Observatorio de la Economía Latinoamericana


Revista académica de economía
con el Número Internacional Normalizado de
Publicaciones Seriadas ISSN 1696-8352

ECONOMÍA DO BRASIL

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA: IMPLANTAÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA DE PEQUENO PORTE NO ESTADO DO PARÁ-AMAZÔNIA-BRASIL


Arlindo Tavares de Souza Junior
arlindoatsj@gmail.com
Deyvison Talmo Baia Medeiros
talmobaia@yahoo.com.br
Fábio Roberto Araújo dos Santos
fabio10_demolay@hotmail.com
Heriberto Wagner Amanajás Pena (CV)
heripena@yahoo.com.br
Ricardo da Cunha Alexandre
ricardodacunha@hotmail.com



Resumo
Os métodos da engenharia econômica a partir da ciência dos juros compostos permanecem como o instrumento metodológico fundamental para a realização de cálculos para avaliar planos de investimentos de estruturação, modernização ou fusão. Com a análise da estrutura de custo de uma indústria de cerâmica vermelha já implantada no estado do Pará, este estudo possui os seguintes objetivos: apresentar a importância econômica do setor industrial da cerâmica vermelha e, principalmente, a partir do investimento inicial e análise dos fluxos de caixa futuros descontados, definir a viabilidade econômica do projeto de implantação de uma indústria de cerâmica vermelha de pequeno porte no município de Santa Izabel, estado do Pará. Para isso, foram utilizados os seguintes indicadores de desempenho econômico: valor presente líquido, valor presente líquido anualizado, roia, pay-back, taxa interna de retorno e índice de lucratividade líquida. Os quais possibilitaram maior consistência na análise sobre o investimento e atestaram a viabilidade econômica do projeto.

Palavras-chaves: Análise de Investimento, Indústria da Cerâmica Vermelha, Indicadores de Desempenho Econômico.

Abstract
The methods of engineering economics from the science of compounding remains the key methodological tool for performing calculations to assess the investment plans of structure, modernization or merger. By analyzing the cost structure of a red ceramic industry already established in the state of Pará, this study has the following objectives: to present the economic significance of the red ceramic industry, and especially from the initial investment and flow analysis discounted future cash, set the economic viability of the project to establish a red ceramic industry in the small town of Santa Isabel, State of Pará for this, we used the following economic performance indicators: net present value, present value annualized net, gnawed, payback, internal rate of return and net profitability index. Which allowed greater consistency in the analysis on investment and attested to the economic viability of the project.

Keywords: Investment Analysis, Red Ceramics Industry, Economic Performance Indicators.


Para ver el artículo completo en formato pdf pulse aquí


Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:

Tavares de Souza Junior, Baia Medeiros, Araújo dos Santos, Ricardo da Cunha Alexandre y Amanajás Pena: "Análise de viabilidade econômica: implantação de uma indústria de cerâmica vermelha de pequeno porte no estado do Pará-Amazônia-Brasil", en Observatorio de la Economía Latinoamericana, Número 159, 2011. Texto completo en http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/


1. Introdução
As oportunidades para se investir em um bom negócio não acontecem normalmente ao acaso, elas podem ser buscadas ou mesmo construídas a partir de informações levantadas, e conhecimentos adquiridos com o tempo. Iniciar uma atividade empresarial requer do investidor o pleno domínio da atividade que se propõe a iniciar. Sempre, no entanto, é necessário que o empresário faça os seus cálculos sobre o quanto ele vai imobilizar e sobre os resultados esperados do empreendimento. Mesmo no meio da incerteza que o cerca e consequentemente do risco do negócio, fazer cálculos sobre os ganhos esperados da aplicação dos recursos é tarefa indispensável.
Ignorar a etapa de planejamento de um projeto de investimento e desprezar a importância de um estudo de viabilidade econômica constituem dois motivos fundamentais do fracasso nas decisões empresariais de investimentos. Diante disso, os índices de desempenho econômico mostram-se amplamente relevantes, pois tornam a informação mais precisa, possibilita comparação mais fácil e principalmente fornece uma diretriz que auxilia o empresário na decisão de investir em um negócio.
O objetivo do presente trabalho é empregar os índices de desempenho econômico para analisar a viabilidade do investimento na implantação de uma indústria cerâmica de pequeno porte no município de Santa Izabel, estado do Pará. Para tanto foram utilizados os seguintes índices: Valor Presente Líquido, Valor Presente Líquido Anualizado, ROIA, Pay-Back, Taxa Interna de Retorno e Índice de Lucratividade Líquida.

2. Fundamentação Teórica e os Índices de Avaliação
Um projeto de investimento consiste na identificação e análise das consequências mais importantes de certa decisão de aplicar recursos de capital. Essas consequências mais importantes variam de um projeto para outro, mas geralmente incluem as de ordem econômico-financeira.
Nesse sentido, a partir dos dados da estrutura de custo do café tradicional a técnica de engenharia econômica de projetos têm a finalidade de explicitar e quantificar as vantagens e as desvantagens de cada alternativa de investimento, aqui simulada duas taxas para efeito comparativo, uma vez que a informação que os projetos contêm nunca é completa, a experiência e a intuição sempre são valiosas para a tomada de decisão.

2.1 OS PRINCIPAIS INDICADORES DE AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS
Os investidores dispõem de diversos métodos para a análise de um investimento. Cada um destes enfoca uma variável diferente. O Pay Back – PB é extremamente voltado para a variável tempo enquanto o Valor Presente Líquido - VPL volta-se para o valor dos fluxos de caixas obtidos a data base. A idéia da Taxa Interna de Retorno - TIR surgiu como mais um modelo de análise de investimento, dessa vez voltada para a variável taxa. A utilização da TIR tenta reunir em apenas um único número o poder de decisão sobre determinado projeto. Esse número não depende da taxa de juros de mercado vigente no mercado de capitais (Daí o nome taxa interna de retorno). A TIR é um número intrínseco ao projeto e não depende de nenhum parâmetro que não os fluxos de caixa esperados desse projeto.

2.1.1 Valor Presente Líquido
O Valor Presente Líquido (VPL) é um índice utilizado para determinar a viabilidade de um projeto de investimento em longo prazo. Ele representa o valor que futuros pagamentos descontados de um investimento inicial valeriam hoje. Neste sentido, Souza e Clemente (2004), afirmam que este índice nada mais é do que o agrupamento de todos os fluxos de caixa esperados na data zero.
Para obter o VPL subtrai-se o investimento inicial do valor presente das entradas de caixa, descontadas a uma taxa que representa o custo de oportunidade do capita da empresa. O cálculo do VPL é dado pela equação 1.

2.1.2 Valor Presente Líquido Anualizado
Em algumas situações que envolvem projetos de longo prazo, sendo que o VPL é dado somente ao final do ciclo desses projetos, ele não se apresenta como um bom parâmetro de interpretação, visto que muitas vezes há a necessidade de informações de ganho por período, na maioria dos casos anualmente.
Neste sentido, Souza e Clemente (2004) afirmam que algumas vezes, para projetos com horizontes de planejamento longos, a interpretação através do VPL apresenta dificuldades para comparação. Para aquele que vai tomar decisões a respeito do projeto fica mais fácil de raciocinar em termos de ganho por período do que em termos de ganho acumulado ao longo de diversos períodos.
A determinação deste índice só é possível utilizando as formulas dos juros compostos, a partir dos conceitos de Valor Presente (VP), Valor Futuro (VF) e o valor das prestações ou pagamentos uniformes (PMT).
Com o valor presente – PV do fluxo de caixa da serie não uniforme do projeto considerado, procede-se a anualização do fluxo, considerando para isso o VPL como valor atualizado submetido ao horizonte do planejamento a uma determinada taxa de desconto – TMA, obtendo-se assim, o fluxo de caixa anual uniforme equivalente ao tempo de duração do projeto.

2.1.3 Taxa Interna de Retorno
A Taxa Interna de Retorno (TIR) é a taxa de retorno de um projeto necessária para igualar o valor de um investimento com seus respectivos fluxos de caixa futuro. Souza e Clemente (2004) mostram que, por definição, a TIR é a taxa que retorna o Valor Presente Líquido de um fluxo de caixa igual a zero.
Santana (2005) diz que a TIR é um critério de avaliação que considera economicamente viável um empreendimento se ela for superior a uma dada taxa i, que representa o custo de oportunidade do capital. Este autor também chama a atenção para a necessidade de se considerar essa taxa i como a taxa de juros de longo prazo (TJLP), que no Brasil tem se mantido em uma média de 12%aa nos últimos 10 anos.
A taxa interna de retorno pode ser calculada comparando-se o fluxo de receitas, atualizado a cada ano, com os custos totais do projeto.
Ainda segundo Santana (2005) o objetivo deste cálculo é determinar a taxa interna de retorno que iguala o fluxo de receitas ao fluxo de custos, ou seja, torna o VPL nulo. Reiterando este autor afirma que a TIR mostra a taxa de retorno que, ao final do ciclo do projeto, a receita gerada seja suficiente apenas para cobrir o custo. Portanto, para ser considerada viável, a TIR deve ser superior à taxa de juros que representa o custo de oportunidade do capital, que no caso é a TJCP = 12%.

2.1.4 Índice de Lucratividade Líquida
Este critério de avaliação de investimentos busca estabelecer uma relação entre o valor presente das entradas líquidas do projeto e o investimento inicial.
O método indica, em termos de valor presente, quanto o projeto oferece de retorno para cada unidade monetária investida (PENA E HOMMA apud NETO, 2006).
O índice de lucratividade líquida constitui um parâmetro que apontará ao investidor qual o retorno adicional advindo de seu empreendimento para cada unidade monetária empregada, esta medida proporciona uma nova interpretação de retorno, através do esclarecimento da quantidade de vezes que o investimento inicial será multiplicado (Pena e Roma, 2010). A partir disso, o investidor também pode decidir até que medida é interessante investir.


2.1.5 Retorno Adicional sobre o Investimento
O ROIA é a melhor estimativa de rentabilidade para um projeto de investimento. Representa, em termos percentuais, a riqueza gerada pelo projeto. Assim, o ROIA é o análogo percentual do conceito de Valor Econômico Agregado (Souza e Clemente, 2004).
O retorno adicional só pode se observado a partir do cálculo do ILL, e sua medida se apresenta em, percentual fazendo um paralelo com a TIR, uma vez que sua interpretação também é anual. A comparação direta com a TIR é importante porque traz uma resposta mais realista sobre o percentual de ganhos, no entanto relativizada pelo investimento inicial do empreendimento (PENA; HOMMA, 2004).
Ainda conforme estes autores, a resolução matemática do ROIA considera primeiramente o calculo do ILL, que passa a ser entendido como FV dos fluxos do projeto, depois desse procedimento a aplicação da expressão matemática é direta. O ROIA enquanto índice de analise de investimento nivela por baixo a taxa de rendimento do projeto, apresentando uma leitura mais condizente com o percentual anual de ganhos em relação ao investimento inicial que representa uma indagação real do investidor, produtor, entre outros.

2.1.6 O Retorno do Investimento – PAYBACK
Os períodos de payback são comumente utilizados na avaliação de investimentos. Segundo Gitman (2004, p. 339), trata-se do tempo necessário para que a empresa recupere seu investimento inicial, calculado com suas entradas de caixa. Ratificado por Assaf Neto (2006, p. 305) que o define como a “determinação do tempo necessário para que o dispêndio de capital (valor do investimento) seja recuperado por meio dos benefícios incrementais líquidos de caixa (fluxos de caixa) promovidos pelo investimento.
De a importância do índice reside no fato de que atualmente os empreendimentos estão priorizando aplicações em negócios que sejam pagáveis em menor período, isto possibilita por exemplo novas negociações para novos investimentos com outras taxas e prazos que visem expandir o negócio. Os ganhos do empreendimento associados a um rápido retorno ou pagamento do investimento inicial pode representar mais competitividade ao negócio, e de fato tem contribuído para o sucesso de muitos empreendimentos.
Este índice de fácil manuseio tem grande potencial de decisão comparativo entre empreendimentos, orientando o investidor/produtor as melhores alternativas, seu calculo é relativamente simples e aqui segue a expressão empregada para fluxos de caixa regulares.
Existem empreendimentos que os maiores rendimentos só aparecem nos últimos fluxos, neste caso deve-se ponderar o uso do índice, principalmente quando o objetivo for analisar comparativamente alternativas de investimento. Isto ocorre para investimentos de longo prazo, e aí o procedimento adotado para o calculo leva em consideração o VPL vis-à-vis (ano a ano) e quanto do investimento inicial é amortizado em cada novo calculo do VPL.

3. A INDÚSTRIA DA CERÂMICA VERMELHA
Os produtos da cerâmica vermelha caracterizam-se pela cor vermelha de seus produtos, representados por tijolos, blocos, telhas, tubos, lajes para forro, lajotas, vasos ornamentais, agregados leve de argila expandida e outros. No caso específico desse estudo será dada atenção exclusivamente aos tijolos.
No que se refere à matéria-prima, o setor de cerâmica vermelha utiliza basicamente argila comum, em que a massa é tipo monocomponente - só argila -, e pode ser denominada de simples ou natural.
A obtenção da massa é obtida, em geral, com base na experiência acumulada, visando uma composição ideal de plasticidade e fusibilidade, facilitando o manuseio e propiciando resistência mecânica na queima.

3.1 O MERCADO E SUA PRODUÇÃO
O mercado nacional carece de informações exatas, que proporcionariam maior capacidade de avaliação e de realização de ações adequadas ao desenvolvimento do setor. De qualquer forma, os dados disponíveis publicados oferecem uma ordem de grandeza sobre o segmento, além de um acompanhamento sobre a evolução do mesmo.
Segundo dados da ANICER e da ABC, em 2005 foram produzidas 63,6 bilhões de peças, das quais 75% foram blocos/tijolos. A produção total aponta um crescimento de mais de 113% em relação a 2004 (crescimento por produto: tijolos/blocos (90,5%) e telhas (239%).
Considerando-se os dados do IBGE, baseado no mercado formal de 2005 (uma vez que pouco mais de 1200 empresas geraram informação à Pesquisa Industrial de 2005), tem-se uma visão mais focada do mercado. A produção de tijolos foi de cerca de 2,8 bilhões de unidades e a de blocos, em torno de 63 milhões de unidades; a produção de telhas foi de mais de 1,6 bilhões (superior aos dados apontados anteriormente) e a de tubos atingiu quase 44 mil t - ou o equivalente a 43 mil km³ ou 3,5 mil km lineares.
Quanto ao faturamento alcançado, a pesquisa revelou um valor bastante inferior ao estimado pela ANICER/ABC, que é de R$803 milhões.


3.2 DESCRIÇÃO DO PROCESSO
3.2.1 Recebimento da matéria-prima

A compra da matéria-prima poderá ser efetuada diretamente nas lojas especializadas, através de fornecedor, ou vindo de fonte própria de matéria prima. O produto tem que ser de boa qualidade. Antes da entrada no setor de estoque de matéria prima, esta carga deverá ser pesada e conferida para registros contábeis e de produção, visando à realização do controle do
rendimento do processo produtivo e o pagamento aos fornecedores.


3.2.2 Preparação da massa cerâmica
Processamento, com o auxilio do misturador, na proporção média de uma parte de água para três partes de argila, da massa cerâmica que deve ser magra, diminuindo assim a retração, impedindo a deformação das peças e aparecimento de fendas.

3.2.3 Laminação da massa cerâmica
Trituração de sobras ou peças defeituosas, cozidas caso a massa cerâmica seja gorda, surgindo assim uma nova mistura de massa.

3.2.4 Moldagem
Adequação da massa cerâmica, moldando as peças feitas por extrusão na maromba, produzindo as várias peças na forma final.

3.2.4 Prensagem
Prensagem das placas de telhas ou lajotas na forma definitiva.

3.2.5 Secagem
A secagem adotada deve ser natural, pela exposição das peças ao ar ambiente em galpão coberto. Em geral o galpão é isento de paredes laterais e somente em caso de ventilação acentuada recomenda-se o levantamento de paredes, a fim de evitar a ventilação excessiva e a secagem mais rápida das peças, o que provoca rachadura e deformações nas mesmas.

3.2.6 Queima ou cozimento
Os tijolos e telhas, já secos, são queimados ou cozidos em fornos de lenha. As
condições ideais de queima exigem que o forno seja aquecido lentamente, ou seja, nas primeiras seis horas de aquecimento, a temperatura não deve ultrapassar os 100ºC. caso o forno aqueça muito rapidamente, a água contida no barro evapora-se muito depressa e as peças racham. Depois dessas primeiras horas, pose-se elevar mais rapidamente a temperatura até os 500ºC, permanecendo durante três horas, e em seguida pode-se elevar até a temperatura ideal de 900 – 1000ºC, permanecendo por seis horas. Nessa temperatura os tijolos e telhas adquirem a resistência mecânica desejada e som metálico quando batidos com uma peça metálica, esse som é característico dos tijolos bem cozidos. Quando o som é seco, indica que os tijolos estão mal cozidos.

3.2.7 Armazenagem e entrega
Armazenar o produto para comercialização e transporte.

4. Análise da Viabilidade Econômica de uma Indústria Cerâmica de pequeno porte no Estado do Pará
Este artigo realizou-se a partir da coleta de dados da estrutura produtiva de uma indústria cerâmica de pequeno porte no estado do Pará e efetuou-se avaliação técnica da implantação de uma unidade industrial idêntica a que foi utilizada neste estudo. A infraestrutura desta área industrial é composta por um terreno de aproximadamente 5000 m² com edificações além de possuir uma área de reserva de barro de 19 hectares, sala de máquinas para preparação e extrusão de tijolos com silo de armazenamento de matéria prima (vide anexo), seis salas de queima de fornos paulista com capacidade para 30 milheiros de tijolos, uma estufa de secagem (60m x 7m). Os resultados obtidos abaixo foram realizados considerando a análise dos fluxos de caixa do projeto submetida a uma taxa de 8,25% a.a., de acordo à classificação de faturamento médio anual do Fundo Constitucional do Norte – FNO, segundo o Plano de Investimento do Banco da Amazônia – BASA para 2011.
Para esta unidade industrial o empreendimento mostrou-se economicamente viável já que possui VPL superior à zero, dessa forma os ganhos futuros atualizados projetados do recurso inicial investido foram maiores do que zero, demonstrando uma geração de riqueza de R$ 2.979.487,39 no horizonte de 20 anos o qual o projeto foi estimado (figura4).
A TIR obteve o valor de 25,10% a.a e garantiu os denominados custos de oportunidade, ou seja, a taxa mínima de atratividade de 8,25% a.a (FNO), proporcionando certa margem de conforto para mudanças financeiras de cenário, os ganhos do projeto ou VPL são descendentes com a elevação da taxa de desconto e tornando-se nulo ao patamar de TIR 25,10% a.a, isto significa que financiamentos que superam este patamar inviabilizam a implantação de uma indústria cerâmica de pequeno porte. Outro aspecto importante é que a estrutura de custo industrial analisada tolera elevadas taxas de desconto, estimulando o investimento ao empreendimento já que a sensibilidade à taxa é favorável ao investidor (figura 4).
O Índice de Lucratividade Líquida foi equivalente a 2,447, o que significa que ocorreu um aumento líquido de R$ 1,447 para cada unidade monetária investida, indicando a multiplicação da riqueza e a viabilidade econômica do projeto.
O indicador denominado VPLa representou, durante a vigência do projeto, rendimentos líquidos anualizados no valor de R$ 309.1824,85 descontados a taxa vigente de 8,25% a.a. O ROIA (retorno adicional sobre o investimento inicial) foi de 0,62% a.a exibindo viabilidade econômica ao empreendimento, note que este índice é diretamente proporcional ao ILL, o que reflete a taxa anual de valor adicionado.
Finalmente, o índice de desempenho denominado Pay-Back foi utilizado, indicando o tempo que o projeto necessita para alcançar o investimento inicial e, por conseguinte, iniciar a geração de riqueza. Esta estrutura industrial tem um processo de amortização de custo que se prolonga por 4 anos e 11 meses.
Um Pay-back desta extensão configura-se como significativamente bom, visto segmento industrial em que a empresa se enquadra e o alto valor investido inicialmente, o que facilita a obtenção de novos empréstimos e o acúmulo de riqueza, elevando a competitividade do industrial cerâmico proprietário.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A indústria da cerâmica vermelha evidencia sua importância no cenário de produção e geração de renda no Brasil. Dados da ANICER (Associação Nacional da Indústria da Cerâmica) ilustram isso, apontado que o mercado conta com cerca de 7431 empresas cerâmicas e olarias, sendo responsável por aproximadamente 293mil empregos diretos, 1,25 milhões indiretos e gerando um faturamento anual de 18 bilhões.
Além desses dados é importante ponderar que as obras de Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e os megaeventos esportivos como a Copa do Mundo de 2014 servirão de “motores” para o crescimento da construção civil o que conseqüentemente elevará a produção da cerâmica vermelha no mercado nacional.
Este estudo mostra que é viável economicamente e financeiramente a implantação de uma indústria de Cerâmica Vermelha de pequeno porte no estado do Pará, haja vista o valor positivo encontrado para o VPL do investimento: R$ 2.979.487,39; no horizonte de 20 anos previstos para o projeto.
A taxa de retorno sobre o investimento inicial (25,10%) é benéfica tanto para o investidor que garante um retorno monetário satisfatório para compensar o seu esforço financeiro, como para um possível financiador desse investimento, pois afirma o potencial de retorno do empréstimo concedido.
O Pay-Back do investimento também aponta um valor favorável à implantação do empreendimento, sendo de aproximadamente 5 anos para o retorno total do valor investido.
Portanto, a implantação da indústria de Cerâmica Vermelha é economicamente viável, afinal todos os indicadores neste estudo analisados (VPL, VPLA, TIR, ILL, ROIA e Payback) mostram-se favoráveis a execução a efetivação do investimento.

REFERÊNCIAS
AGÊNCIA BRASIL. Construção Civil prevê crescimento acima do PIB brasileiro. Portal Brasil. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2011/02/11/construcao-civil-espera-crescer-mais-que-o-pib-brasileiro-este-ano-diz-cbic. Acessado em: 15 de novembro de 2011.
ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CERÂMICA. Dados Oficiais. Disponível em http://www.anicer.com.br/index.asp?pg=institucional.asp&secao=3&categoria=60&selMenu=3. Acessado em: 15 de novembro de 2011.
CASAROTTO FILHO, Nelson; KOPITTIKE, Bruno Hartmut.Análise de investimentos:Matemática Financeira, Engenharia Econômica Tomada de Decisão Estratégia Empresarial. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
CERÂMICA VERMELHA. Estudos de mercado SEBRAE/ESPM 2008. Sumário executivo. Acesso em: 17 de Novembro de 2011. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/setor/ceramica-vermelha
PENA, Heriberto Wagner Amanajás; HOMMA, Alfredo Kingo Oyama. Análise de Viabilidade Econômica: Um Estudo Aplicado a Estrutura de Custo da Cultura do Dendê no Estado do Pará. Belém, 2010
SANTANA, A. C. Elementos de economia, agronegócio e desenvolvimento local. Série Acadêmica. 01. Belém- GTZ- TUD- UFRA. 2005.
SOUZA, Alceu; CLEMENTE, Ademir.Decisões financeiras e análise de investimentos:Fundamentos, técnicas e aplicações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.


Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net > Observatorio de la Economía Latinoamericana

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet