POPULISMO, ÂNCORAS E CRISES CAMBIAIS
Tesis doctorales de Economía

POLÍTICA CAMBIAL E MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO

Paulo Gala

 

Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

 bajarse los archivos en pdf comprimidos ZIP. (167 pags., 1359 Kb)

 

POPULISMO, ÂNCORAS E CRISES CAMBIAIS

A maioria das crises observadas na América Latina nos últimos 20 anos segue um padrão de endividamento externo e sobrevalorização do câmbio. Ciclos de apreciação cambial, crescentes déficits em conta corrente e colapsos externos resume m boa parte da história recente da região. Num registro menos analisado pela literatura teórica, sobrevalorizações cambia is podem também afetar negativamente dinâmicas de acumulação de capital através de seus impactos na poupança e investimento ou ainda dificultar movimentos de inovação tecnológica, como nos casos de “Dutch Disease”. Nesta primeira etapa do trabalho discutimos três conseqüências negativas da sobrevalorização cambial. O presente capítulo se concentra em apresentar alguns fatos estilizados a respeito de apreciações cambiais e crises no balanço de pagamentos. O próximo capítulo discute os efeitos negativos da “Dutch Disease” ou a maldição dos recursos naturais em processos de graduação tecnológica necessário s ao desenvolvimento econômico. O quarto capítulo trata dos possíveis impactos do nível do câmbio real na poupança e investimento agregados a partir de seu papel determinante na definição do nível dos salários reais.

Ao discutir os recorrentes problemas cambiais da América Latina, Dornbusch et al (1995) defendem políticas que mantenham o câmbio real numa posição competitiva para promover exportações e crescimento. Tratam dos eventos que levaram à crise mexicana de 1994 e argumentam que evitar excessivas apreciações do câmbio real talvez seja uma das mais importantes metas de política econômica para economias financeiramente integradas ao resto do mundo. Nos casos de desalinhamento cambial, um mercado financeiro excessivamente elástico no sentido de financiar desequilíbrios pode ampliar ainda mais os custos de um colapso como no caso mexicano. De acordo com os autores, o câmbio real é um preço relativo chave e “when it becomes too high, it hurts growth, endangers financial stability, and ultimately comes crashing down” (Dornbusch et al 1995, pg.220). Argumentam ainda que, na maioria dos casos, a taxa de câmbio é uma variável sob o controle das autoridades monetárias, uma das mais importantes.

Seguindo esta discussão, o principal objetivo deste capítulo será analisar importantes casos de sobrevalorizações cambiais e crises na América Latina. Como procuraremos argumentar ao longo do texto, uma das principais causas da estagnação recente da região encontra-se nos sucessivos ciclos de apreciação cambial e crise observados nas últimas décadas. Além de descrever os principais fatos estilizados a respeito das sobrevalorizações latino americanas recentes, com destaque para o populismo econômico e estabilizações com âncoras cambiais, o trabalho analisará mais detalhadamente a evolução da política cambial chilena desde o início dos anos 70. O Chile foi talvez o único dos países latino-americanos capaz de manter sua taxa de câmbio num nível razoavelmente competitivo a partir de meados dos anos 80, evitando os problemas da sobrevalorização sofridos pelas principais economias da região nos anos 90.

A experiência das políticas cambiais praticadas no Chile ao longo dos últimos 30 anos é especialmente interessante pois engloba praticamente todos tipos de arranjos cambiais possíveis; desde as “tablitas” e ancoragem, passando por bandas, até uma flutuação mais livre. Em termos de nível, os exemplos são também bastante ricos. O câmbio chileno passou por ciclos de sobrevalorização decorrentes do típico populismo latino-americano e das famosas âncoras cambiais voltadas para a estabilização de preços. Experimentou níveis de relativa estabilidade e subvalorização no período de “real exchange rate targeting” praticado com as bandas, especialmente entre 1985 e 1995. Mais recentemente, com a livre flutuação a partir de 1999, o câmbio chileno vem experimentando sucessivas apreciações decorrentes da tentativa de atingir níveis inflacionários compatíveis com o regime de metas de inflação.

O texto se divide em cinco partes, além desta introdução. A segunda parte aborda a questão do populismo econômico, termo cunhado para descrever os recorrentes casos de políticas econômicas irresponsáveis praticadas especialmente na América Latina nos ano s 70 e 80. Na seqüência, analisa-se a estratégia de estabilização de preços com ancoragem cambial praticada na América Latina nos anos recentes. A quarta parte do capítulo discute alguns trabalhos que tratam do impacto das sobrevalorizações cambiais em crises de balanço de pagamentos. A seção final trata especificamente do caso chileno.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet