PROCESSOS DE MUDANÇA, TURISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL: AS ALDEIAS DO XISTO DO CONCELHO DE GÓIS E O PAPEL DA LOUSITÂNEA

PROCESSOS DE MUDANÇA, TURISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL: AS ALDEIAS DO XISTO DO CONCELHO DE GÓIS E O PAPEL DA LOUSITÂNEA

Luiz Rodolfo Simões Alves (CV)
Universidade de Coimbra
luizalves90@hotmail.com
ISBN-13: 978-84-16036-90-5
Nº Registro: 2015000803

Os espaços rurais têm conhecido, ao longo das décadas, etapas diferenciadas para as quais foram definidas várias políticas, instrumentos e iniciativas por parte da União Europeia, com enfoques igualmente diferenciados. Desde a Nova Política Agrícola Comum, que têm sido delineadas e colocadas em prática uma série de propostas e iniciativas que atendem às diversas funções do meio rural, com o intuito de estimular e fomentar o espírito da multifuncionalidade dos territórios rurais. Pretende-se promover uma transição da versão “produtivista e economicista” para uma fase onde se salientam as óticas territorialistas, com uma forte consciência ambiental, relevando a importância da sociedade rural, mediante a valorização dos seus múltiplos recursos, numa visão sustentável, integradora e onde a instituição de redes se revela fundamental para o desenvolvimento dos territórios, promovendo as novas funções e utilizações (industriais, energéticas, residenciais, recreativas, turísticas, entre outras).

Deixando a exclusividade da função de produção alicerçada na visão agro-silvo-pastoril, que prevaleceu durante largas décadas, aos espaços rurais começa a ser atribuída uma representação estética, lúdica e edílica pelos novos protagonistas e intervenientes urbanos e institucionais, com uma visão e metas de conceção do território rural transversalmente antagónicas às que tradicionalmente eram dirigidas a esses espaços.

Na fruição deste contexto de mutação, os novos usos e produtos associados ao turismo e aos lazeres têm-se assumido como uma oportunidade para a revitalização destes territórios, dotando e diversificando a sua economia local, capacitando um aumento da qualidade de vida das populações, valorizando os seus recursos endógenos, num contexto simbiótico de sustentabilidade.

Face a todas estas metamorfoses do tecido, da estrutura, dos contextos territoriais e das novas formas de atuação e agentes envolvidos nos processos de desenvolvimento dos espaços rurais (e dos domínios de montanha), as dinâmicas que têm sido induzidas nestes meios fazem crescer, de forma significativa o interesse da investigação científica por estes territórios.

A Rede das Aldeias do Xisto (Centro de Portugal) assume-se como um exemplo relevante, e que importa investigar no âmbito da sua implementação e dos resultados obtidos com as intervenções públicas neste contexto. Dentro da Rede individualizamos de forma aprofundada as intervenções realizadas e as dinâmicas induzidas pelo Projeto das Aldeias do Xisto num contexto geográfico muito particular: as Aldeias do Xisto do concelho de Góis. Pretendemos, assim, analisar os processos de mudança, as dinâmicas induzidas, a implementação e execução das políticas públicas e, de forma diferenciada, a atuação da Lousitânea – Liga de Amigos da Serra da Lousã, uma Associação de Desenvolvimento Local, demonstrando os seus âmbitos e áreas de atuação, as suas valências e a sua preponderância na revitalização de quatro lugares serranos, em particular e, no geral, dos contextos territoriais da sua proximidade e influência (concelho de Góis, Serra da Lousã, Região Centro, Território das Aldeias do Xisto).

O quadro concetual desta investigação ambiciona explanar as principais tendências evolutivas dos espaços rurais, a forma como as políticas públicas têm tido impacto nestes territórios, e de como as entidades de âmbito local podem ser fundamentais nos processos de revitalização, a vários níveis (económico, social, demográfico, entre outros), dos espaços rurais e dos ambientes de montanha, servindo as análises concebidas para melhor compreender as dinâmicas territoriais destes lugares, tirando daqui conclusões e exemplos que possam servir de referências para outros programas e políticas de intervenção.

Índice

1. Introdução
2. Espaços rurais: da evolução dos conceitos aos processos de mudança
2.1. Do rural à baixa densidade
2.2. Novas funcionalidades: economia e sociedade rural
3. Desenvolvimento Rural: da afirmação de uma preocupação política ao papel crescente do lazer e turismo
3.1. Espaços rurais e desenvolvimento local
3.2. Políticas e programas de desenvolvimento para o espaço rural
3.2.1. O desenvolvimento rural pós-2013
3.3. Atores, redes de cooperação para o desenvolvimento e de gestão dos espaços rurais
3.4. Turismo, lazer e desenvolvimento dos espaços rurais
3.4.1. Uma abordagem ao conceito de turismo
3.4.1.1. Turismo e lazeres turísticos em espaço rural
3.4.2. Turismo e desenvolvimento dos espaços rurais: mito ou solução?
4. Do Programa à Rede das Aldeias do Xisto
4.1. Objetivos, pressupostos e estrutura do Programa das Aldeias do Xisto
4.2. A Rede das Aldeias do Xisto
4.3. Avaliação e impacto das Aldeias do Xisto
4.3.1. Fase AIBT-PI (2000-2006)
4.3.2. Fase PROVERE (2007-2013)
5. O concelho de Góis: geografia, património e turismo
5.1. Localização e contextualização
5.2. Demografia
5.2.1. Evolução e distribuição Demográfica
5.2.2. Natalidade e mortalidade
5.2.3. Migrações
5.2.4. Estrutura etária
5.3. Geoeconomia
5.3.1. População empregada por setor de atividade
5.3.2. Agricultura e floresta
5.3.3. Indústria
5.3.4. Comércio e serviços
5.4. Aspetos sociais
5.4.1. Emprego e desemprego
5.4.2. Envelhecimento
5.4.3. Qualificação dos recursos humanos
5.5. Património e turismo
6. As Aldeias do Xisto do concelho de Góis: do passado ao presente
6.1. Aigra Nova, Aigra Velha, Comareira e Pena – heranças e sinais de mudança
6.1.1. Arquitetura rural vernacular
6.1.2. Alterações dos modos de vida do quotidiano
6.2. A incidência das intervenções nas Aldeias do Xisto
6.2.1. Aigra Nova
6.2.2. Aigra Velha
6.2.3. Comareira
6.2.4. Pena
7. Lousitânea e a sua importância enquanto ator dinamizador das Aldeias do Xisto de Góis
7.1. Objetivos, estrutura orgânica e valências
7.2. Atividades promovidas – programa de animação e eventos
7.3. Ecomuseu Tradições do Xisto
7.4. Análise exploratória ao número de visitantes às Aldeias do Xisto do concelho de Góis e às infraestruturas geridas pela Lousitânea
8. Conclusão
Bibliografia