Contribuciones a las Ciencias Sociales
Julio 2013

A DINÂMICA DA SOCIABILIDADE EM GEORG SIMMEL



Fábio Lopes Alves (CV)
fabiobidu@hotmail.com
Universidade Estadual do Oeste do Paraná

 

RESUMO: O presente texto tem o objetivo de compreender de que maneira o conceito de sociabilidade é estruturado no pensamento de Georg Simmel. Para tal, inicialmente, após uma breve introdução sobre a importância desse sociólogo para a constituição das Ciências Sociais, o artigo faz a distinção simmeliana entre forma e conteúdo no âmbito da interação. Em seguida, metaforicamente descrito como os dez mandamentos da sociabilidade, trata-se de esclarecer as diferenças entres os conceitos de interação e sociabilidade.

PALAVRAS CHAVE: Georg Simmel, Interação, Sociabilidade, Ciências  Sociais, Forma, Conteúdo.



Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:
Lopes Alves, F.: "A dinâmica da sociabilidade em Georg Simmel", en Contribuciones a las Ciencias Sociales, Julio 2013, www.eumed.net/rev/cccss/25/georg-simmel.html

Introdução
A epígrafe acima, por si só, dispensa quaisquer comentários que tenham o escopo de justificar a importância do autor escolhido para a presente discussão. Não obstante, se fizermos uma reflexão no sentido de identificar os pais fundadores da sociologia, tendo como critério prioridade e/ou importância, imediatamente vem a tríade Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim.   Estes são considerados os clássicos das Ciências Sociais. Com um pouco mais de critério na tentativa de encontrar os instituidores dessa nova disciplina podemos incluir Georg Simmel.  Esse sociólogo não criou nenhuma escola de pensamento nem mesmo deixou grandes herdeiros. Mas, nem por isso deixou de exerceu grandes influências no campo das Ciências Sociais.
Diante do exposto, é com o objetivo de compreender de que maneira esse autor elabora o conceito de sociabilidade que se apresenta esta discussão. Para tal, inicialmente o texto faz a distinção simmeliana entre forma e conteúdo no âmbito da interação. Em seguida, a partir da metáfora dos dez mandamentos da sociabilidade, trata-se de esclarecer as diferenças entres os conceitos de interação e sociabilidade.

A interação social entre forma e conteúdo

Em sua análise sociológica Georg Simmel compreende a sociedade como o significado da soma dos indivíduos em interação, onde ela é distinguida em duas diferenciações básicas: forma e conteúdo. Dessa postura intelectual decorre outra caracterização que é o fato de a interação se constituir a partir de dois objetivos centrais, a saber: determinados impulsos ou em busca de certas finalidades.
Instintos eróticos, interesses objetivos, impulsos religiosos, objetivos de defesa, ataque, jogo, conquista, ajuda, doutrinação e inúmeros outros fazem com que o ser humano entre, com os outros, em uma relação de convívio, de atuação com referência ao outro, com o outro e contra o outro, em um estado de correlação com os outros (SIMMEL, 2006, p.59-60).

Dessa maneira, os indivíduos que possuem os impulsos acima elencados, acabam por formar uma unidade. E é esta unidade que é entendida como sociedade para esse filósofo.
Ora, se a sociedade deve ser refletida a partir do binômio forma e conteúdo, pensemos na distinção entre ambos. Na definição do entendimento do conteúdo da sociação, Simmel alude que, o conteúdo da sociação, é tudo o que existe no indivíduo, tais como: impulsos, interesses finalidades, tendências entre outros. Isto é, conteúdo seria tudo aquilo que se encontra presente no indivíduo cujo objetivo consiste em causar ou mediatizar os efeitos sobre o outro, ou então, receber esses efeitos dos outros (SIMMEL, 2006, p. 60).
Ocorre que o conteúdo por si só, não faz nenhum sentido para sociação, isto é, a interação. Estes por sua vez, só passarão a fazer parte da dinâmica interacional quando deixarem de serem meros conteúdos individuais, isolado do indivíduo, e se transformarem em formas de estar com o outro, ou ser com o outro em determinada sociação, cujo entendimento é:
A sociação é, portanto, a forma (que se realiza de inúmeras maneiras distintas) na qual os indivíduos, em razão de seus interesses – sensoriais, ideais, momentâneos, duradouros ou teleologicamente determinados – se desenvolvem conjuntamente em direção a uma unidade no seio da qual esses interesses se realizam (SIMMEL, 2006, p. 60).

Em síntese, percebe-se que a interação se constitui na forma como os determinados impulsos, sentimentos e desejos, aqui entendido por conteúdo,  que estão no indivíduo, são realizados à medida que este, por sua vez, sai da individualidade em busca de certas finalidades cujo objetivo consiste em se sociar com o outro num universo de diversas possibilidades. 
Até aqui discutimos algumas noções centrais do processo de sociação. O ponto de chegada será o conceito de sociabilidade. No entanto, não se pode avançar para esse conceito sem antes ter esclarecido a função da autonomização dos conteúdos interacionais.
É levando em consideração nossas carências, condições, vontades e inteligência, que organizamos o material abstraído desse mundo. A forma que iremos dar a esse material está intrinsecamente relacionada ao nosso propósito, isto é, conteúdo. E é somente a partir da forma elaborada pelo indivíduo que esse material passará a ser utilizado. Em sendo assim, haverá uma relação de autonomia, onde os interesses que até então estavam aprisionados no interior do indivíduo, são liberados. À guisa de exemplificação dessa autonomização, Simmel ilustra com a seguinte passagem:
Por exemplo, todo o conhecimento parece ter um sentido na luta pela existência. Saber o verdadeiro comportamento das coisas tem uma utilidade inestimável para a preservação e o aprimoramento da vida. Mas o conhecimento não é mais usado a serviço dos propósitos práticos: a ciência tornou-se um valor em si mesma. Ela escolhe seus objetos por si mesma, modela-os com base em suas necessidades internas, e nada questiona para além de sua própria realização (SIMMEL, 2006, p. 61).

Nessa esteira, Simmel esclarece, ainda, que esse exemplo também se opera no jogo, à medida que os impulsos da vida, isto é, conteúdo, produz a forma de nosso comportamento desejável ao jogo. Tal situação acaba por conferir ao jogo tanto sua alegria quanto seu significado simbólico, tornando-o diferente da pura diversão (SIMMEL, 2006, p. 63). Percebe-se então que a formas possuem também um domínio autônomo em relação a sua criação. E é dessa autonomização entre a origem da forma e seu significado final, no qual mais adiante voltarei a discussão, que decorre a conceituação de sociabilidade. Por isso sua definição também deve ser analisada a partir do binômio forma e conteúdo.

Os dez mandamentos da sociabilidade

Seria possível, considerando os objetivos propostos por este texto, apenas conceituar, de forma direta, o entendimento de interação e sociabilidade para Georg Simmel, sem nenhum prejuízo ao leitor. No entanto, aproveitando a “empreitada”, há um objetivo, lateral às questões centrais dessa discussão, que consiste em desfazer uma ampla confusão que constantemente tem sido realizada, tanto no universo acadêmico, quanto fora dele, que é o de tomar os termos interação e sociabilidade como se um fosse sinônimo do outro. Ou senão, no máximo, como se fosse algo parecido, sem ter uma distinção nítida. Inicialmente, é essa tendência que o texto combate.  
Por isso, cuida-se, em seguida, de elaborar aquilo que denominamos como os dez mandamentos da interação. Assim, a cada mandamento, será distinguido o que se entende por interação e o que se entende por sociabilidade, de forma a tornar clara as diferenças entre um e outro, na tentativa de mostrar a distância que os separam.
Como vimos, a sociedade, nas lentes simmelianas, consiste na interação entre os indivíduos. As formas nas quais o estar com o outro, para o outro ou contra o outro, aqui entendida como interação, ganham vida própria podendo se enquadrar, ou não, na definição de sociabilidade. No entanto, é preciso esclarecer que o mero fato de estar com o outro, para o outro ou contra o outro, por si só, não consiste em sociabilidade. Para alcançar essa forma, mais elevada de interação, é preciso cumprir outros requisitos que, abaixo, serão vistos com mais afinco que, metaforicamente foi adjetivado como mandamentos.
1. De início, para haver sociabilidade, é preciso que haja a autonomização na interação entre quem está em sociação. Por autonomização entendemos o ato de se liberar de determinados laços das realidades da vida. Tal como um jogo se esvazia da vida à medida que passa a ser um mero entretenimento.
O que é autenticamente “social” nessa existência é aquele ser com, para e contra com os quais os conteúdos e interesses materiais experimentam uma forma ou um fomento por meio de impulsos ou finalidades. Essas formas adquirem então, puramente por si mesmas e por esse estímulo que delas irradia a partir dessa liberação, uma vida própria, um exercício livre de todos os conteúdos materiais, esse é justamente o fenômeno da sociabilidade (SIMMEL, 2006, p. 64. Grifos meus).

2. Sabe-se que interesses e necessidades individuais, conteúdos, fazem com que indivíduos se juntem. Isso por si só, se configura numa interação, ou seja, sociação. No entanto, para que tal vinculação se converta em sociabilidade é preciso que esses indivíduos além de estarem sociados por interesses específicos, se relacionem em função de um “sentimento  e por uma satisfação mútua de estarem socializados”. Numa relação em que a sociabilidade consista numa derivação da interação. Dito de outro modo, para que a relação seja de sociabilidade é preciso que ambas as pessoas que estejam envolvidas, sintam o prazer nessa sociação. Caso, somente alguns tenham esse sentimento em detrimento de outros, essa união não será nada mais que uma interação.
3. Outro ingrediente da sociabilidade consiste no ato dos indivíduos apreciarem o puro processo de sociação em si, sem nenhum outro objetivo que não seja o de estar sociado. “O “impulso de sociabilidade” extrai das realidades da vida social o puro processo de sociação como um valor apreciado, e através disso constitui a sociabilidade no sentido estrito da palavra” (SIMMEL, 1983, p. 169).
4. A sociabilidade, em oposição ao racionalismo que pode estar presente na interação, se desvencilha da realidade da vida social à medida que se poupa de determinados atritos e ocupa um papel simbólico na vida de alguns indivíduos.
A sociabilidade se poupa dos atritos por meio de uma relação meramente formal com ela. Todavia, quanto mais perfeita for como sociabilidade, mais ela adquire da realidade, também para os homens de nível inferior, um papel simbólico que preenche suas vidas e lhes fornece um significado que o racionalismo superficial busca somente nos conteúdos concretos (SIMMEL, 2006, p. 65). 

Decorre desse desvincilhamento da realidade, o entendimento da sociabilidade como a forma lúdica de sociação. No entanto, prefiro utilizar o termo “autônomo” como sinônimo de lúdico pela razão que passo a explicar. Na tradução para a língua portuguesa encontramos a seguinte passagem: “como categoria sociológica, designo assim a sociabilidade como a forma lúdica de sociação. Sua relação com a sociação concreta, determinada pelo conteúdo, é semelhante à relação do trabalho de arte com a realidade” (SIMMEL, 1983, p. 169).
 Já que o autor relaciona o conceito de sociabilidade à relação da arte com a realidade, é necessário, de igual modo, precisar o entendimento dessa associação. Ao fazer a analogia entre arte e jogo Simmel afirma que “tanto na arte como no jogo, as formas que se desenvolveram a partir da realidade da vida criaram seu domínio autônomo com relação a realidade” (SIMMEL, 2006, p. 63). Isto é, a cada vez que arte e jogo se autonomizam da vida, estes por sua vez se tornam entretenimento. Acresce-se ainda, ao fato de em várias traduções brasileiras, haver um subtítulo denominado como “A sociabilidade como a forma autônoma ou lúdica de sociação”. Ou seja, há na própria tradução a utilização de um sinônimo.  Em face ao exposto, e por entender que autônomo é mais abrangente que lúdico, ao remeter ao ato de desvencilhar é que compreendo “a sociabilidade como a forma autônoma de sociação”.
5. Aspectos da irrealidade. Uma das diferenças entre a interação e a sociabilidade é que somente nesta, qualquer problema por maior que seja “chega a uma solução” em que não é possível em nenhum outro lugar em função de sua autonomização ou desvencilhamento da realidade (SIMMEL, 2006, p. 65).
6. A sociabilidade não possui em si mesma, nenhuma finalidade objetiva, além do interesse em estar sociado. Ou seja, ela depende exclusivamente das personalidades entre os quais ela ocorre, em que não se deve buscar nada além da satisfação daquele instante. Onde o que interessa é apenas o sucesso do momento sociável. Como consequência, as condições e os resultados do processo de sociabilidade são exclusivamente das pessoas que se encontram em sociação, numa situação em que a sociabilidade permanece limitada aos seus participantes (SIMMEL, 2006, p. 66).  
 7. Na sociabilidade é preciso que o indivíduo exerça uma auto-regulação. Em sua relação com os outros se torna necessário que nenhum interesse egoísta assuma a função reguladora.
8. Decorre do mandamento acima, o fato de que na sociabilidade as significações individuais que tem seu foco fora do círculo sociado não entram no processo de sociabilidade. “Assim, esse caráter objetivo, que gira em torno da personalidade, precisa se separar de sua função como elemento da sociabilidade” (SIMMEL, 2006, p. 67). Por isso, aquilo que representa as características individuais da pessoa, tais como: caráter e humor, por exemplo, não pode possuir nenhuma função na dinâmica da sociabilidade, pois nesta ocorre uma verdadeira exclusão dos elementos pessoais do indivíduo. Simmel ilustra essa situação ao relatar que:
Assim, por exemplo, num encontro intimamente pessoal e afável com um ou vários homens, uma senhora não pode aparecer com uma roupa sumária que usa sem qualquer embaraço numa festa mais concorrida. A razão é que na festa ela não se sente envolvida como um indivíduo na mesma extensão em que se sente numa reunião mais íntima, e pode, por isso dar-se ao luxo de se abandonar à liberdade impessoal de uma máscara: embora sendo apenas ela mesma, não é, entretanto, totalmente ela mesma, mas somente um elemento de um grupo que se conserva formalmente (SIMMEL, 1983, p. 171).

9. O homem é em si mesmo um animal dinâmico. Ele se constrói alternadamente de acordo com sua motivação e relações cotidianas.  Essa é a situação que Simmel entende por elaboração construída Ad Hoc, em que o material da vida é determinado por uma ideia individual e moldado numa de forma particular. É dessas amarras que ele precisa se liberar para entrar em sociabilidade. Ele se livra de qualquer significado material da personalidade para entrar de maneira sociável apenas com as capacidades, os estímulos e interesses de sua humanidade pura (SIMMEL, 2006, p. 68).
10. No tocante ao comportamento da pessoa, a discrição, é outra condição necessária para existência da sociabilidade no tocante ao comportamento de uma pessoa em relação à outra. Sua violação provoca a adulteração da sociabilidade. “A discrição é imprescindível com relação a si mesmo, porque sua infração faria com que, em ambos os casos, a forma sociológica artificial da sociabilidade degenerasse em um naturalismo sociológico (SIMMEL, 2006, p. 68). É nesse ponto que reside o limite da sociabilidade 1. A transposição desse limite ocorre quando os indivíduos entram em interação originada por propósitos e interesses objetivos, em que o fator pessoal e subjetivo aparece sem qualquer restrição. Nas situações dessa natureza, o que ocorre é uma forma de interação, mas não de sociabilidade, em função do não cumprimento dos requisitos acima elencados para a existência da sociabilidade. À medida que os indivíduos se integram em função de determinados interesses e propósitos “em ambos os casos a sociabilidade deixa de ser o princípio formativo e central de suas sociações e se torna, no melhor dos casos, uma conexão formalista e superficialmente mediadora” (SIMMEL, 1983,p. 171).

BIBLIOGRAFIA

ALVES, Andrea Moraes.  Alguns temas e problemas da sociologia no Brasil: uma análise de conteúdo da Revista Sociologia (1939-1941). Dissertação de Mestrado em Sociologia, Iuperj. 1993.
COSTA, Simone Pereira da. Apontamentos para uma leitura de Georg Simmel. Diálogos: Revista do Programa de Pós Graduação em História. Maringá – PR. v. 3, n. 3. pp 291-307, 1999
SIMMEL, Georg. A sociabilidade (Exemplo de sociologia pura ou formal. In: ______. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Tradução de Pedro Caldas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
__________. Como as formas sociais se mantêm. IN: MORAES FILHO, Evaristo de (Org). Georg Simmel: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983 a. (Col. Grandes Cientistas Sociais, vol, 34).
__________. O dinheiro na cultura moderna. In: SOUZA, Jessé; ÖELZE, Berthold (orgs.). Simmel e a modernidade. Brasília: EdUnb, 1998.
__________. O indivíduo e a díade. In: CARDOSO, Fernando Henrique; IANNI, Octavio. Homem e sociedade: leituras básicas de sociologia geral. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975.
__________. O problema da sociologia. IN: MORAES FILHO, Evaristo de (Org). Georg Simmel: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983 b. (Col. Grandes Cientistas Sociais, vol, 34).
__________. Sociabilidade: um exemplo de sociologia pura ou formal. In: MORAES FILHO, Evaristo de (Org). Georg Simmel: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983. (Col. Grandes Cientistas Sociais, vol, 34)
VANDENBERGHE, Frédéric. As sociologias de Georg Simmel. Tradução de Marcos Roberto Flamínio Peres. Bauru, SP: Edusc; Belém: UdUfpa, 2005.
WAIZBORT, Leopoldo. As aventuras de Georg Simmel. São Paulo: Editora 34, 2000
__________. Simmel no Brasil. Dados: Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 50, no 1, 2007, pp. 11 – 48.

1 Dependendo da tradução utilizada será mencionado como “onda de sociabilidade” ou “limiares de sociabilidade”.

Nota Importante a Leer:

Los comentarios al artículo son responsabilidad exclusiva del remitente.

Si necesita algún tipo de información referente al artículo póngase en contacto con el email suministrado por el autor del artículo al principio del mismo.

Un comentario no es más que un simple medio para comunicar su opinión a futuros lectores.

El autor del artículo no está obligado a responder o leer comentarios referentes al artículo.

Al escribir un comentario, debe tener en cuenta que recibirá notificaciones cada vez que alguien escriba un nuevo comentario en este artículo.

Eumed.net se reserva el derecho de eliminar aquellos comentarios que tengan lenguaje inadecuado o agresivo.

Si usted considera que algún comentario de esta página es inadecuado o agresivo, por favor, pulse aquí.

Comentarios sobre este artículo:

Página: [1]
Por: Júlio Corrêa Fecha: 10 del 01 de 2017 - 12:45
achei muito interessante a discussão e o teórico abordado as colocações deste são muito boas. Quero saber como posso enviar artigos para serem publicados de meus alunos e meus também.obrigado

Si lo desea, puede completar este formulario y dejarnos su opinion sobre el artículo. No olvide introducir un email valido para activar su comentario.
(*) Ingresar el texto mostrado en la imagen



(*) Datos obligatorios

 


Editor:
Juan Carlos M. Coll (CV)
ISSN: 1988-7833
EUMEDNET

Inicio
Acerca de ...
Números anteriores
Anuncios y Convocatorias
Otras Revistas de EUMEDNET
Universidad de Málaga > Eumed.net > Revistas > CCCSS
Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático