
2.8. Balanço Patrimonial
É uma importante demonstração financeira que segundo Neto (2007) representa, numa data específica, a situação patrimonial de uma empresa. Formada pelos ativos, passivos e pelo patrimônio liquido. Onde essa demonstração é feita pelo confronto entre os três componentes do Balanço Patrimonial.
De acordo com Façanha (2006) no Balanço Patrimonial, os elementos do patrimônio serão agrupados de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da empresa, portanto as contas do Ativo devem ser apresentadas na ordem decrescente de liquidez, ou seja, conforme a capacidade do Ativo de ser convertido em moeda corrente; assim um bem ou direito, quando mais próxima estivar de se transformar em dinheiro, maior liquidez possuirá, enquanto que as contas do passivo devem obedecer à ordem decrescente das exigibilidades.
3. Metodologia
3.1. Fontes dos dados
Os dados aqui coletados e analisados advêm de informações de domínio público apresentadas nos relatórios anuais da empresa ALBRAS. Os relatórios foram divulgados pela própria empresa através do seu site institucional disponível no endereço eletrônico http://www.albras.net/.
Para garantir a atualidade das análises e restringir a abrangência deste estudo somente os mais recentes desempenhos ilustrados pela empresa, foram coletados os três últimos relatórios anuais divulgados, isto é, os que se referem aos anos de 2008, 2009 e 2010.
A partir daí extraiu-se, dentre as diversas informações contidas em cada relatório, as Demonstrações de Resultados de Exercício (DRE) de cada período e os Balanços Patrimoniais (BP) correspondentes.
3.2. Ajuste dos Dados.
De modo a facilitar a tabulação e operacionalização dos dados coletados no item anterior, fez-se uso da ferramenta computacional Microsoft Office Excel 2007. Nesse sentido, os dados foram todos planilhados e alocados de forma a facilitar a manipulação destes para os cálculos e análises subsequentes a esta etapa.

3.3. Análise através dos índices
O primeiro momento de análise e inferências sobre as demonstrações financeiras apresentadas pela empresa nos Anos de 2008, 2009 e 2010 baseou-se no diagnóstico apontado pela utilização dos índices econômicos.
3.4. Propostas de análise
Para facilitar o entendimento da análise proposta neste artigo e da cronologia seguida para sua sucessão, esquematizou-se, por meio do Fluxograma da Análise (Imagem 01), o sequencial das etapas que foram seguidas para se chegar ao diagnóstico econômico da empresa.
 Note que a ilustração abaixo retoma algumas das etapas já esclarecidas anteriormente, correspondentes à microanálise; e agrega uma nova ótica voltada ao mapeamento dos fatores externos que influenciam diretamente na produção do alumínio, fatores estes muito preponderantes para a realização da macroanálise.
4. Estudo de caso
4.1. Caracterização da empresa
O presente estudo foi desenvolvido com base nos relatórios anuais fornecidos por uma empresa produtora do alumínio primário que fica localizada no município de Barcarena, no interior do estado do Pará a exatamente 40 quilômetros da capital Belém.
A Alumínio Brasileiro S.A. (ALBRAS) é uma companhia brasileira de capital fechado que é reconhecida internacionalmente pela qualidade do alumínio que produz;  fato este que se deve principalmente a sua capacidade de superar desafios e de atender aos requisitos de todas as partes interessadas na sua produção.
A empresa é resultado de uma associação da Norsk Hydro ASA e da NAAC – Nippon  Amazon Aluminium Co. Ltd., consórcio de 17 empresas japonesas entre trading companies, bancos, consumidoras e produtoras de alumínio, e o Japan Bank for International Cooperation, organismo do governo japonês, sendo este o maior participante do consórcio.
A ALBRAS foi formalmente constituída em setembro de 1978. As instalações em Barcarena – PA foram inauguradas em julho de 1985. Desde então, a empresa vem adequando o seu processo produtivo de modo que hoje possui diversas certificações internacionais, tais como: ISO 9001 – Gestão da Qualidade, ISO 14001 – Gestão Ambiental, OHSAS 18001 – Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional e a SA 8000 – Responsabilidade Social.
Abaixo é possível conferir, de maneira sucinta, na Imagem 02, a localização da planta industrial da empresa aqui referida.  Além disso, a imagem representa o tamanho aproximado das instalações da fábrica e a proximidade desta com o principal ponto de escoamento de sua produção: o Porto da Vila do Conde.
4.2. Análise através dos índices
4.2.1 Índices de Estrutura
O índice que analisa a participação de capital de terceiros indica que a organização vem dependendo cada vez menos deste tipo de capital. No ano de 2010, por exemplo, a empresa utilizou R$ 42,00 para cada R$ 100,00 de capital próprio investido, evidenciando uma redução percentual de 14% quando comparado ao valor apresentado no ano de 2008. Aliado a este índice, aparece o IPL que reforça os valores encontrados anteriormente na participação de capitais de terceiros, o decrescimento deste último indicador (do IPL) reafirma que a empresa está investindo mais em recursos para o Ativo Circulante e, em decorrência disto, está reduzindo sua dependência de capitais de terceiros para financiar o Ativo Circulante.
Com relação ao IRP, nos três anos analisados, é possível observar uma razoável constância dos valores, demonstrando que a empresa possui recursos de longo prazo suficientes para aplicações em permanentes, ou seja, não se faz necessário utilizar recursos próprios para financiar o imobilizado.
Em outra instância, diferente destas que já foram elucidadas até o momento, a Composição do Endividamento vem mantendo um comportamento contraproducente. Em 2009 percebe-se um incremento significativo no valor deste índice, isto é, 7% maior que o ano anterior; e em 2010, apesar do leve aumento, as obrigações de curto prazo assumem um valor preponderante quando relacionadas às obrigações totais, o que requer iniciativas no sentido de gerar recursos de curto prazo suficientes para cobrir tais obrigações, algo muito difícil na conjuntura atual do mercado do alumínio.
4.2.2. Índices de Liquidez
Através do ILG da Albrás, índice que tem crescido a cada ano analisado, é possível inferir que a empresa possui plena capacidade para honrar com seus compromissos. No ano de 2010 para cada R$ 1,00 de dívida estão disponíveis R$ 2,42 de realizáveis, isto é, o número de direitos excede em mais que duas vezes o número total de obrigações.
Inicialmente em 2008, o índice de liquidez corrente (ILC), apresenta resultados satisfatórios elucidando um ativo circulante maior que o passivo circulante. Contrário a isto, no ano de 2009 o índice sofre uma vertiginosa queda, causada principalmente pela redução do preço do alumínio primário no mercado internacional (inferior 39,4% a média de 2008). Em 2010, também decorrente da variação do preço do alumínio – desta vez superior 33,6 % da média anual anterior, os resultados começam a apresentar melhoras, embora não são suficientes para gerar liquidez, pois a empresa continua operando com capital de giro líquido negativo, estes demonstram perspectivas positivas para os anos que sucedem. Abaixo é possível acompanhar a variação do ILG e ILL, em função do preço de comercialização do alumínio no mercado internacional (LME – London Metal Exchange).
4.2.3. Índices de Rentabilidade
Em decorrência da retração de mercado evidenciada no ano de 2009 (ainda por efeitos da crise iniciada em 2008), percebe-se que o Giro do Ativo sofre uma queda significativa, totalizando 25% quando comparados os períodos de 2008-2009, em contraposição a este cenário, o ano 2010 ilustra uma subida de 8% no valor deste mesmo índice, isto significa que foram vendidos R$ 0,53 para cada R$ 1,00 de investimento total.
Quanto a Lucratividade Líquida, apesar da queda no preço de venda do alumínio, em 2009 o retorno líquido em função das vendas foi maior, influenciado diretamente pela valorização de 25,49% do real perante o dólar americano, ou seja, a cada R$ 100 vendidos nesse período incorreram lucros no valor de R$ 10,85.
O índice de Rentabilidade sobre o Patrimônio Líquido (ROE), em 2009 passa por uma queda em relação a 2008, fechando em 7,51% (0,84% menor que o anterior), ou seja, para cada R$ 100 de patrimônio líquido, obteve-se R$ 7,51 de lucro.
A Rentabilidade sobre o Ativo (ROI) tem um comportamento similar ao evidenciado no ROE, com uma leve queda em 2009, alcançado o índice de 4,88%, representando R$ 4,88 de lucro para cada R$ 100 em ativos.
Note que no ano de 2010 os três dos índices ilustrados na Tabela 05 apresentam valor negativo. Este resultado advém do prejuízo financeiro enfrentado pela empresa no período em questão, influenciado diretamente pela contabilização de provisão de R$ 88,5 milhões para perdas com derivativos embutidos (instrumento financeiro embutido no contrato de fornecimento de energia elétrica) tendo o efeito sido reduzido pela valorização de 4,31% do real perante o dólar americano, com o impacto favorável, principalmente, da variação cambial das obrigações com empréstimos, bem como pelo aumento nos preços internacionais do alumínio.
4.3.Análise conjunta
Aliada a análise das demonstrações contábeis já realizadas, aqui, através dos índices econômicos. Buscou-se, também, relacionar os principais fatores que, de algum modo, tem influenciado diretamente nos resultados financeiros obtidos pela ALBRAS. Nesse sentido, os parágrafos que seguem abaixo trazem uma reflexão mais detalhada sobre a influência da variação cambial e da cotação do preço do alumínio sobre a receita da empresa.
Por se tratar de uma commodity as receitas adquiridas com a comercialização do alumínio primário sofrem influência direta da variação cambial e da cotação de preço do valor de venda do metal.
Dentre as linhas apresentadas no gráfico acima, é possível perceber que a quantidade vendida pouco se altera, sofrendo um leve aumento entre os anos de 2006 e 2007 e se mantém quase que constante até 2010. A variação cambial, por sua vez, segue uma tendência de decrescimento até 2008, quando então, por conta da crise financeira, o valor do dólar começa a subir novamente até o ano de 2009 e decrescer mais uma vez até 2010.
É válido destacar a semelhança entre as curvas do preço por tonelada e da receita adquirida. Note que ambas passam por uma fase de queda entre 2004 e 2005, valorizam até 2008 quando passam pela maior queda do período analisado e tornam a valorizar novamente desde então.
O Gráfico 05 permite inferir, ainda, que as receitas das indústrias sofrem dependem mais do preço por tonelada definido pela LME, em detrimento à variação cambial. É claro que esta última detém influência sobre as receitas, entretanto a demanda quase que constante e a elevação em maior escala dos preços do metal acabam por amenizar os efeitos da “elasticidade” cambial, exemplo disso pode se verificado durante o período de 2006 a 2008. Já o preço por tonelada (tanto em épocas de valorização, como desvalorização cambial) definem sumariamente o montante da receita arrecadada e, portanto afetam em maior intensidade as demonstrações financeiras da empresa.
5. Conclusão
A conjuntura atual de investimentos em bolsa de valores, tais como a compra de ações, aliada a necessidade constante das empresas conhecerem mais afundo a situação contábil/econômica na qual na qual estão inseridas, fazem com que muitas empresas recorram análise financeira de suas demonstrações contábeis como forma de subsidiar o processo de tomada das decisões gerenciais.
A partir deste estudo, verificou-se que a análise contábil das demonstrações contábeis, de fato, possibilita um diagnóstico acurado sobre a situação financeira do empreendimento e, por conseguinte, abre margem para a elaboração de estratégias que visam melhorar e aumentar o rendimento da empresa.
Os resultados apontados pelo cálculo dos índices econômicos indicaram que a empresa Albrás está cada vez menos dependente do capital de terceiros, há plena capacidade para honrar os seus compromissos (efetuar o pagamento de suas dívidas) e que ela está obtendo um lucro razoável decorrente da crise econômica de 2008 e da multa elevada paga no em 2009.
Com exceção da rentabilidade da empresa que ficou comprometida por conta da crise e das multas incorridas sobre o contrato de energia elétrica, é possível inferir que a empresa passa por um cenário de estabilidade financeira e que poderá normalmente operar no decorre dos anos que virão
Todavia a estabilidade financeira da empresa atestada pelos índices econômicos, é válido salientar que o alumínio primário por se tratar de um commodity submete a empresa um cenário de constante instabilidade. Afinal, como já foi provado no item 4.3 deste artigo, o faturamento da Albrás está diretamente condicionado à cotação de preço fornecida pela LME, logo qualquer abalo que faça com que está cotação decaia comprometerá todo o orçamento da empresa.
Diante disso, o estudo se encerra ao evidencia a necessidade de verticalizar a produção, pois  ao fazer isto a organização, não somente garantirá o aumento de suas receitas, como também passará a ser menos dependente das cotações internacionais para manter um nível de lucro desejado.

Referências
ABAL – ASSOCIACAO BRASILEIRA DO ALUMINIO. Anuário Estatístico 2010. Sao Paulo: 2011.
CARDOSO, José Guilherme da Rocha et al. A indústria do alumínio: estruturas e tendências. BNDES Setorial 33, p.43-88.
CRU – COMMUNITY RESEARCH UNIT. The Long Term Outlook for Aluminium. Londres, 2009.
GOMES, Adriano. A Empresa Ágil, Ed. Nobel, 1999.
NACHTIGALL, Elias. Análise Financeira Avançada da Empresa Fras-le. Monografia de Pós Graduação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2008.
NETO, Alexandre Assaf. Estruturade Análise de Balanço: um enfoque econômico financeiro. 3ª edição. Ed. Atlas.


Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net > Observatorio de la Economía Latinoamericana

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet