POTENCIAL DE USO EM RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

Yvens Ely Martins Cordeiro (CV)
yvenscordeiro@yahoo.com.br

Leer gratis este libro en páginas web

Bajarse este libro gratis en formato PDF

Comprar este libro

ISBN-13: 978-84-15547-80-8
Nº Registro: 201269723

Sinopsis

O afloramento dos problemas ambientais e a necessidade de recuperação de áreas degradadas têm aumentado o interesse sobre o conhecimento das espécies nativas da Amazônia. Sendo assim, em termos gerais o objetivo deste trabalho foi avaliar a ecofisiologia de plantas jovens de mogno brasileiro (Swietenia macrophylla), ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia) e jatobá (Hymenea courbaril) cultivadas sob dois períodos: “chuvoso” e “seco”, no município de Igarapé- Açú-Pa e em termos específicos, os objetivos foram avaliar possíveis alterações biofísicas, bioquímicas e crescimento de plantas jovens de mogno (Swietenia macrophylla), ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia) e jatobá (Hymenea courbaril) em pleno período chuvoso (15 e 16/03/2010) e em pleno período seco (15 e 16/10/2010) no município de Igarapé-Açú - PA. O decréscimo da condutância estomática (gs) das plantas de mogno brasileiro, jatobá e ipê-amarelo, respectivamente, ao longo do dia nos dois períodos pode ser devido ao aumento do déficit de pressão de vapor entre a folha e atmosfera, á diminuição do potencial hídrico do xilema foliar (Yw) ou à combinação de ambos os fatores, sem excluir o efeito da irradiância (RFA). A correlação entre gs e Yw foi positiva e altamente significativa para todas as espécies em estudo, porém relativamente baixa no período chuvoso e relativamente alta, no período seco. Uma relação similar, porém negativa, também foi observada entre a fotossíntese (A) e gs no período chuvoso em Swietenia macrophylla e Hymenea courbaril. Entretanto, no período seco, essa correlação foi positiva e altamente significativa, porém baixa, para Swietenia macrophylla e Tabebuia serratifolia. A baixa correlação entre gs x Yw  e A x gs no período chuvoso, confirma que tanto a fotossíntese como a condutância estomática são variáreis da planta que respondem simultaneamente a um conjunto de fatores que se integram de forma coordenada, mas altamente complexa. Desse modo, não é surpreendente encontrar uma baixa correlação entre A e gs em condições naturais de luminosidade e umidade do ar. As análises das concentrações foliares de carboidratos solúveis totais, sacarose, aminoácidos solúveis totais, prolina e glicina-betaína apresentaram incrementos médios de 113,81%, 44,63%, 20,67%, 40,47% e 63,26% (mogno), 81%, 39,32%, 16,71%, 24,41% e 51,77% (jatobá) e 148,14%, 56,36%, 22,66%, 49,63% e 86,91% (ipê-amarelo), do período seco em relação ao período chuvoso, respectivamente, apresentando diferenças estatísticas entre os períodos. As concentrações foliares de amido e proteínas solúveis totais, também apresentaram diferenças significativas entre os dois períodos, com reduções de 25,74% e 20,14% (mogno), 36,67% e 19,11% (jatobá) e 44,96% e 19,20% (ipê-amarelo), respectivamente, para o período seco em relação ao período chuvoso. O aumento nas concentrações de glicina-betaina, prolina, carboidratos solúveis totais, aminoácidos solúveis totais e sacarose observados no período seco mostraram que as plantas das espécies estudadas se ajustaram osmoticamente, pois todas essas substancias diminuem o potencial osmótico e, como conseqüência, o potencial hídrico celular, garantido o fluxo de água no interior da planta, provocando a manutenção da turgescência, garantindo a expansão celular e o crescimento. Além disso, foi observado que a altura e o diâmetro do ramo principal de plantas jovens de ipê – amarelo apresentaram nos dois períodos estudados (chuvoso e seco), incrementos significativamente superiores em relação às plantas de mogno e jatobá. Em se tratando de espécies perenes, esse fato é de grande importância, pois além da sobrevivência, a maior capacidade de adaptação dessas espécies favorece o crescimento e formação de biomassa na época seca.

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados

El conjunto de métodos aplicados al conocimiento de la ciencia, derivan de la Epistemología, que es una rama de la filosofía. La Epistemología es la aplicación de los principios de la Teoría del Conocimiento, en este caso, al conocimiento de la ciencia Económica. Al dar comienzo a esta obra, postulo que la ciencia económica y, con ella, su método, es la más teñida por los intereses ideológicos.
Libro gratis
Congresos

07 al 21 de junio
II Congreso EUMEDNET sobre

Desarrollo Económico, Social y Empresarial en Iberoamérica

11 al 25 de julio
XI Congreso EUMEDNET sobre

Turismo y Desarrollo

9 al 23 de octubre
VI Congreso Virtual Internacional sobre

Arte y Sociedad: Paradigmas digitales

1 al 15 de noviembre
II Congreso Virtual Internacional sobre

Desigualdad Social, Económica y Educativa en el Siglo XXI

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga