Contribuciones a la Economía


"Contribuciones a la Economía" es una revista académica con el
Número Internacional Normalizado de Publicaciones Seriadas
ISSN 1696-8360

 

A ECOLOGIA DE MARX E ENGELS

 

César Augusto Soares da Costa (*)
csc193@hotmail.com

 

Até que medida Marx e Engels e sua reflexão são compatíveis com a ecologia moderna? Seria possível uma leitura marxista da ecologia? Segundo o entendimento de Lowy, o ponto de partida é que a ecologia não tem destaque no pensamento de Marx. Pois a relação entre a sociedade e a natureza não tem um consenso. A crítica ao capitalismo seria o fundamento principal para uma ecologia radical marxista.

Logo, uma das críticas sofridas por Marx através dos ecologistas estaria na visão atribuída ao pensador por se ater num humanismo prometeico, em certo ponto conquistador, que vê o homem uma espécie de Senhor do Mundo. Do outro lado, sua defesa consiste na superação do dualismo patente, pois Marx pensa o ser humano inseparável do ambiente. Concepção já vista desde os Manuscritos Econômico-Filosóficos de 1844, onde a natureza é o corpo “não-orgânico do homem”. Para Marx, pela abolição da propriedade privada, a sociedade se tornará possível mediante a realização essencial do homem com a natureza.
 


Soares da Costa, C.A.: "A ecologia de Marx e Engels" en Contribuciones a la Economía, junio 2010, en http://www.eumed.net/ce/2010a/ 


Alguns críticos de Marx denominam que o autor utilizou a teoria do valor do trabalho que explica a origem da troca no capitalismo para fundamentar suas posições, onde a natureza participaria das verdadeiras riquezas. No entender de Marx, a natureza não é valor de troca, mas valor de uso! E o trabalho não é fonte riqueza, é fonte de trabalho do homem. Outros críticos atribuem ao autor um produtivismo.

Contrariando certa tendência, ninguém foi tão contra como Marx a lógica capitalista! Para ele, o objetivo do progresso técnico não é o crescimento dos bens, mas a redução da jornada de trabalho e o aumento do tempo livre ao trabalhador. O que talvez careça no autor, seja uma noção geral dos limites naturais ao desenvolvimento das forças produtivas.

Sobre o papel da agricultura, se reflete o esboço de uma problemática ecológica, através da qual se critica as catástrofes do produtivismo. Para Marx, a ruptura do metabolismo entre sociedade e natureza é um dos resultados do produtivismo capitalista dos quais se atribui três conseqüências: a) devastação dos solos como ruptura no sistema de trocas materiais; b) cooperação entre indústria e agricultura e; c) extensão dos solos graças ao comércio internacional. No primeiro volume de O Capital, as relações entre agricultura e indústria possuem destaque, onde as devastações provocadas pelo capital sobre o ambiente aparecem. A obra traz uma visão dialética das “contradições” do progresso trazido pelas forças produtivas. Para o autor, a fertilidade do solo é uma responsabilidade às gerações futuras, porque a destruição e a exploração dos trabalhadores são resultados dessa lógica predatória.

Noutra obra, A condição da classe operária (1844), a poluição do meio ambiente é vista sob visão dos bairros operários da Inglaterra. Dejetos e resíduos industriais nas ruas e rios são relatados como resultados dessa ruptura com o ambiente. Já nos Manuscritos de 1844, alude-se ao comunismo como “solução” para antagonismo entre homem e natureza. Embora no Capital (I), o autor afirma que esse metabolismo nas sociedades pré-capitalistas estaria assegurado pelas relações mais harmônicas entre homem e a sociedade. Somente o Socialismo para Marx seria capaz de estabelecer uma “lei reguladora da produção social”. No volume III, de O Capital, o pensador reafirma a oposição entre a lógica capitalista da produção agrícola (exploração e desperdício dos solos), mas aponta para o tratamento racional da terra como propriedade comunitária. Pois para Marx, o controle sobre as trocas materiais com a natureza seria um imperativo, divergindo da simples dominação prometeica do homem sobre a natureza, como assinalavam seus principais críticos.

Enfim, Engels e Marx têm relação com a ecologia? Podemos dizer que para os autores falta uma visão de conjunto dos problemas, embora é impossível pensarmos numa ecologia sem levar em consideração a crítica marxista, de modo a questionar a lógica destrutiva lesada pela acumulação do capital.

Finalizando, aludimos algumas perspectivas se fazem pertinentes neste debate. Uma primeira seria a renovação do marxismo a partir da reflexão dos problemas ecológicos. A segunda, seria a reafirmação das necessidades sociais e a redução da jornada de trabalho amplamente defendida por Marx. A terceira, é a orientação do progresso tecnológico tornando compatível com a preservação do equilíbrio ecológico no Planeta. Por fim, não basta segundo o autor, tomar o poder do Estado, mas sim destruir o aparelho do mesmo em função de critérios socialistas e ecológicos, contrariando a simples manutenção da “máquina produtivista capitalista” em prol de interesses corporativos.

* Sociólogo, Professor e Pesquisador. Mestre em Ciências Humanas/PUCRS. 


Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Economistas Diccionarios Presentaciones multimedia y vídeos Manual Economía
Biblioteca Virtual
Libros Gratis Tesis Doctorales Textos de autores clásicos y grandes economistas
Revistas
Contribuciones a la Economía, Revista Académica Virtual
Contribuciones a las Ciencias Sociales
Observatorio de la Economía Latinoamericana
Revista Caribeña de las Ciencias Sociales
Revista Atlante. Cuadernos de Educación
Otras revistas

Servicios
Publicar sus textos Tienda virtual del grupo Eumednet Congresos Académicos - Inscripción - Solicitar Actas - Organizar un Simposio Crear una revista Novedades - Suscribirse al Boletín de Novedades
 
Todo en eumed.net:
Eumed.net > Contribuciones a la Economía

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet