Observatorio de la Economía Latinoamericana

 


Revista académica de economía
con el Número Internacional Normalizado de
Publicaciones Seriadas  ISSN 1696-8352

ECONOMÍA DO BRASIL

 

INFLAÇÃO VS. CRESCIMENTO ECONÔMICO: DILEMAS MACROECONÔMICOS DO BRASIL ATUAL
 


Vitor Stuart de Pieri
Geógrafo
Professor Universitário para o curso de Relações Internacionais,Doutorando em Geografia
vitorpieri@yahoo.com.br
Herberth Duarte dos Santos
Sociólogo
Analista Legislativo do Estado de Goiás Doutorando em Geografia
hbtsantos@msn.com





RESUMO

Os 100 dias de governo Dilma, traz à tona o debate em torno do modelo de política econômica brasileiro mais adequado à atual conjuntura da economia internacional, perpassando assim por diversas decisões que envolvem o chamado “tripé macroeconômico” (câmbio flutuante, sistema de metas de inflação e superávit primário, leia-se responsabilidade fiscal), cujo desenho deveria estar balizado em um projeto de desenvolvimento econômico de longo prazo.

A intenção deste artigo é, nesse sentido, listar e analisar alguns dos aspectos da economia brasileira herdados pelo atual governo, apontando os principais dilemas, gargalos e desafios no tocante à implementação de um modelo de desenvolvimento econômico que seja, efetivamente, de longo prazo.

Palavras Chaves: Inflação, Câmbio, Consumo, Economia Brasileira.
 

Para ver el artículo completo en formato pdf pulse aquí


Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:

Stuart de Pieri y Duarte dos Santos: Inflação vs. Crescimento Econômico: dilemas macroeconômicos do Brasil atual, en Observatorio de la Economía Latinoamericana, Número 150, 2011. Texto completo en http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/



Inflação vs. Crescimento Econômico: Dilemas macroeconômicos do Brasil atual.

Os 100 dias de governo Dilma, traz à tona o debate em torno do modelo de política econômica brasileiro mais adequado à atual conjuntura da economia internacional, perpassando assim por diversas decisões que envolvem o chamado “tripé macroeconômico” (câmbio flutuante, sistema de metas de inflação e superávit primário, leia-se responsabilidade fiscal), cujo desenho deveria estar balizado em um projeto de desenvolvimento econômico de longo prazo.

A intenção deste artigo é, nesse sentido, listar e analisar alguns dos aspectos da economia brasileira herdados pelo atual governo, apontando os principais dilemas, gargalos e desafios no tocante à implementação de um modelo de desenvolvimento econômico que seja, efetivamente, de longo prazo. Para tanto, usaremos a metodologia estratégica SWOT (Strenghts - Fortalezas, Weaknesses - Debilidades, Opportunities - Oportunidades e Threats - Ameaças) que, embora simples, revela-se um interessante instrumento de análise, na medida em que compõe uma “síntese que organiza o olhar”. Desta forma, podemos sistematizar a economia brasileira atual tendo:

• Como fortaleza: o potencial de consumo interno, abundância de matérias primas, fontes diversificadas de energia, uma aumento da capacidade de investimento público e privado e, em análise comparada, uma considerável estabilidade política;

• Como oportunidades: um crescimento econômico potencial, o que os demógrafos chamam de “janela demográfica”, um decréscimo do desemprego, o aumento da formalização do trabalho, um aumento na distribuição de renda e, ainda que insuficiente, um aumento no poder de compra do salário mínimo;

• Como debilidades: a carência de infra-estrutura física, o atraso na formação profissional, educacional e na política de incentivo à inovação, a alta carga tributária e a influência de fatores externos como o aumento da demanda global por commodities, especialmente por parte da China e da Índia;

• Como ameaça: a volta da espiral inflacionária.

Pode-se dizer que na primeira década dos anos 2000, o Brasil demonstrou, como conseqüência de uma maior intervenção Estatal na economia, especialmente no segundo mandato do presidente Lula - um novo potencial de crescimento econômico, estimulado, em boa medida, por um significativo aumento nos Gastos Públicos e uma diversificada gama de políticas fiscais e monetárias, que tiveram como resultado uma elevação no consumo das famílias (gasto privado), o que têm como desdobramento positivos um aumento no volume de investimento no setor produtivo e uma redução do desemprego e como desdobramento negativo, um endividamento público crescente e um aumento no nível geral dos preços – leia-se inflação.

A tabela abaixo apresenta os dados da variação anual do PIB para os 8 anos do governo Lula. É possível perceber na tabela, com exceção do ano de 2009, em função da crise econômica mundial do final de 2008, início de 2009, um crescimento econômico razoável, relacionado a um aumento da demanda (gastos públicos e privados) e tendo como dadas as condições relacionadas a oferta de bens e serviços.

Queremos dizer com isso, que o crescimento econômico desta década e, em especial durante o governo Lula, se deu, em boa medida, por políticas econômicas baseadas na expansão da demanda, em um potencial de consumo que ainda não tinha sido explorado, o que permitiu um crescimento econômico de curto a, no máximo, médio prazo, já que não se priorizou, pari passu ao crescimento potencial da demanda, as condições materiais e logísticas da oferta que, pode ser resumido na idéia de aumento de PTF – Produtividade Total dos Fatores.

Ora, frente a um aumento significativo e, em certa medida, artificial da demanda e dada a capacidade instalada do setor produtivo no Brasil, incluindo aqui: capacidade de geração e distribuição de energia, tecnologia, capacitação profissional dos trabalhadores, falta de políticas de incentivo à inovação, alta carga tributária, precária infra-estrutura e logística de transporte, nada mais esperado que o novo equilíbrio entre demanda e oferta se dê a uma nível mais elevado de preços, o que pode, a depender das decisões da presidenta Dilma, se reverter em uma espiral inflacionária.

Não estamos, contudo, em uma recessão e, nem apresentamos, até agora, índices de inflação altos e persistentes o suficiente para falarmos em uma espiral inflacionária ou na volta da inflação como tínhamos nos anos de 1980. Há, entretanto, um alerta importante sobre os riscos da inflação. O gráfico abaixo apresenta a série histórica do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor - Amplo) desde a efetiva implementação do plano real em 1995.

Note que de 1995 a 1998, durante o regime de cambio fixo, há um decréscimo acelerado nas taxas de inflação, que volta a crescer de 1998 a 2002, decresce até 2006 e cresce até 2008, tem uma queda em 2009, em função do crescimento negativo de nossa economia naquele ano e volta a crescer em 2010, encontrando-se hoje em alta, podendo chegar, segundo as metas do Banco Central , até 6,5% em 2011 e 2012.

Uma das formas mais eficazes de se controlar a inflação é através da diminuição da quantidade de moeda em circulação. O Banco Central faz isso através da venda de títulos públicos, o que está diretamente associado a um aumento na taxa básica de juros – Taxa Selic . Quanto maior a taxa Selic, maior a remuneração paga pelos títulos. Como a taxa serve de referência para os demais empréstimos, o crédito fica mais caro, arrefecendo o consumo e, em conseqüência disto, reduzindo a inflação.

O Gráfico abaixo apresenta a evolução da taxa Selic durante todo o governo Lula. Note que ela saiu dos 25% em 2003, teve uma ligeira alta, chegou aos 15,79% em 2004, depois voltou aos 19,75% em 2005, fechou 2006 com 13,67%, aproximou-se dos 11% em 2007 e 2008, teve um repique no final de 2008 e uma queda acentuada de junho de 2009 a abril de 2010, permanecendo, neste período, abaixo dos 10% (em destaque no gráfico), com mínimo de 8,65%, voltando a subir desde então.

O crescimento do PIB em 2010, na casa 7,5% em relação a 2009, deve-se, em boa medida, a dois fatores: o primeiro deles é a enorme expansão do crédito, baseado na redução da taxa básica de juros naquele ano, somado a redução de impostos de alguns bens como, por exemplo, carros e geladeiras, como política econômica de enfrentamento da crise de 2009; o segundo fator é, por assim dizer, matemático, já que a taxa de 7,5% refere-se a relação do PIB 2010 em relação ao de 2009, que teve crescimento negativo de -0,6% em relação ao de 2008.

Estas debilidades apontam para problemas estruturais que inviabilizam, no longo prazo, o desenvolvimento econômico sustentável do país. Neste contexto, surge uma série de dúvidas relacionadas ao caminho que o país deve trilhar no sentido de se alcançar maior envergadura para atender à crescente demanda por consumo interno sem impactar nas altas dos preços domésticos.

Considerando que o crescimento econômico sustentável do país perpassa pela correção dos fatores de debilidades como a melhoria da infra-estrutura interna, crescentes investimentos em educação e formação profissional, revisão da carga tributária aos setores produtivos e pela criação de mecanismos que impeçam que a valorização das commodities (pressionadas pela crescente demanda do mercado global) traga de volta ao país uma das principais ameaças à ascensão social dos brasileiros que é a inflação, surgem diversas indagações relacionadas às ações político-econômicas do início do Governo Dilma e do atual quadro de técnicos do Banco Central:

Será que a contenção da inflação, através de conservadores mecanismos de políticas monetárias, como o aumento das taxas de juros, atraentes aos capitais especulativos, não irá impedir com que o sonho de um país de classe média seja realizado?

O combate ao fantasma da inflação não poderia ser pensado a partir da construção de mecanismos que busquem corrigir as debilidades apontadas anteriormente?

Certamente, a correção dos problemas mencionados permitirá ao Brasil, em médio prazo, alcançar níveis de desenvolvimento territorial e estrutural capazes de ampliar sua capacidade produtiva. Isso permitirá atender ao aumento da demanda interna pelos mais variados produtos e também a combater a especulação dos preços determinados pelo mercado internacional, especialmente os de primeira necessidade.

Fica então a questão: O duelo contra a inflação, através de medidas de redução de consumo estimuladas pelo aumento das taxas de juros e pela redução de programas sociais, não seria um regresso ao modelo neoliberal dos anos 90?

Recordemos algumas das regras sugeridas pelo Consenso de Washington para conter a inflação herdada dos anos 80, gerada especialmente por seguidos déficits nas contas nacionais em função de irresponsáveis e desnecessários endividamentos externos e interno, especialmente ao longo da última década de governo militar. Dentre as medidas de cunho neoliberal sugeridas e adotadas pelo Brasil nos anos 90 estão a: disciplina fiscal; redução dos gastos públicos; taxas de juros e câmbio de mercado.

Naquela década a soberania nacional foi fragilizada pela ação e influência de agentes geoeconômicos em detrimento ao principal ator geopolítico que é o Estado, o qual se tornava mínimo.

Sabe-se que o desenvolvimento estrutural do país é mais lento que ações de políticas monetárias imediatistas, mas pode-se considerar o fato de se o atual Governo privilegiar o sistema financeiro em detrimento a um modelo que favoreça os agentes produtivos, desconstruíra todo o sonho de ver um país cada vez mais soberano, com reduzidas taxas de exclusão social, mais educado e em constante desenvolvimento social, econômico e territorial.

Sempre se escutou dizer que o Brasil é o país do futuro, mas observando bem o atual manejo da política econômica, pode-se começar adiar esta afirmação.

Notas:

1 O termo desenvolvimento econômico é muitas vezes confundido com o termo crescimento econômico. Há, contudo, uma diferença conceitual importante entre os termos, qual seja: o termo crescimento econômico refere-se ao aumento da produtividade de um país, medido normalmente, por variações do PIB (Produto Interno Bruto) ou pelo PNB (Produto Nacional Bruto), enquanto o desenvolvimento econômico refere-se a um crescimento econômico que esteja associado a uma melhoria da qualidade de vida da população, o que em muitos países requer profundas alterações em sua estrutura econômica e social. O IDH(índice de Desenvolvimento Humano) é um dos indicadores sintéticos usados para a medição do desenvolvimento econômico.

2 Em 1994, antes da entrada em vigor do Plano Real, a inflação foi de 916,46%.

3 As metas de inflação do Banco Central para os anos de 2011 e 2012 são, segundo as resoluções 3.748 e 3.880 de 4,5% com banda de 2 pontos percentuais, podendo, portando, variar de 2,5% a 6,5%

4 SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é um sistema informatizado que foi criado para gerenciar a emissão e negociação dos títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional. Sobre isso ver http://www.bcb.gov.br/?SELICDESCRICAO


 

Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al articulo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del articulo al principio del mismo.

Un comentario no es mas que un simple medio para comunicar su opinion a futuros lectores.

El autor del articulo no esta obligado a responder o leer comentarios referentes al articulo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este articulo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor,pulse aqui.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net > Observatorio de la Economía Latinoamericana

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

4 al 21 de
noviembre
XI Congreso EUMEDNET sobre
Migraciones, Causas y Consecuencias




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

10 al 29 de
octubre
II Congreso EUMEDNET sobre
Arte y Sociedad

17 al 28 de
noviembre
II Congreso EUMEDNET sobre
El Derecho Civil en Latinoamérica y Filipinas: Concordancias y Peculiaridades

24 de noviembre al 12 de
diciembre
II Congreso EUMEDNET sobre
Transformación e innovación en las organizaciones

3 al 20 de
diciembre
XI Congreso EUMEDNET sobre
Desarrollo Local en un Mundo Global

9 al 26 de
enero
X Congreso EUMEDNET sobre
Las Micro, Pequeñas y Medianas Empresas del S. XXI

5 al 20 de
febrero
XI Congreso EUMEDNET sobre
Educación, Cultura y Desarrollo

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet