Algumas relações formais
Tesis doctorales de Economía

POLÍTICA CAMBIAL E MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO

Paulo Gala

 

Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

 bajarse los archivos en pdf comprimidos ZIP. (167 pags., 1359 Kb)

 

Algumas relações formais

Iniciamos com as relações de contas nacionais de uma economia sem Estado na qual o produto Y é a soma de investimento I com consumo C e exportações X menos importações M; a renda bruta Rb é a somatória de salários dos trabalhadores Wt, ordenados da classe média profissional Wo, e rendimentos do capital P ; a renda nacional Rné a renda bruta menos os rendimentos do capital enviados ao exterior RLE . O investimento é igual à poupança S , não se fazendo distinção entre ex ante e ex post porque, exclusivamente para efeito de simplificação, o pleno emprego é pressuposto: a poupança total, interna Si mais

externa Sx , financia e determina o investimento.

Y =C + I + X -M (1)

Rb =Wt + Wo +P+ RLE (2)

Rn =Rb -RLE (3)

I = S = Si + Sx (4)

A poupança externa, ou seja, a poupança que um país recebe do exterior, é igual ao déficit em conta corrente, que, por sua vez, corresponde ao saldo comercial mais os rendimentos líquidos enviados ao exterior.

Sx =M -X + RLE [ poupança externa ] (4.1)

A poupança externa variará com a taxa de câmbio real q . Quanto mais desvalorizada, menor a poupança externa necessária para fechar as contas externas conforme a expressão 4.1’.

¶Sx /¶q= h < 0 (4.1)’

A poupança interna é igual aos rendimentos do trabalho e do capital menos o consumo.

Si =Wt + Wo +P-C [ poupança interna ] (4.2)

De (1) e (2), temos

C +I + X -M = Wt + Wo +P + RLE (5)

logo, retornamos à identidade (4)

I =(Wt + Wo +P-C) + (M -X + RLE) [poupança interna Si + poupança externa Sx ] (6)

Nos argumentos de Bresser-Pereira (2004a), o impacto do câmbio real na acumulação de capital se dá via determinação do salário real. Precisamos, portanto, definir expressões para

o câmbio real e para o salário real w / Q . Para o câmbio real q , adotamos a tradicional definição de câmbio nominal e multiplicado pela relação entre preços externos P * e internos P ,

q= eP */ P (7)

Assumindo-se que trabalhadores recebem um salário nominal w e adquirem bens comercializáveis e não comercializáveis, teremos que seu custo de vida Q dependerá da posição do câmbio nominal e da parcela de bens comercializáveis em suas cestas de consumo a .

Q =P(1-a ) eP *a (8)

Assumindo-se que os preços são formados na economia de acordo com a conhecida regra kaleckiana , que relaciona o nível de preços P com o salário nominal w, o nível de produtividade b e com o “mark up” m ,

P =w(1 + m)1/ b (9)

pode-se observar a partir da definição do câmbio real (7), da definição do custo de vida dos trabalhadores (8) e da definição da formação de preços (9), que o salário real w/ Q é função da produtividade, do câmbio real e do “mark-up” ou padrão de distribuição de renda

(10) (ver Simonsen e Cysne 1995, pg 452). w/ Q = b /(1+ m)qa (10)

¶w/ Q / ¶q = f < 0 (10.1)

A partir destas definições, teremos que uma desvalorização do câmbio real com o aumento do preço dos comercializáveis em relação ao salário nominal significará uma queda de salário real já que a cesta de consumo do trabalhador em questão custará mais caro. A restrição fundamental para que haja uma desvalorização real é a de que um possível aumento de salários nominais decorrente da desvalorização nominal não supere o aumento de e, dado P * . Isso somente ocorrerá se o preço dos não comercializáveis, especialmente os salários nominais, permanecerem constantes ou se alterarem menos do que proporcionalmente à variação cambial. Estamos, portanto, assumindo a hipótese keynesiana de rigidez de salários nominais e flexibilidade dos reais, ao invés da neoclássica de flexibilidade dos salários nominais e rigidez dos reais (Corden 1977).

Bresser-Pereira (2004a) se vale ainda da hipótese kaleckiana de que o consumo é função do nível de salários. Se, como argumentamos acima, os salários reais são função do câmbio real, o consumo dos trabalhadores será função do câmbio real. Assume também que o consumo responde de forma negativa às oportunidades de investimento presentes na economia r . Uma maior rentabilidade de projetos de investimento poderá estimular a classe média a direcionar seus ordenados para investimentos,

C =C(w/ Q, r) (11)

¶C / ¶w / Q = m ³ 0 (11.1)

Logo, o consumo varia positivamente com os salários e, como veremos mais adiante, negativamente com o diferencial entre a taxa de juros e de lucro r , considerado exógeno nessa formalização.

Quando prevalece a estratégia de crescimento com poupança externa, e, portanto, de déficit em conta corrente, a taxa de câmbio se manterá em um nível relativamente apreciado, fazendo com que os salários e ordenados se elevem e a massa de salários e ordenados se mantenha em um nível artificialmente elevado. O consumo aumenta e se mantém elevado, diminuindo a poupança interna. Como o nível de renda está dado no pleno emprego, um aumento de massa de salários deverá ser necessariamente acompanhado de queda na massa de lucros e nas rendas do capital (equação 2). A poupança interna, portanto, é função, nesta formalização, da taxa de câmbio.

Uma apreciação da moeda local poderá reduzir a poupança interna para o mesmo valor ou mesmo para menos do que representa o acréscimo de poupança externa, ocorrendo assim um deslocamento de poupança total (savings displacement). Pode se observar a partir da equação (6) que, se a queda de Si for maior do que o aumento de Sx , a poupança total cai, o investimento total cai, o consumo total aumenta e a renda se mantém. A expressão (12) define a variação da poupança interna em relação à poupança externa z . Se z for igual a -1, haverá perfeita compensação, se z for 0, não haverá compensação nenhuma e a poupança externa se transformará em investimento. Nos casos intermediários, parte da poupança externa será canalizada para consumo e parte para investimento. A poupança interna torna-se então uma função da poupança externa.

Temos, portanto, que z poderá ser negativa ou nula: z =¶Si / ¶Sx £ 0. Como isto pode ser demonstrado, ou, em outras palavras, de que depende z ? Como se pode observar na expressão (12.1), dada a variação dos salários e ordenados em relação à apreciação do câmbio f , que já vimos poder ser considerada estável, z dependerá essencialmente de h , ou seja, da variação da poupança externa em relação à taxa de câmbio real, e de m , ou seja, da variação do consumo em relação aos aumentos dos salários e ordenados, como já está implícito nas equações (4.1), (4.2), (10) e (11). E de que dependerá m ? Nossa hipótese é que dependa da existência ou não de oportunidades de investimentos, ou, mais precisamente, do diferencial da taxa de lucro esperada em relação à taxa de juros r . Caso

haja grandes oportunidades de lucro, além de a classe capitalista usar uma parte maior de sua renda esperada e auferida para investir, os aumentos dos salários da classe operária e principalmente dos ordenados da classe média aumentarão também sua propensão marginal a investir, de forma que m tenderá para zero.

Em outras palavras, a variação do consumo em relação aos aumentos dos salários e ordenados poderá ser nula. O aumento dos ordenados será também usado para financiar investimentos ao invés de simplesmente financiar o consumo, como está implícito na equação (11). Para isto, porém, será necessário que haja grandes oportunidades de investimento. Se o diferencial r for pequeno, teremos oportunidades “normais” de investimento que não estimularão a classe média a desviar parte do seu aumento de ordenados para o investimento. Em conseqüência, a entrada de poupança externa será compensada pela diminuição da poupança interna decorrente do aumento do consumo. Além disso, os próprios lucros e seu re-investimento serão modestos. O resultado dos dois fatos será que novos investimentos não ocorrerão, não obstante o influxo de poupança externa.

A questão principal nessa formalização é saber se a poupança externa se transforma em investimento ou em consumo. Se r for relativamente baixo, a variação m será alta, de forma que o aumento dos salários e ordenados causado pela apreciação da taxa de câmbio orientar-se-á principalmente para o consumo. Em conseqüência, dada a renda, a poupança interna diminuirá substancialmente. No outro extremo, se o diferencial de taxa de lucrojuros for alto, a variação m será baixa e uma grande parte do aumento de salários e ordenados se dirigirá para o investimento e não para o consumo.

A diminuição da poupança interna poderá, portanto, ser igual, maior, ou menor do que o influxo de poupança externa. Se for igual, havendo substituição total de um pelo outro tipo de poupança, a derivada z será igual a -1. Quando a taxa de substituição da poupança interna pela externa z for, por exemplo, de -0,6, para cada unidade de poupança externa entrando no país haverá uma diminuição de poupança interna (aumento do consumo) de 60% desse valor. Se z for 0, a crítica à estratégia de crescimento com poupança externa perde o sentido, porque a poupança externa é integralmente transformada em investimento. Nossa hipótese neste trabalho é a de que a taxa de substituição de poupança interna pela externa tende a ser alta, aproximando-se de -1, quando ocorrem déficits em conta corrente sem efetiva vinculação com investimentos como aconteceu na América Latina nos anos 90.

Sabemos historicamente ou empiricamente que, em determinadas circunstâncias, países desenvolveram-se com poupança externa. Qual a condição para que isto ocorra, ou seja, para que a substituição de poupança interna pela externa fique próxima de 0 ? A resposta a essa pergunta já foi sugerida quando fizemos m depender de r (equação 11) e z depender de m (equações 6, 10 e 11). Para que o valor de z fique entre 0 e -1, pressupomos uma taxa de juros normal e uma taxa de lucros também normal, ou seja, pouco acima da taxa de juros de longo prazo. Em determinados momentos, porém, uma conjugação favorável de externalidades e de aumento de demanda provoca uma situação de grandes oportunidades de investimento que se expressam por altas taxas de lucro esperadas, sempre combinadas com elevadas taxas de crescimento do PIB. Quando isto ocorre, é preciso abandonar a hipótese de que o aumento de salários e ordenados se destine principal senão integralmente ao aumento do consumo. Dividindo-se os salários totais W entre salários dos trabalhadores Wt e ordenados da classe média profissional Wo quando a taxa de lucros esperada sobe substancialmente, a classe média profissional principalmente (mais do que os trabalhadores) se deixa motivar por essa taxa e passa a aplicar parte de seu aumento de ordenados reais em investimentos. Logo, a partir de um determinado nível de diferencial taxa de lucros esperada-taxa de juros, o investimento, que já é função da taxa de lucro para os capitalistas e as empresas, passa a sê-lo também para a classe média profissional.

Em termos das relações apresentadas até então, a derivada z =¶Si / ¶Sx ou taxa de substituição de poupança interna pela externa se aproxima de 0, o que significa que grande parte do déficit em conta corrente está se transformando em investimentos. A substituição de poupança interna pela externa é, portanto, função da variação do consumo em relação ao aumento dos salários e ordenados, a qual, por sua vez, é função das oportunidades de investimento ou do diferencial taxa de juros e lucros esperados (equação 11).

A situação não muda de forma substancial se abandonarmos a hipótese do pleno emprego. Suponhamos que o país decida abandonar a estratégia de crescimento com poupança externa. No processo de transição, a depreciação da moeda, com decorrente queda dos salários e ordenados reais e aumento dos lucros, pode provocar uma queda momentânea de renda. Entretanto, a injeção de demanda resultante do aumento de exportações e dos investimentos estimulados pela oportunidade de exportar irá contrabalançar o efeito recessivo. Os investimentos tornam-se, portanto, também função da taxa de câmbio e das expectativas de lucro que a própria taxa de câmbio determina. Com o aumento das exportações e a redução dos salários reais, o volume de lucros e a poupança interna, aumentam, assim como aumentam a taxa de lucro esperada e os investimentos. A poupança externa diminui na medida em que as importações e o déficit em conta corrente caem. No novo equilíbrio, o níve l de renda é o mesmo, mas a poupança interna e o investimento são maiores. Houve uma concentração da renda, mas, em compensação, graças ao aumento dos investimentos e das taxas de crescimento futuras, os salários deverão apresentar uma taxa de crescimento substancialmente superior àquela que tinham antes da depreciação e rapidamente mais do que compensar a perda ocorrida.

Os efeitos líquidos potenciais de uma apreciação nesse sistema são, portanto, aumento do consumo e das importações e queda da poupança doméstica, do investimento e das exportações. No caso de uma depreciação real os efeitos são opostos. Uma redução do salário real via depreciação do câmbio reduz o consumo e as importações e aumenta as exportações e os investimentos. Nesse caso, a reposta dos empresários com aumento dos investimentos se daria pelo canal do aumento dos lucros, contrarrestando possíveis efeitos negativos de aumento de preços de máquinas importadas. Se a função investimento for insensível ao aumento de lucros e se as exportações não responderem à depreciação cambial, a redução do consumo por conta da redução dos salários poderá ter efeitos recessivos. No caso de uma resposta positiva, a troca do componente do gasto agregado de consumo por exportações e investimentos é acompanhada por um aumento da poupança doméstica na forma de acréscimo de lucros e redução da utilização da poupança do setor externo como ilustra a expressão (6). Em ambas as situações, apreciação real ou depreciação real, a dinâ mica de acumulação de capital no curto prazo é fortemente impactada pela posição do câmbio real.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet