Contribuciones a las Ciencias Sociales
Agosto 2013

ABORDAGENS POLÍTICO-GEOGRÁFICAS EM RICHARD HARTSHORNE



Wesley de Souza Arcassa (CV)
arcassa@gmail.com
Universidade Estadual de Londrina

RESUMO: A obra de Richard Hartshorne, em função de sua riqueza, ainda encontra-se à espera de maior análise e difusão. Tendo como base esta ideia, o trabalho em questão tem como objetivo desenvolver uma apreciação de alguns aspectos político-geográficos da produção acadêmica hartshorniana, principalmente no que concerne à temática das fronteiras e do Estado. Além disso, busca-se abordar no transcorrer do texto a diferenciação entre os termos fronteira e limite, bem como a importância destes no hall de temas de análise do campo da Geografia Política. Na sequência, enfocam-se as contribuições de Hartshorne à análise do Estado, principalmente através do estabelecimento da abordagem funcionalista. O impacto das ideias estabelecidas por este teórico à produção político-geográfica posterior também representa um dos pontos a serem considerados, somando-se as inovações teórico-metodológicas empreendidas pelo autor em relação à Geografia Política.

Palavras-chave: Richard Hartshorne, Geografia Política, Método Geográfico, Estado, Fronteira.

ABSTRACT: The work of Richard Hartshorne is still waiting for more analysis and dissemination. Based on this idea, this work has as objective to develop an appreciation of some political-geographic aspects of Hartshorne’s academic production, mainly regarding the issue of frontiers and state. Moreover, seek to approach in the course of the text the difference between the terms frontier and boundary, as well as the importance of these themes in the field analysis of the Political Geography. In sequence, focuses on the contributions of Hartshorne to analysis of the state, primarily through the establishment of the functionalist approach. The impact of the ideas set out by the writer to produce political-geographic later, also represents one of the points to be considered, adding the theoretical and methodological innovations undertaken by the author in relation to Political Geography.

Keywords: Richard Hartshorne, Political Geography, Geographic Method, State, Frontier.



Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:
de Souza Arcassa, W.: "Abordagens político-geográficas em Richard Hartshorne", en Contribuciones a las Ciencias Sociales, Agosto 2013, www.eumed.net/rev/cccss/25/richard-hartshorne.html

INTRODUÇÃO

Por volta de 1945, a Geografia Política parecia ter chegado a uma situação irrecuperável. De um lado, os desregramentos da Geopolitik alemã tinham prejudicado sua reputação, fazendo com ela fosse confundida abusivamente com esta última; do outro lado, as teorias não vinculadas à Geopolítica haviam-se perdido na mitologia do heartland e de seus derivados. O defeito de todas essas teorias era a intenção de aplicá-las a um território já bem definido. Em face deste fracasso inequívoco, houve uma mudança a partir da década de 1940, visando atribuir um conteúdo mais sistemático e rigoroso à Geografia Política.
Dentre os principais teóricos desse movimento de renovação da Geografia Política encontra-se Richard Hartshorne, cuja preocupação essencialmente teórico-metodológica destinava-se a corrigir os “desvios não-científicos” desse campo de investigação. Sua obra teve grande impacto na área da Geografia Política, pois o autor foi capaz de realizar o que até então não havia sido produzido, estudos de cunho epistemológico e metodológico.
Dessa forma, o presente trabalho, fruto de pesquisas em nível de mestrado com ênfase na área de História do Pensamento em Geográfico, objetiva executar uma análise crítica de alguns aspectos políticos-geográficos da obra do teórico norte-americano, buscando compreender sua influência perante a Geografia Política produzida a partir da segunda metade do século XX. Destarte, procura-se também enfocar a diversidade da produção literária hartshorniana, evidenciando os avanços prestados pelo teórico principalmente no que concerne à temática das fronteiras e do Estado.

METODOLOGIA

Como princípio metodológico norteador para a preparação deste trabalho utilizou-se principalmente o levantamento de bibliografia concernente à temática, oriunda de diferentes suportes e fontes. Isso porque, o trabalho realiza uma análise essencialmente teórica do assunto nele abordado.
A leitura e análise da bibliografia utilizada serviram de embasamento teórico para a compreensão do pensamento desenvolvido por Richard Hartshorne, o qual ocupa um papel de destaque perante a matriz clássica da Geografia Política.
Em contrapartida ao estudo dos aspectos metodológicos e políticos da obra hartshorniana, fez-se necessário também compreender o período histórico no qual se inseriu o autor, o que denotou a utilização de um método biográfico de pesquisa. Assim, torna-se possível demonstrar quais os temas pesquisados pelo geógrafo em cada período de sua carreira acadêmica, bem como identificar o espaço ocupado pelo mesmo perante o momento de transição da Geografia Tradicional para a Geografia Pragmática (New Geography).

ASPECTOS BIOGRÁFICOS

Richard Hartshorne (12 de dezembro de 1899 – Kittannig, Pennsylvania) emitente geógrafo norte-americano, realizou seus estudos de graduação na Universidade de Princeton entre os anos de 1917 e 1920. Realizou seu doutoramento no período de 1921 a 1924, tendo sido um aluno de elevado destaque na Universidade de Chicago, principalmente devido à importância e a variedade das temáticas abordadas em seus trabalhos, pois este recebeu o título de doutor com grande louvor devido a sua tese: The Port of Chicago: Its Commerce, Facilities and Requirement.
Especialista em temas voltados a Epistemologia da Geografia, Metodologia Científica, além de Geografia Econômica, Regional e Política, Hartshorne passou a exercer papel de destaque na comunidade científica norte-americana. Entre os anos de 1924 e 1940 ministrou aulas na Universidade de Minnesota, tendo publicado no ano de 1939 o alentado trabalho, The Nature of Geography: A Critical Survey of Current Thought in the Light of the Past, o qual foi editado pelos Annals of the Association of American Geographers (volume XXIX, números 3 e 4), tendo o mesmo logo se transformado em livro, dado ao imenso impacto que provocou, gerando imensa polêmica na esfera acadêmica devido a inovação teórica implementada pela obra.
Em 1938, o professor Richard Hartshorne, então da Universidade de Minnesota, ficou afastado de sua universidade em licença de um ano para estudos de campo na Europa. Ele foi incumbido de realizar estudos minuciosos de certas fronteiras políticas europeias; mas o ano de 1938 não era o mais propício para se examinarem essas fronteiras in loco. Em vez disso, Hartshorne passou esse período organizando um relatório sobre o desenvolvimento do pensamento geográfico, graças a leituras feitas em bibliotecas europeias e visitas a numerosos geógrafos europeus. Em 1939, publicou sua obra monumental — The Nature of Geography. A revelação das ideias geográficas, da época dos gregos antigos ao presente, é descrita em The Nature of Geography de maneira magistral. (JAMES, 1970, p. 10-11).

Durante o período da Segunda Guerra Mundial (1941-1945), Hartshorne atuou junto ao Escritório de Serviços Estratégicos do Estado Unidos, onde desenvolveu pesquisas e análises direcionadas ao campo da Geografia Política. Assim, o autor se tornou referência para os estudos posteriores produzidos nesta área, pois além de coordenar um seleto grupo de pesquisadores responsáveis por arquitetar um plano estratégico de defesa para os Estados Unidos, frente à Geopolitik produzida em território alemão e apropriada pelo III Reich, também foi capaz de teorizar em torno do aspecto metodológico deste ramo da ciência geográfica. Desse período destaque-se um significativo conjunto de artigo publicado principalmente no Annals of the Association of American Geographers, bem como o livro produzido em parceira com Derwent Whittlesey e Charles Colby (1942), intitulado German Strategy of World Conquest.
O Escritório de Serviços Estratégicos do Estado Unidos (US Office of Strategic Services – OSS), órgão precursor da Agência Central de Inteligência (CIA), foi inaugurado em 1941, objetivando recolhor, análisar e divulgar informações e matéria sobre segurança nacional. Richard Hartshorne ocupava uma função administrativa central, responsável por supervisionar a atribuição, produção, habilitação e distribuição de todos os relatórios de pesquisa. Ao pesquisar e escrever os relatórios, os geógrafos que atuavam no OSS (havia mais geógrafos no OSS do que em qualquer outro órgão do governo dos EUA) interagiam em estreita colaboração com outros cientistas sociais (BARNES, 2011, p. 151-152).
OSS engajou-se na guerra pela aplicação sistemática da ciência social. Não foi o primeiro corpo institucional a fazê-lo, mas até a época era o mais abrangente e organizada. Argumentei que o trabalho de Bruno Latour fornece a base para a compreensão das operações do OSS, bem como o papel dos geógrafos nele. Latour está interessado na mecânica de aquisição e divulgação do conhecimento científico, “ciência em ação”. Embora o contexto seja diferente, OSS visou fundamentalmente a aquisição e divulgação de conhecimento, a inteligência militar em ação. Diante dessa equivalência, o vocabulário e o quadro explicativo de Latour e são bem adequados. Eles fornecem uma compreensão das funções maiores, aparelhos e práticas do OSS, bem como o papel e os problemas que enfrentam grupos específicos de cientistas sociais que lá trabalharam, tal como os geógrafos. (BARNES, 2006, p. 162).

Posteriormente, Richard transferiu para a Universidade de Wisconsin onde lecionou até aposentar-se em 1970 e dela se tornar professor emérito, tendo sido presidente da Associação Americana de Geógrafos no ano de 1949, da qual recebeu a honraria máxima em 1960. Tornou-se doutor honoris causa pela Clark University em 1971, além de ter recebido a Victoria Medal por parte da Royal Geographical Society (1984), a qual já havia sido concedida a Carl Troll, Carl Sauer, Jean Gottman, entre outros.
Em 1959, ao publicar a obra Perspective on the Nature of Geography, também pelo Annals of the Association of American Geographers, Hartshorne realiza uma nova discussão em relação à temática abordada no trabalho de 1939, o que faz com que o seu pensamento passe a ter ainda mais influência sobre a Geografia norte-americana, quanto fora dela. Neste livro o autor executa uma clara exposição das ideias advindas de Kant e Hettner, pensadores estes que possuem grande influência sobre a produção hartshorniana, além de buscar uma solução para os graves problemas por ele identificados em relação à teoria e método em Geografia.
Richard Hartshorne faleceu aos 92 anos (05 de novembro de 1992 – Madison, Wisconsin) tornando-se um “clássico” da ciência geográfica, tendo contribuído de maneira indispensável para o desenvolvimento da Geografia durante o século XX. Isso porque, esse autor aparece como uma espécie de consciência mundial dos caminhos espinhosos que a Geografia passou a percorrer a partir do período entre guerras (CLAVAL, 1981; MENDONZA, 2002; ANDRADE, 1987; e, MORAES, 2003).

O QUE É A GEOGRAFIA POLÍTICA?

Desde a sua institucionalização como um ramo independente da ciência, a Geografia se viu diante da difícil tarefa de compreender e atuar sobre a produção, organização e diferenciação do espaço. Isso representa uma missão bastante complexa, pois, dada a multiplicidade do mundo em que se vive e a diversidade de fatores que para isso concorrem, a diversidade temática que a disciplina tem se proposto discutir é necessariamente ampla. Nesse sentido, surge a moderna concepção de Geografia Política como terminologia e área de conhecimento consolidada nas ciências sociais, a qual data do final do século XIX, com a institucionalização da Geografia e o reconhecimento da Geografia Política como uma subdisciplina formal na Alemanha, a partir dos trabalhos de Friedrich Ratzel (1844-1904).
Entre os temas por ela privilegiados, tem sido recorrente o problema da relação entre a política e o território, componentes essenciais do processo histórico de formação das sociedades. Na realidade, como muitas questões e conflitos de interesses que surgem das relações sociais se materializam em disputas territoriais, as tensões e arranjos que daí surge definem não apenas uma abordagem, mas um campo importante da análise geográfica. Neste sentido, podemos indicar que é na relação entre a política — expressão e modo de controle dos conflitos sociais — e o território — base material e simbólica da sociedade — que se define o campo da geografia política. (CASTRO, 2005, p. 15-16).

O mapa não é a única forma de elos existente entre prática geográfica e prática do poder: a partir de Heródoto, que não relata uma história, mas que empreende um “inquérito” em função dos propósitos do imperialismo ateniense, os geógrafos são quase sempre, consciente ou inconscientemente, agentes de informações. Desde há séculos, eles dão muita atenção àquilo que mais interessa aos chefes de guerra e aos chefes de Estado: a topografia, considerada quer em função de preocupações de tática quer em função de considerações estratégicas (portanto, mapas em diferentes escalas), a repartição da população e a organização administrativa e política do espaço. O próprio termo região, constantemente utilizado no discurso geográfico, provém de regere (comandar, reger), ou seja, é a região militar; como província vem de vincere, vencer, são os territórios vencidos etc. Em muitos casos, os geógrafos não se limitam apenas a reunir informações, mas participam diretamente da elaboração de uma nova organização política do espaço. Consequentemente, hoje mais do que nunca, não se deve perder de vista esta função militar da Geografia, que é a sua desde o início, e é preciso que se esteja consciente de sua função política (LACOSTE, 1974, p. 245).
Nesse sentido, pode-se dizer que a Geografia Política representa um campo intrinsecamente dinâmico, cuja natureza e foco dos debates no interior da Geografia moderna mudaram substancialmente ao longo do tempo. Segundo Blacksell (2006), inevitavelmente, as diferentes fases de desenvolvimento desse campo de estudo não se enquadram perfeitamente em pacotes discretos, claramente separados no tempo, mas o Quadro 01 ilustra, em termos gerais, como a sequência de quatro fases se encaixa formando uma progressão lógica.

FASE 1
(1900-1930)

Geografia Política = Geografia Humana
Estados como organismos competindo, crescendo e morrendo
Terra e Poder em escala global
Mapa Político redesenhado após a Primeira Guerra Mundial
Geopolitik – Geopolítica Alemã

FASE 2
(1930-1960)

Geografia Política como a Geografia dos Estados-Nação
Estados como regiões
Infraestrutura física

FASE 3
(1960-1980)

Geografia Política como uma parte (menor) da Geografia Humana
Pessoas e Governança
Alcançar a justiça social
Direitos individuais vs. Responsabilidade Corporativa

FASE 4
(a partir de 1980)

Ressurgimento da Geografia Política
Teoria do Sistema Mundo
Globalização
Reinvenção da Geopolítica

Quadro 01: Principais Fases no Desenvolvimento da Geografia Política.
Fonte: Adaptado de BLACKSELL (2006, p. 04).

A produção de Richard Hartshorne inaugura a segunda fase no desenvolvimento da Geografia Política, pois executa uma mudança do foco acadêmico, há uma superação da aplicação simplista de leis e teorias desenvolvidas no âmbito das ciências naturais para fenômenos sociais e políticos. Gradualmente, os temas voltados ao Estado passaram a ser o centro das atenções. Diversos questionamentos emergiram: Quais eram as condições necessárias para a enorme variedade de estados, com todas as suas formas, tamanhos e geografias, para coexistir sem exercer projetos predatórios sobre outros territórios? Hartshorne (1939) resgata a Geografia Política para o debate mais amplo sobre o regionalismo, que se tornou o discurso dominante na Geografia, como um todo, no segundo terço do século XX, com seu foco em encontrar naturalmente, regiões autossustentáveis em todos os níveis da atividade humana, desde o internacional e nacional para o local.
De acordo com as ideias tecidas por Hartshorne (1960), a Geografia Política é parte integrante da Geografia, com foco na Terra, em contraste à Ciência Política, centrada nas instituições do governo. A Geografia Política tem muitas ramificações, assim como a Ciência Política, mas com foco de interesse diferente. Estudos geográficos da variação das características das áreas da Terra resultante de combinações e interligações de fenômenos de vários tipos, independentemente da origem natural ou humanos desses recursos, que variam, em parte, de forma independente e em parte, na covariância com outros.
Geografia Política, portanto, pode ser descrita como o estudo da variação dos fenômenos políticos de lugar para lugar em interconexão com as variações de outras características da Terra como a casa do homem. Incluído nestes fenômenos políticos estão recursos produzidos por forças políticas e as ideias políticas que geram as forças. Os dois estão, é claro, intimamente inter-relacionados. Seguindo a analogia com o elo da cadeia, atitudes políticas, vistas ou ideias podem levar, através da comunicação e controvérsia, a decisões. Estimular decisões, ou permitir, certos movimentos de homens, materiais e ideias dentro de uma área mais ou menos definida. O espaço torna-se, assim, um “campo de interação” de forças, para usar um termo da Física. Para o grau em que este domínio da interação que se estende ao longo de uma determinada área da Terra, esta área é definida como uma área política. Uma estrutura de controle das forças políticas, isto é, um governo estabelecido, na medida em que é estabelecida e efetivada, uma área política desorganizada é convertida em uma região política organizada – uma região no sentido original do termo. (HARTSHORNE, 1960, p. 52-53).

Para Hartshorne (1935), os geógrafos sempre reconheceram o aspecto político de seu domínio, nomeadamente a estrutura política das regiões que estudam. Como um ramo da Geografia definido em termos de “relações”, a Geografia Política é provida com um campo amplo o suficiente para estudo, mas que, inevitavelmente, penetra em campos vizinhos e parece que muitos não possuem qualquer centro adequado de interesse ou material sujeito a estudo. A filosofia principal da Geografia, representada pela corografia, como afirma Hettner, Passarge e outros, inclui um campo mais restrito e mais claramente orientado para o geógrafo político, isto é, o estudo dos domínios dos Estados, com suas características externas e internas, incluindo a descrição, interpretação e apreciação dos fatos presentes na área do Estado.
Geografia Política, como um ramo unitário distinto da Geografia, deve ser justificada nem em termos de aspectos políticos da Geografia, nem em termos de bases geográficas da política, uma vez que cada um deles constitui um conjunto separado de soluções parciais dos problemas envolvidos. O núcleo da Geografia Política é o estudo de um fenômeno característico na diferenciação total de áreas, ou seja, as seções de área organizadas como unidades políticas. Diferenciação de área é mais importante no que diz respeito a unidades de terra ao nível dos estados-área. (HARTSHORNE, 1950 b, p. 128).

A CLASSIFICAÇÃO DE FRONTEIRAS EMPREENDIDA POR HARTSHORNE

Desde a sua origem, o campo de estudo da Geografia Política sempre abordou a temática das fronteiras. Isso porque, sua discussão é imprescindível, dado que estas incorporam uma das mais reconhecidas relações entre o Estado e o território, bem como as relações interestatais. Tanto na fase áurea do Estado-nação territorialmente definido, independente e soberano, quanto atualmente, quando em algumas regiões as forças de integração tornam-se poderosas face às de separação, o estudo sobre o significado das frontiers e boundaries coloca-se como um dos mais importantes para a Geografia Política.
Os termos frontiers (fronteiras) e boundaries (limites) têm sido amplamente utilizados, muitas vezes alternadamente, por geógrafos e outros cientistas para descrever as divisões política, especialmente a nível nacional (PRESCOTT, 1967). Perante este cenário, é difícil estabelecer uma distinção clara entre os termos.
No período da expansão imperial europeia, durante os séculos XIX e XX, fronteiras era parte comum da linguagem política, representando tanto a divisão política entre dois estados, ou o limite do assentamento permanente. Atualmente, a noção de fronteiras, neste último sentido, acabou desaparecendo sob a onda global de povoamento e desenvolvimento econômico, sendo substituída pelo termo limites, que são mais inequivocamente linhas de demarcação. Embora, ambos os termos sejam usados ​​ainda em geografia, a palavra “limite” é, claramente, termo genérico aceite para descrever as divisões políticas. (BLACKSELL, 2006, p. 144).

Nesse sentido, pode-se dizer que no período moderno as fronteiras aparecem como as “molduras dos Estados-nações”, de modo que tanto o seu estabelecimento, como eventuais modificações, são manifestações de transformações que estão se processando no interior das sociedades, sem se esquecer, é claro, das relações de vizinhança. Essas últimas, por sua vez, são também bastante elásticas e mutáveis, podendo variar desde uma situação de amizade crescente que tende para a integração, até a indiferença que aos poucos vai se transformando uma viva hostilidade. Por fim, como o poder de cada Estado nacional varia bastante, pode-se dizer que existe uma vizinhança próxima e outra distante, estabelecendo-se na intermediação entre uma e outra as alianças regionais. E claro que todas essas considerações só podem se concretizar no exame das condições socioeconômicas e políticas que envolvem cada momento histórico determinado. Como se trata de um número muito grande de casos individuais e de situações históricas bastante díspares tem-se que toda tentativa de sistematização, de classificação, implica distorções mais ou menos aceitáveis, mais ou menos graves, segundo os vários pontos de vista.
A identificação entre “limite” e “fronteira internacional” decorre provavelmente da mobilidade e imprecisão cartográfica que na maior parte do tempo acompanhou o desenvolvimento das sociedades. Mas os Estados modernos necessitam de limites precisos onde possam exercer sua soberania, não sendo suficientes as mais ou menos largas faixas de fronteira. Assim, hoje o “limite” é reconhecido como linha, e não pode, portanto ser habitada, ao contrário da “fronteira” que, ocupando uma faixa constitui uma zona, muitas vezes bastante povoada onde os habitantes de Estados vizinhos podem desenvolver intenso intercâmbio, em particular sob a forma de contrabando. Dai que para os Estados não é admissível uma “zona neutra”, de limites imprecisos, recomendando-se, inclusive, que não sejam transitórios, mas os mais permanentes possíveis, o que contribui para evitar transtornos à população fronteiriça.
[…]
O limite de um Estado, então, aparece como uma linha puramente imaginária, marcada na superfície terrestre por objetos naturais ou artificiais. Pode-se, portanto, tentar acrescentar outro elemento, ao mesmo tempo distinto tanto do limite quanto da fronteira: trata-se da divisa, isto é, o aspecto visível do limite. Assim, o marco, a baliza, aparecerão como pontos fixos, erguidos pelo homem, os quais, alinhavados, expressam o limite de jurisdição dos Estados. (MARTIN, 1994 a, p. 47-48).

Conforme as reflexões de Moodie (1965), o estudo das fronteiras e limites é tido como importante ramo da Geografia Política, em sentido geral, estes termos são sinônimos; “fronteira internacional” significa, muitas vezes, na linguagem dos políticos, historiadores e outros, “limite internacional”. A explicação dessa intercambialidade de terminologia talvez esteja no fato de que comparativamente até bem pouco tempo os limites dos Estados, eram mal definidos, principalmente, em virtude da falta de conhecimento pormenorizado do terreno e da ausência de sua exata representação cartográfica. Mas em virtude do adiantamento dos métodos de investigação e cartografia e com a evolução do Estado em sua forma presente, a grande maioria dos limites acha-se, atualmente, não somente claramente definida como também precisamente demarcada no solo.
A própria natureza do Estado moderno necessita do estabelecimento de limites bem definidos para sua área de soberania e organização. Para todas as suas múltiplas atividades de administração, de tributação, defesa, comércio etc., seu território precisa ser claramente limitado, não por áreas fronteiriças, mas por linhas inconfundíveis. Essas linhas são os limites interestatais. Sem elas, o presente sistema de Estados ficaria reduzido ao caos, pois seria impossível saber-se onde terminaria a soberania de um Estado e onde começaria a do outro.
É aconselhável e conveniente, portanto, restringir-se ao uso dessas duas expressões para evitar confusão de pensamento e de interpretação. As fronteiras relacionam-se com as áreas, enquanto os limites são lineares pela sua natureza. Aquelas podem ser, corretamente, denominadas “naturais” porque fazem parte da superfície da Terra: em muitos casos, assumem a categoria de regiões geográficas na medida em que possuam a característica de individualidade baseada nas respectivas funções corno zonas transitórias. Estes são artificiais desde que são selecionados, definidos e demarcados pelo homem, aqui, em conformidade com as características físicas do terreno, ali, em completo descaso por esses fatores geográficos. (MOODIE, 1965, p. 84).

Determinado em firmar a Geografia Política como disciplina científica, dando-lhe um caráter sistemático, Hartshome em uma gama de artigos (1933, 1935, 1936, 1941, 1950 a, 1950 b, 1960), publicados antes, durante e pós-Segunda Guerra Mundial, trará para o debate acadêmico as suas contribuições de caráter teórico-metodológico, que já haviam sido expostas no célebre trabalho The Nature of Geography (1939).
Ao discutir o problema das fronteiras em uma região europeia tão complexa como a Alta Silésia, por exemplo, Hartshorne (1933) chama a atenção para o fato de que, apesar de muitos geógrafos discutirem academicamente o tema das fronteiras, “poucos têm tentado apresentar um estudo teórico sistemático do problema como um todo”. Isso possibilitou a multiplicação de equívocos, como o uso corrente do conceito de “fronteiras naturais”. Fronteiras internacionais fixadas ou em discussão em regiões bastante povoadas, às vezes com etnias e histórias distintas, como é o caso da Alta Silésia, segundo o autor, devem ser concebidas mediante a análise acurada das características peculiares dessas populações fronteiriças.
Hartshorne (1933) é capaz de propor um método próprio para a solução teórica do problema das fronteiras, baseado na definição e estudo das “associações de todo tipo das diferentes partes da border área com cada um dos bordering states”.
Mediante esse método, [Hartshorne] recomenda, os geógrafos observariam tais associações nos traços da paisagem, que podem ser de tipos “similar, dissimilar e de interesses mútuos”. Fronteiras rígidas e artificialmente traçadas numa área homogênea em termos de ocupação humana e atividades econômicas, gerando “áreas similares” em ambos os lados, provocam grandes perturbações, diz ele, citando como exemplo o corte ao meio de um mesmo distrito industrial, ou de uma região agrícola que ficou apartada de seu costumeiro mercado, Quanto às populações de origens diversas (alemães, polacos, tchecos e eslavos), o problema é de outra natureza, afirma. Critérios de língua ou raça, observa, nem sempre são fundamentais, pois a tendência, no primeiro, caso, é a da definição de uma língua consensualmente aceita por todos. No segundo caso, enfatiza o autor, a raça é menos importante ainda. (COSTA, 2008, p. 151).

Modernamente, Hartshorne (1933) inovou — em seu estudo sobre o “Corredor Polonês” e a “Alta Silésia” — quando relacionou o drama das nacionalidades às arbitrariedades e artificialismos dos tratados do pós-Primeira Guerra Mundial. O autor se indaga, como nessa região, em que poloneses e germânicos conviveram, até a Primeira Guerra Mundial, durante séculos, definir claramente o critério de nacionalidade para traçar as novas fronteiras? Para o geógrafo norte-americano, a longa convivência definira poloneses e alemães distantes de sua cultura original, até mesmo com costumes e dialetos próprios. Por isso os plebiscitos, mesmo que realizados em condições nem sempre adequadas, são um elemento definidor importante. Apesar disso, observa, por mais detalhados que sejam os novos traçados, eles sempre serão arbitrários, dadas a “diferenciação” interna das áreas e as múltiplas “associações” entre as diferentes “células” na paisagem. Em regiões como essa, conclui, “dificilmente poderá haver coincidência entre fronteira política e fronteira nacional” (p. 98).
Alta Silésia, para resumir, é uma área de fronteira em que os vários limites geográficos e humanos significativos para os Estados, em vez de convergirem, divergem sobre uma larga zona marginal, que inclui no seu interior um grande distrito industrial de densa população. Os limites políticos, representando compromissos diplomáticos, aumentam a confusão, geograficamente, por negligenciarem na maior parte qualquer limite geográfico, desenvolvendo assim um novo, particularmente, cortado pelo mesmo tipo de paisagem cultural menos adequado para a localização de fronteira. (HARTSHORNE, 1933, p. 223-224).

Segundo Costa (2008), Hartshorne também examina o papel das fronteiras como elementos de fragmentação de “associações a nível local”. Por mais arbitrários e rígidos que sejam esses limites, os grupos fronteiriços, independentemente de suas nacionalidades, tendem a manter vivos os laços que possuíam com os lugares e a cultura de origem, definindo interações de todo tipo com ambos os lados artificialmente separados. Com isso, observa, áreas urbanas e industriais contínuas, cortadas por linhas divisórias, apresentam um movimento constante de trabalhadores e famílias em geral, que se tornam “estrangeiros” durante a jornada de trabalho do outro lado, sendo constrangidos diariamente às fiscalizações, revistas etc. Além disso, crianças são educadas em duas línguas e famílias são separadas, mas para ele, apesar disso, a força das interações será sempre maior que as fronteiras, salvo quando estas, pela radicalização das tensões, transformem-se definitivamente em barreiras.
Ao analisar a constituição da fronteira franco-alemã de 1871, Hartshorne (1950 a) empreende um trabalho onde a evolução da fronteira é enfocada a partir de abordagem histórica, o que segundo Prescott (1967), não foi implementado posteriormente por outros autores ao analisar essa temática. Para Hatshorne (1950 a), três fatores apresentam importância relativa — nacionalidade, estratégia e distribuição de recursos de minério de ferro — no processo de determinação da posição final do limite franco-alemão de 1871. É claramente demonstrado que os diferentes factores foram primordiais para determinar as diferentes partes da linha, e que a distribuição das reservas de ferro desempenhou um papel menor. Embora Hartshorne estivesse preocupado com um conjunto de negociações de fronteira que ocuparam apenas um curto período, o autor satisfez-se que esta técnica poderia ser usada para mostrar como os fatores que influenciaram a evolução das fronteiras coloniais anglo-francesas na África mudaram ao longo de um grande período, envolvendo diversos conjuntos de negociações.
Em suma, na determinação da localização da fronteira franco-alemã de 1871, a preocupação pelo ferro de Lorraine teve importância igual à preocupação dos cemitérios militares. A Alemanha garantiu uma grande parte da área do ferro, principalmente por causa das considerações estratégicas que ditaram a inclusão da cuesta com vista para Moselle, que continha uma parte considerável dos recursos de ferro; teve apenas essa parte e não todo o campo, porque a área restante foi puramente em caráter da França. (HARTSHORNE, 1950 a, p. 250).

Por fim, cabe destacar que Hartshorne (1936) através do estabelecimento de uma terminologia própria para os limites políticos acabou realizando uma “classificação genética das fronteiras”, onde propôs uma subdivisão em quatro tipos, a saber: a) fronteiras antecedentes (quando antecederam o povoamento, ou melhor, ligam-se a projetos exteriores aos povos autóctones); b) fronteiras subsequentes (posteriores ou consequências de um desenvolvimento econômico prévio); c) fronteiras superímpostas (quando cortam áreas em que há unidade cultural); e, d) fronteiras consequentes (estabelecidas em regiões escassamente povoadas, ou até desabitadas, ou ainda onde barreiras físicas provoquem um “efeito de barreira” às comunicações, mantendo as populações isoladas).

A PROPOSIÇÃO HARTSHORNIANA PARA ANÁLISE DO ESTADO

O Estado pode ser considerado uma criação recente, termo esse que só ganha sentido e conteúdo durante o Renascimento. A Europa pós-medieval inventou o Estado, sob a forma das monarquias absolutas. Esse novo poder político emergiu baseado em fronteiras geográficas definidas e capitais permanentes, materializadas em cidades, as quais se tornaram sede dos órgãos do Estado. Com as monarquias absolutas, aparecia o Estado territorial. Assim, o surgimento desse tipo de Estado possibilitou a criação das teorias políticas sobre o Estado.
O Estado nacional surgiu da decadência do absolutismo e de sua substituição pelo liberalismo. Essa forma contemporânea do Estado gerou a soberania nacional, expressa na eleição de governantes e na limitação do poder executivo por representantes também eleitos. A soberania deslizou do monarca para a nação. O poder despersonificou-se, identificando-se com o povo. O poder divino deu lugar ao consenso popular. O liberalismo surgiu como doutrina política do Estado-Nação. (MAGNOLI, 2004, p.19).

O mapa político do mundo revela um padrão distributivo de Estados de várias espécies que têm pouca ou nenhuma semelhança com as “regiões naturais” do geógrafo. Um traço característico de todos esses Estados é que, superficialmente, pouco possuem em comum, embora cada um represente os esforços organizados dos seus habitantes para adaptar suas atividades, políticas e outras, às suas condições ambientes, com o resultado de que o leitor de mapas se defronta com um mosaico um tanto confuso. Além disso, a taxa e incidência de modificação variam, no tempo e no espaço. Os Estados têm a qualidade de mutabilidade em grau acentuado.
Conforme as reflexões tecidas por Moodie (1965), o campo do estudo da Geografia Política interessa-se por duas considerações básicas. Em primeiro lugar, e de importância fundamental, é a análise das relações entre a comunidade e o ambiente físico. Como todos os Estados, pela sua natureza como elementos constitutivos da estrutura política mundial, se acham mais ou menos intimamente ligados a outros Estados, essas relações enquadram-se em dois grupos ou aspectos, cuja integração frequentemente põe à prova a capacidade dos responsáveis pela formulação de política.
Toda a superfície da Terra, com sua grande riqueza de ambientes geográficos, é agora partilhada por grande número de Estados, que não obedecem a qualquer tipo claramente definido, mas cada um deles possui três elementos essenciais: território, povo e organizações, que podem ser analisados, descritos e cartografados com exatidão considerável. Mas onde quer que vivam pessoas num território e qualquer que seja o sistema político que possam adotar, suas atividades representam, pelo menos em parte, urna reação às suas condições ambientes que, por sua vez, fixam limites e afetam aquelas atividades humanas que ocorrem dentro do arcabouço territorial. (MOODIE, 1965, p. 10).

Nesse sentido, todo Estado moderno, portanto, representa um amálgama de três elementos — território, povo e as relações entre eles. Os dois primeiros são de grande variedade, mas terceiro elemento é de infinita complexidade, não sendo capaz, em parte alguma, de ser reduzido a fórmulas matemáticas, mas possui em toda parte uma qualidade dinâmica e única, visto que essas relações estão sujeitas a incessantes mutações e desenvolvimentos. Nitidamente, o estudo de todos os aspectos desses três elementos está além do âmbito da Geografia Política.
A segunda consideração básica estabelecida por Moodie (1965) em relação à Geografia Política é a de que os Estados estão sujeitos à mutação. Essa suscetibilidade de mudar, de forma alguma, se acha restrita às condições internas do Estado, mas se estende às suas relações externas, e embora o conceito de mudança não seja descoberta recente, não pode haver dúvida de que o ritmo das atividades dos dias atuais acelerou-se de muito no tocante a eras pretéritas.
Esse fundo de “fermento e mudança” não pode ser desprezado pelo geógrafo político porque constitui parte do ambiente em que vivem as pessoas e, como tal, exercerá influência diretiva sobre as formas de Estados e sobre o caráter das relações interestatais. O conhecimento crescente necessariamente não coincide com a sabedoria crescente, mas o maior acesso ao conhecimento pode levar ao desenvolvimento de desejos e exigências que, acelerando a taxa de mudança, poderão modificar as formas e funções dos Estados a um grau além da nossa atual compreensão. (MOODIE, 1965, p. 14).

Todos os Estados, apesar da sua diversidade existente, são iguais sob um aspecto: fundamentam-se na necessidade de organização política de tipo ou de outro. Em consequência, o Estado representa os esforços do seu povo para organizar suas atividades, sendo que a expressão dessas tentativas no sentido da organização á vista na formulação e aplicação de regulamentos ou leis codificados sob alguma forma constitucional.
Segue-se, portanto, que o Estado não consiste apenas no território, nem no povo que nele vive, sendo uma organização muito mais complexa em que o território, o povo e suas inter-relações estão indissociavelmente fundidos para formar uma entidade que possui uma individualidade, um caráter, distinguindo-se de todos os outros Estados.
Durante a primeira metade do século XX, o funcionalismo — vertente teórica que procura explicar aspectos da sociedade em termos de funções realizadas por instituições e suas consequências para a sociedade como um todo — foi extremamente importante em uma série de disciplinas científicas. Segundo Taylor e Wusten (2004, p. 86), o mesmo se aplica a Geografia Política. Em 1950, Richard Hartshorne, figura-chave no desenvolvimento da ciência geográfica, elaborou uma influente agenda de pesquisa para o estudo do Estado sob o prisma da Geografia Política, a qual foi colocada, inteiramente, frente a termos funcionalistas.
O impacto do pensamento hartshorniano perante a Geografia Política data desde o período da Segunda Guerra Mundial, quando ao lado de teóricos como Whittlesey, Gottman, Sprout e Jones, Hartshorne foi capaz de atribuir um conteúdo mais sistemático e rigoroso a esse campo do conhecimento geográfico. Estes autores tiveram o mérito de alterar o curso da Geografia Política em direção a nações mais científicas e assim retirá-la dos caminhos do determinismo e das ambiguidades empreendidos pela Geopolitik alemã.
De acordo com a abordagem de Costa (2008, p.141):
A evolução da geografia política desde Ratzel, até meados da década de 1950, demonstra que o período entre as guerras mundiais e os primeiros anos pós-Segunda Guerra foi um dos mais interessantes do ponto de vista do debate teórico no interior desse campo de estudo. Isso porque os conflitos envolveram países que dispunham de tradição em pesquisa geográfica em geral e mesmo em geografia política — casos da Alemanha, França e Estados Unidos. Neles, o aumento da produção nessa área, especialmente durante a Segunda Guerra Mundial, resultou certamente das emulações causadas por esses conflitos. Na Alemanha, com o engajamento explícito de parte de seus geógrafos e da totalidade dos que atuavam em geografia política. Nos Estados Unidos, de menor tradição no setor, geógrafos proeminentes em vários campos dessa ciência envolveram-se com vigor em estudos dos mais variados tipos e qualidades, em sua grande maioria com o estímulo direto ou indireto do governo.

Pode-se dizer que, sobretudo após 1945, surgiram verdadeiramente a conceitualização e a metodologia em Geografia Política, cuja trajetória, até então, como disciplina acadêmica, havia sido essencialmente dominada por grandiosas visões de mundo. Este tipo de abordagem absorveu, durante um grande espaço de tempo, a atenção dos geógrafos, enquanto que as bases sistemáticas essenciais de ramo do saber geográfico permaneciam ignoradas.
Através de seus trabalhos, Hartshorne transparece a determinação de firmar a Geografia Política como disciplina científica, dando-lhe um caráter sistemático. Em inúmeros artigos, publicados antes, durante e pós-Segunda Guerra Mundial, o autor trará para o debate contribuições de caráter teórico-metodológico.
Sanguin (1977) demonstra a importância de Hartshorne a este movimento de renovação da Geografia Política, afirmando que
[…] a partir de ideias sobre os conceitos e métodos da geografia política esboçados em 1935, Hartshorne elabora em 1950 a abordagem funcional em geografia política, cujo tema central é o funcionalismo do Estado. Cada Estado tem diferenças e similitudes regionais; as diferenças tendem a fragmentar o Estado, enquanto que as semelhanças tendem a fortalecê-lo. Há, portanto, dentro de um Estado, uma contínua oposição entre as forças centrífugas e as forças centrípetas. Se o Estado pode sobreviver a esta oposição é porque ele possui uma razão de ser (“state idea”), um sentido nacional e um núcleo central (“core area”) suficientemente fortes para superar esta posição estrutural e manter sua coesão. Assim, a abordagem funcional permite avaliar a viabilidade do Estado (SANGUIN, 1977, p.10-11).

Nesse sentido, pode-se dizer que a abordagem funcional, concebida por Hartshorne, consiste, basicamente, em analisar o funcionamento de um espaço como área política, com sua combinação de agentes de fortalecimento e de enfraquecimento. Segundo Dahlman (2009, p. 95): “No lugar das metáforas orgânicas, Hartshorne adota ideias elaboradas a partir da física, tais como as forças centrípetas e centrífugas para descrever as forças que unem ou afastam Estados”.
Em uma abordagem funcional para a análise da Geografia Política do estado, a primeira metade deve se preocupar com os problemas internos do estado-área (união nacional, diferenças regionais). A segunda parte deve se preocupar com as relações externas do estado-área de outras porções do mundo, se aquelas são também organizadas como estados, controlada por estados de fora, ou desorganizada. Por conveniência, podemos agrupar essas relações como territorial, econômica, política e estratégica. (HARTSHORNE, 1950 b, p. 118-119).

A síntese do avanço teórico da Geografia Política será feita nos primeiros anos do período pós-guerra, mais precisamente entre os anos de 1950 e 1960, por Hartshorne, cujas ideias representam um ponto de inflexão na evolução teórica e metodológica dessa disciplina nos EUA, bem como em outros países. Suas contribuições abrem novas perspectivas de análise, como assinala Sanguin (1977), menos afetas à tensão entre os Estados e mais voltadas à compreensão de suas “relações de estabilidade” recíprocas e com os seus respectivos territórios. No caso de Hartshome (1950 b e 1960), o que o motivou a escrever esses ensaios foi justamente o que considerava preocupante para a geografia norte-americana, isto é, “o grande crescimento do interesse dos estudantes universitários pela Geografia Política, ao lado da geralmente péssima qualidade das publicações disponíveis”, segundo a sua avaliação.
É preciso abandonar de vez a abordagem morfológica do estado adotada pela escola alemã desde Ratzel, que reduziu o estado-área à sua dimensão, forma, localização, fronteiras, regiões naturais, culturais etc., o que redunda em uma visão puramente morfológica e estática dele. Em vez disso, é necessário conhecer antes de tudo o funcionamento do estado-área, que determina todos os seus demais níveis, até o da sua própria morfologia. (HARTSHORNE, 1950 b, p. 100).

De acordo com Costa (2008), para Hartshorne interessa, sobretudo, o estudo das áreas politicamente organizadas dos Estados soberanos, isto é, aquelas estruturadas internamente — províncias, departamentos, condados, cidades. A partir daí, seguindo o método dedutivo que ele identifica em Ritter e Humboldt, propõe a determinação de sucessivos “tópicos específicos” de cada Estado individualizado, que, “examinados sistematicamente para todos os Estados”, permitirão o estabelecimento de princípios gerais a posteriori. Trata-se de inverter o procedimento metodológico do passado, diz ele, em que a dedução a priori de princípios acarretou tantos equívocos. Partindo da ideia geográfico-política de Estado enquanto “Estado-área unitário”, Hartshorne concebe-o como organização política que necessariamente interage com as partes do território (as regiões e as unidades político-administrativas) mediante interações de toda ordem, nas quais a participação dos cidadãos e o seu nível de aceitação da instituição estatal são essenciais. É evidente, argumenta, que o Estado central tende a unificar o mais possível o “Estado-área”, levando as instituições intermediárias e locais a adotarem seus princípios, conceitos e leis como “princípios gerais”, havendo casos, como em situações de ameaça externa, em que essa tendência pode chegar a extremos. Haveria também barreiras internas (físicas, étnicas, culturais etc.) que poderiam favorecer movimentos centrífugos em algumas partes ou, em uma situação oposta, uma morfologia territorial que favoreça movimentos centrípetos e a integração. Nesse sentido, o todo — Estado-área — é um excelente campo de investigações para os geógrafos treinados no estudo das diferenciações inter-regionais.
Essa é a ideia básica de Hartshorne sobre a unidade estatal: o seu objeto de estudo, o “Estado-área”, é um fenômeno político-geográfico que se expressa nas interações entre as políticas centrais e a diversidade de suas partes constitutivas. A partir desse conceito-chave, trata-se, em sua visão, de investigar o modo pelo qual funciona esse conjunto, obtendo-se assim tipos de associações, diferenciações e, em última instância, tendências gerais. (COSTA, 2008, p. 158).

Consequentemente, pode-se concluir que o racional, cientificamente confiável e realista nessa abordagem de estudo dos Estados-área é começar com os fenômenos que estão mais preocupados — as funções do Estado-área — em determinar como esses são afetados pelo caráter da própria área, sua estrutura e conteúdo, e utilizar fatos históricos da gênese, na medida em que auxilia a compreensão das características estruturais, previamente determinadas como sendo significativas (HARTSHORNE, 1950 b, p.129).
Por fim, a Geografia Política que ressurge com vigor nos anos de 1950 é quase toda ela anglo-saxônica e praticamente restrita aos Estados Unidos. Liderados por Hartshorne, Bowman e Whittlesey, os norte-americanos fundaram sua própria “escola” nessa área, praticamente dominando o setor até o final dos anos de 1970. A influência hartshorniana é notória em praticamente todos os autores desse período, como se estivessem respondendo aos apelos do mais prestigiado dos geógrafos do país, para que se firmasse ali uma Geografia Política verdadeiramente científica e independente da política dos Estados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante das temáticas enfocadas durante o texto torna-se possível inferir que Richard Hartshorne ocupa um papel de destaque no hall de teóricos responsáveis por significativas transformações no campo de análise da Geografia Política. Isso porque, este foi capaz de realizar algo inédito até então, produzir estudos de cunho teórico-metodológicos nesse ramo da ciência geográfica.
Hartshorne é responsável por realizar uma recuperação científica da Geografia Política, superando o “obscuro passado” dessa área de forma inequívoca, incorporando somente o que de mais científico havia sido produzido até então. Além da contribuição no plano do método, há também outro grande mérito nos estudos hartshornianos, o de reconhecer a natureza social e política do Estado.
O Estado consiste em uma criação artificial até o ponto em que representa os esforços dos seus habitantes para desenvolver uma estrutura em cujo âmbito suas atividades, tanto internas como externas, podem ser organizadas e regulamentadas a fim de acarretar os máximos benefícios para a comunidade. É uma entidade política, nitidamente definida, mesmo se arbitrariamente, e coincidente com uma área de território.
Portanto, a unidade de área do geógrafo político é o Estado, que é mais ou menos artificial até o ponto em que é o produto dos esforços conscientes dos seus habitantes para criarem uma entidade política que possa ser inteiramente diversa da região geográfica. Para Moodie (1965, p. 15), “o geógrafo político preocupa-se com a observação, registro e análise das mudanças que já ocorreram bem como com as que se acham em curso no momento atual”.
Em relação às fronteiras, cabe destacar que estas representam um dos temas que, desde os primeiros estudos, sempre ocupou papel de destaque no campo da Geografia Política. Segundo Taylor (1985) apud Blacksell (2006, p. 144): “Fronteiras e limites são, provavelmente, o tema mais popular em Geografia Política”.
A diferenciação no significado das palavras “fronteira” e “limite” auxilia no esclarecimento de muitas das dificuldades ligadas à relação que surge da justaposição dos Estados. De acordo com Moodie (1965, p. 85), “sempre existiram as fronteiras e somente quando tentam definir as regiões é que os geógrafos entram no pleno conhecimento dos problemas decorrentes de sua existência”. Sempre possuíram extensão espacial, sempre ocuparam partes da superfície do globo, mas em virtude de sua natureza transitória vêm exigindo definições corretas.
Por conseguinte, através de uma proposta explicitamente teórico-metodológica, Richard Hartshorne realiza uma renovação considerável do pensamento político-geográfico que se desenvolvera até a sua época. Suas análises e teorias sobre as fronteiras e o Estado, bem como sua defesa do estabelecimento de um método, objetivam recuperar e introduzir parâmetros de investigação científica universalmente aceitos, o que poderia livrar a Geografia Política das muitas “armadilhas” do passado.
Para Hartshorne (1935), faz-se necessário uma separação entre a Geografia e a Política, para que dessa forma estabeleça-se uma ciência geográfica neutra e pragmática, sem contaminações político-ideológicas.
A função do aprendizado científico é estabelecer o conhecimento sobre bases sólidas em que o argumento desaparece, e a aceitação torna-se relativamente duradoura. Esse é um longo e duro caminho que podemos realizar com o tempo. Devemos começar pelos fundamentos; lançar as bases para uma sólida estrutura do conhecimento, com base no qual se pode esperar um dia chegar a aplicações valiosas na solução dos problemas reais. (HARTSHORNE, 1950 b, p. 104).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia, Ciência da Sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1987.

AZEVEDO, Aroldo de. A Geografia a Serviço da Política. Boletim Paulista de Geografia. São Paulo: AGB, n. 21, 1955. p. 42-68.

BARNES, Trevor J. From Region to Space. In: AGNEW, John; DUCAN, James. Human Geography. Oxford: Wiley-Blackwell, 2011. p. 146-160.

______. Geographical Intelligence: American geographers and research and analysis in the Office of Strategic Services 1941-1945. Journal of Historical Geography, v. 32, n. 1, 2006. p. 149-168.

BLACKSELL, Mark. Political Geography. London/New York: Routledge, 2006.

CASTRO, Iná Elias de. Geografia e Política: território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CLAVAL, Paul. Evolución de la Geografía Humana. 2. ed. Barcelona: Oikos-Tau, 1981.

COSTA, Wanderley Messias da. Geografia Política e Geopolítica: discursos sobre o território e o poder. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

DAHLMAN, Carl T. Geopolitics. In: GALLAHER, Carolyn [et. al]. Key Concepts in Political Geography. London: SAGE, 2009. p. 87-98.

FONT, Joan Nogue; RUFI, Joan Vicente. Geopolítica, Identidade e Globalização. São Paulo: Annablume, 2006.

GLASSNER, Martin Ira; FAHRER, Chuck. Political Geography. 3. ed. Nova Jersey: Wiley, 2004.

HARTSHORNE, Richard. Geographic and Political Boundaries in Upper Silesia. Annals of the Association of American Geographers, v. 23, n. 4, 1933. p. 195-228.

______. Political Geography in the Modern World. The Journal of Conflict Resolution, v. 4, n. 1, 1960. p. 52-66.

______. Propósitos e Natureza da Geografia. São Paulo: Hucitec / Editora da Universidade de São Paulo, 1978.

______. Recent Developments in Political Geography I e II. The American Political Science Review, v. 29, n. 5 e 6, 1935. p. 785-966.

______. Suggestions on the Terminology of Political Boundaries. Annals of the Association of American Geographers, v. 26, n. 1, 1936. p. 56-57.

______. The Franco-German Boundary of 1871. World Politics, v. 2, n. 2, 1950 a. p. 209-250.

______. The Functional Approach in Political Geography. Annals of the Association of American Geographers, v. 40, n. 2, 1950 b. p. 95-130.

______. The Politico-Geographic Pattern of the World. Annals of the American Academy of Political and Social Science, v. 218, 1941. p. 45-57.

______. The Nature of Geography: A Critical Survey of Current Thought in the Light of the Past. Annals of the Association of American Geographers, v. 29, n. 3 e 4, 1939. p. 173-658.

JAMES, Preston E. Continuidade e Mudança do Pensamento Geográfico Americano. In: COHEN, Saul B. [et. al]. Geografia Humana nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Fórum, 1970. p. 04-15.

LACOSTE, Yves. A Geografia. In: CHÂTELET, François (Org.). História da Filosofia: ideias, doutrinas. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. v. 7.

MAGNOLI, Demétrio. Relações Internacionais: teoria e história. São Paulo: Saraiva, 2004.

MARTIN, André Roberto. Fronteiras e Nações. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1994 a.

MARTIN, Geoffrey J. In Memoriam: Richard Hartshorne, 1899-1992. Annals of the Association of American Geographers, v. 84, n. 3, 1994 b. p. 480-492.

MENDOZA, Josefina Gómez; JIMÉNEZ, Julio Muñoz; CANTERO, Nicolás Ortega. El Pensamiento Geográfico: estúdio interpretativo y antologia de textos. 2. ed. Madrid: Alianza, 2002.

MOODIE, Arthur E. Geografia e Política. Rio de Janeiro: Zahar, 1965.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. 19. ed. São Paulo: Annablume, 2003.

PRESCOTT, John Robert Victor. The Geography of Frontiers and Boundaries. London: Hutchinson University Library, 1967.

SANGUIN, André-Louis. A Evolução e a Renovação da Geografia Política. Boletim Geográfico. Rio de Janeiro: IBGE, n. 252, 1977. p. 05-35.

TAYLOR, Peter J.; WUSTEN, Herman van der.  Political Geography: spaces between war and peace. In: BENKO, Georges; STROHMAYER, Ulf. Human Geography. London: Hodder, 2004. p. 83-104.

UNWIN, Tim. El Lugar de la Geografía. Madrid: Cátedra, 1995.1

1 Pesquisa subsidiada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

No hay ningún comentario para este artículo.

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

 


Editor:
Juan Carlos M. Coll (CV)
ISSN: 1988-7833
EUMEDNET

Inicio
Acerca de ...
Números anteriores
Anuncios y Convocatorias
Otras Revistas de EUMEDNET
Universidad de Málaga > Eumed.net > Revistas > CCCSS
Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático