Cuadernos de Educación y Desarrollo

Vol 1, Nº 3 (mayo 2009)

 

RESENHA AL TEXTO: TEIXEIRA, EVILÁZIO. A EDUCAÇÃO ENQUANTO RESPONSABILIDADE DO ESTADO. IN: TEIXEIRA, EVILÁZIO. A EDUCAÇÃO DO HOMEM SEGUNDO PLATÃO
3 ed. São Paulo: Paulus, 2003. p. 110-37.

 

 

César Augusto Soares da Costa (CV) *
csc193@hotmail.com

 

Na atualidade podemos afirmar que a educação faz parte como também é de responsabilidade do Estado? Em que medida? Tomando este pressuposto inicial que serve muito mais como uma provocação para uma análise mais acurada do problema, está a posição do filósofo Platão. Assim, a intenção de nossa resenha, será de expor brevemente alguns aspectos sobre a educação neste brilhante capítulo intitulado A Educação enquanto responsabilidade do Estado da obra de Evilázio Teixeira. O autor, Mestre em Filosofia, Doutor em Teologia, docente, pesquisador da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e atualmente, Vice-reitor da mesma Instituição, buscou de maneira leve e consistente refletir a partir do pensamento de Platão (427-347 a.C.), a educação dada pelo e no Estado e sua relevância na vida do indivíduo e da polis.

Segundo Platão a educação deve ser pública, o que constitui uma novidade para a educação de seu tempo, já que na forma das cidades aristocráticas, a educação era de caráter privado. Seu sistema educacional propõe que os futuros educadores sejam escolhidos pela comunidade e controlados por magistrados que seriam uma espécie na política moderna de ministros da educação. Esses magistrados decidem pelos conteúdos e velam pela sua aplicação. Pois a preocupação de Platão é educar, não somente o homem como indivíduo, mas como parte de uma comunidade. O Estado constitui para ele, o primeiro e o maior responsável pela educação dos indivíduos que a compõem. Para o Filósofo da Academia, a educação está a serviço do Estado, que por sua vez, está a serviço da Educação. Não existe educação sem Estado, como Estado sem educação. Na sua perspectiva, o Estado tem na sua origem o fato de cada um não ser auto-suficiente, mas necessitado de muita coisa. Os homens não se reúnem por causa da arbitrariedade, mas por necessidade. Para o filósofo, aqui se coloca o princípio da justiça, que se fundamenta, segundo o mesmo, no fato de que todo o homem possui necessidades das quais não lhe é possível prescindir e, que não se pode satisfazer por si só.

Assim uma das sua preposições mais essenciais de Platão, está no fato de que para sua acepção, a perfeição do Estado dependerá, da perfeição dos seus cidadãos. A tarefa do educador será ajudar seus “pupilos” a contemplar suas idéias formando o homem moral que, inserido na sociedade, seja capaz de construir um Estado justo. Para ele, não é possível a mudança da estrutura do Estado sem uma reflexão filosófica. Pois a reforma da polis somente é possível através de uma atitude pedagógica racional que será feita por intermédio da filosofia. Desse modo, insiste para que construamos o Estado em nós. E isso, só será possível por meio de uma autêntica educação. O que em última análise, resulta que para Platão a complexa estrutura do Estado perfeito serve apenas, para o desenvolvimento da alma humana. Sendo que a verdadeira finalidade está em modelar o homem dentro do homem, ou o homem no homem, isto é, sua parte espiritual. O homem verdadeiramente justo traz em sua alma o verdadeiro Estado, age e vive em vista dele, já que regula a sua vida, segundo a lei do Estado que vive dentro de si.

Platão assinala para a idéia de que a justiça é uma harmonia; integrar cada homem em um lugar mais justo na cidade. O lugar mais justo do cidadão é justamente aquele em que ele se sentirá melhor, e também mais útil ao Estado. A verdadeira missão do Estado é zelar pela felicidade de todos, e isso depende de cada indivíduo cumprir sua missão específica e somente ela. O Estado platônico busca, em última instância, não a felicidade particular de cidadãos que sejam livres, mas que o Estado como um todo seja feliz. Para que isso aconteça, é preciso ter no horizonte a felicidade de todos, e não de um pequeno grupo. Para Platão, não se trata de buscar uma justiça individual, mas, sobretudo, a justiça nas relações estabelecidas no Estado.

Uma das preocupações fundamentais para Platão, incide na preocupação moral todas as suas idéias sobre educação. Parte da premissa: como educar o homem moralmente bom? A pergunta sobre qual conduta é a mais adequada ao homem e qual educação capaz de formar no ser humano um comportamento que possibilite a este buscar o bem e evitar o mal consistirá o sentido último da filosofia da vida do Filósofo da Academia. Platão se opõe ao pensamento contemporâneo, para ele, ética e política são inseparáveis. Ninguém pode prescindir da participação na vida da cidade. O sujeito é inseparável do ser cidadão. Segundo Platão, a natureza humana possui uma dimensão social, daí provém a necessidade de estar unido com os demais. Pois o sujeito se justifica na sua relação com a sociedade, portanto com o Estado, onde cada um precisa, não só de auxílio material, mas também moral. A natureza humana segundo ele, é racional, e é por meio da razão que o homem constrói o bem, que é, simultaneamente, felicidade e virtude. Logo, a idéia do bem é o vértice do mundo moral e intelectual, e o verdadeiro bem está presente onde reina a justiça. Consequentemente, a justiça para Platão surge como um princípio superior, de onde decorrem as leis humanas capazes de garantir a felicidade individual e social.

Na concepção de Platão, como também de Sócrates, a verdadeira arte política purifica a alma, tornando-a virtuosa e justa, e esta arte é especialidade do filósofo. Portanto, o verdadeiro filósofo é também o verdadeiro político, e o projeto ético é comum a ambos. Nesse sentido, aparece de maneira evidente em Platão que a Filosofia não é um atividade gratuita, pois toda atividade reflexiva deve pressupor um conjunto e um modelo de ação, onde não apenas o pensamento do filósofo, mas também sua vida estão empenhados numa ética comum. Ou seja, para construir um modelo de polis perfeita, a partir do ideal de homem perfeito, será possível, se tivermos presente que a perfeição se encontra para além deste mundo, e que durante a vida terrena devemos tomar consciência de nossa condição, para que possamos nos tornar melhores. Tal tarefa exigirá uma reeducação! Sendo que a partir do momento em que o homem se der conta do seu chamado por aquilo que ainda não é do que por aquilo que já é, então começa a educar-se, pois estará se colocando a caminho, onde o Filósofo da Academia é também chamado a ser o timoneiro desta nova paidéia.

Em suma, pode-se afirmar que a obra de Evilázio Teixeira traz à lume uma discussão por demais relevante, sendo uma contribuição bastante original não só para os estudiosos da filosofia, mas também como base e estímulo para os atuais e futuros educadores, para que possam pensar a educação num horizonte mais aberto à integralidade do ser humano em sua esferas social, moral e política.

 

* Sociólogo e Pesquisador. Mestre em Teologia/PUCRS, Bacharel em Ciências Sociais/UFPEL e em Teologia/UCPEL. Professor convidado no Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina/CESUSC na cidade de Pelotas nos cursos de Pós-Graduação em Educação.

 


 

Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

 
Cuadernos de Educación y Desarrollo es una revista académica de formato electrónico y de aparición trimestral, editada y mantenida por el Grupo de Investigación eumednet de la Universidad de Málaga.

Los autores interesados deben enviar sus textos en formato DOC a: lisette@eumed.net junto a un resumen actualizado de su CV.

Director
Gerardo J. Gómez Velázquez (CV)

Editor Ejecutivo:
Juan Carlos M. Coll (CV)
ISSN: 1989-4155
EUMEDNET

Logo CED
CUADERNOS DE EDUCACIÓN Y DESARROLLO
revista académica semestral

Inicio |  
Objetivos |  
Consejo Editorial |  
Cómo publicar |  
Criterios de calidad |  
Números Anteriores |  
Anuncios |  
Otras Revistas de EUMEDNET
Universidad de Málaga > Eumed.net