BRASIL E CORÉIA DO SUL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DA DINÂMICA DAS EXPORTAÇÕES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL, 1985-2002.

Heriberto Wagner Amanajás Pena

5.5.2 Matriz detalhada


            Em termos desagregados (4 dígitos) a estrutura exportadora da Coréia do Sul mantém uma tradição de política industrial concentrada nas seções (6;7 e 8) condizentes com os setores mais importantes do comércio internacional. Nesta seção, se confirmam algumas tendências e outras contrastam na comparação com a matriz consolidada, em parte isto ocorre em função da matriz detalhada selecionar os dez produtos mais importantes de cada setor.
            A matriz de competitividade detalhada ou desagregada da Coréia do Sul representa uma contribuição de 66,98% da receita de exportação, o que significa que US$ 56,283 (milhões) são provenientes do conjunto desses quarenta subgrupos. No ano base (1985) esses produtos já contribuíam com 45,15% da pauta ou o equivalente a US$ 9,339 (milhões) um crescimento real de 602 vezes no ano final, e na média 37,66% ao ano em todo o período analisado.
            No entanto, não houve um crescimento apenas real, mais também qualitativo das exportações pelo aumento da parcela de mercado em setores importantes do comércio internacional tanto em termos agregados quanto desagregados provenientes da seção (7). A política industrial sul-coreana agiu no sentido de aumentar a especialização daqueles setores que já se destacavam entre os dez mais importantes em 1985, a partir daí as mudanças na dinâmica das importações foi sendo incorporado pela pauta da Coréia do Sul, fato que se nota pelo aumento percentual do valor exportado desses setores.
            Em 2000 melhora a inserção competitiva da Coréia do Sul, principalmente pelas condições de demanda externa, houve uma grande concentração da pauta em setores com elevada demanda internacional aliado aos ganhos de mercado de suas exportações que representavam 8,04% em 1985 e 46,40% em 2000 (tabela-13).
            A especialização nos setores ótimos também se observa nos três períodos da matriz consolidada, na matriz detalhada o crescimento real foi 2.344 vezes maior entre 1985-2000, ou seja, a diferença em valor entre as exportações no período foi de US$ 37,324 (milhões). Entre os setores exportadores nove entre os dez mais importantes desse grupo foram da seção (7) e participaram com 45,66% do valor da pauta (tabela-13).
            A melhora de competitividade também é observada através da desespecialização nos setores em retrocesso, o que significa que diminuiu a dependência na pauta de produtos com demanda internacional decrescente, concomitantemente se reduz à vulnerabilidade das exportações sul-coreanas. Em 1985 (17,69%) do valor da pauta foram provenientes de subgrupos com demanda estagnada, percentual que se reduziu para 4,67% em 2000, alguns produtos como (0342)- peixe congelado e (0360)- crustáceos e moluscos em concha, não refletem as vantagens competitivas da pauta sul-coreana.
            Outros subgrupos deste setor como (8510)- calçado, (6351)- tecidos de matérias contínuos têxteis e sintéticos e (6783)- tubos de ferro e outros tubos, reduziram seu market-share de 12,64%; 12,35% e 9,21% na mesma ordem para uma participação internacional de 1,36%; 11,42% e 4,93% respectivamente. A redução de participação externa soma-se a uma queda percentual na demanda destes produtos que juntos contribuíam com 1,32% das exportações mundias e reduziu-se para 1,11% em 2000.
            Os produtos identificados nos setores ótimos da pauta sul-coreana participaram com 11,93% das importações mundiais naquele ano e em 2000 essa participação subiu para 18,67% o que significa que para cada US$ 100 acrescidos na demanda mundial este grupo de setores incorpora a mais US$ 6,73. Uma resposta significativa para um grupo de apenas dez produtos, nesse sentido o aumento da especialização e do valor exportado pela Coréia do Sul se deve exatamente a estas características, aliado a uma política industrial sintonizada a dinâmica mundial.
            Nos setores em retrocesso, o market-share mundial dos produtos que o compõem responderam por apenas 2,82% da demanda externa em 1985 e 2,43% em 2000. Identifica-se que a soma conjunta de market-share de produtos pertencentes aos quatro setores da matriz sul-coreana responderam por 24,53% da demanda mundial em 1985 e 32,99% em 2000, o que significa que quase um terço das importações mundiais são originadas pelo conjunto destes produtos.

 

           
Tabela-14 Matriz de competitividade da Coréia do Sul definida pela cota de mercado da porcentagem das exportações, ao nível de 4 dígitos do SITC. Os produtos mais importantes entre 1985 e 2000.


Contribuição setorial  nas exportações  totais da Coreia do Sul

1985

2000

SETORES ÓTIMOS                                           

8,04

46,40

7764 - microcircuitos eletrônicos 

3,19

14,19

7810 - carros de motor de passageiro (diferente de veículos de tipo de público-serviço),  

1,59

9,99

7599 - partes,  e acessórios para as máquinas de títulos 751 

0,51

5,40

7525 - unidades periféricas, inclusive controle que adapta unidade

0,28

5,24

7643 - televisão, rádio-radiodifundindo, radiotelegraphic e radiotelepho, 

0,30

4,66

7523 - complete unidades de processo centrais digitais; trapaceiro de processadores digital 

0,44

2,49

7524 - central digital (principal) unidades de armazenamento

0,00

1,78

7788 - outra maquinaria elétrica e equipamento, n.e.s. 

0,85

1,21

6251 - pneus, pneumático, novo, de um tipo normalmente usado em carros de motor 

0,62

0,74

7849 - outras partes e acessórios, n.e.s. do automóveis

0,25

0,71

OPORTUNIDADES PERDIDAS

14,17

7,24

8451 - camisas, puxar-overs, deslizar-overs, twinsets, cardigãs, cama-jaquetas, 

3,23

1,26

7649 - partes, n.e.s. de e acessórios para o aparato e equipamento  

1,55

1,25

9310 - transações especiais e artigos não classificados de acordo 

0,72

1,10

8459 - outros artigos de vestuário exteriores e acccessories de vestido (diferente de luvas)

1,65

0,61

7611 - receptores de televisão, colorida (inclusive receptores que incorporam rádio) 

1,45

0,59

8983 - gramofone (fonógrafo) registros e outro som ou registro semelhante 

0,93

0,57

7641 - linha elétrica aparato telefônico e telegráfico  

0,64

0,55

8439 - outros artigos de vestuário exteriores, mulheres, meninas e crianças, de fab têxtil, 

1,23

0,46

8441 - camisas, homens e meninos, de tecidos têxteis, diferente de tricor 

2,24

0,43

8939 - artigos diversos dos materiais que caem dentro de divisão 5 

0,53

0,42

SETORES EM DECLÍNIO

5,26

8,68

7638-  Outros registradorese reprodutores, n.e.s. e televisão  magnética 

1,56

1,69

3341- cabeçote de Motor (gasolina) e outros óleos de luz 

0,65

1,55

7932-  Navios, barcos e outros recipientes (diferente de navios de guerra) 

1,34

1,19

3342-  Querosene e outros óleos de médio 

0,47

1,05

6749-  Outras folhas e pratos, de ferro ou acera, trabalhou (por exemplo, polido). 

0,51

0,69

3343-  óleos de Gás 

0,03

0,68

7234-  Construção e maquinaria mineira 

0,02

0,58

7938-  Puxões, recipientes de purporse especiais e estruturas flutuantes 

0,16

0,48

9710-  Ouro, (excluindo minérios de ouro e concentra) 

0,05

0,42

6514-  Estame que contém 85% ou mais por peso de fibras sintéticas,

0,46

0,34

SETORES EM RETROCESSO

17,69

4,67

7758 - eletrodomésticos Electro-térmicos, 

1,46

0,95

6727 - ferro ou rolos de aço para re-rolante 

1,06

0,63

8510 - calçado 

8,22

0,59

6531 - tecidos, tecidos, de materiais 70 têxteis sintéticos contínuos / 

1,11

0,56

0342 - peixe, congelado (excluindo filetes) 

1,37

0,48

0360 - crustáceos e moluscolos, se em concha ou não, fresco, (o ao vivo)

1,34

0,33

6783 - outros tubos e tubos, de ferro (diferente de ferro de elenco)

1,44

0,33

6252 - pneus, pneumático, novo, de um tipo normalmente usado em ônibus e lorri 

0,48

0,31

6744 - folhas e pratos, rolou mas não mais adiante trabalhou, de uma espessura  

0,68

0,25

6931 - arame encalhado, cabos, cordage, cordas, faixas entrançadas, fundas e  

0,53

0,23

Fonte:    Elaboração própria a partir do tradeCAN, 2002.
A exportação de produtos com participações médias de quase 1% no comércio internacional discriminam uma dinâmica da matriz de competitividade, onde a inserção depende mais de políticas para aumentar ganhos de mercado á mudanças estruturais. Outra característica crucial da estrutura exportadora sul-coreana é a elevada concentração nas seções (6,7 e 8), entre os 40 produtos mais importantes apenas 7 não pertencem a estas seções, e entre estes, 2 produtos pertencem à seção (9)- commodities e transações não classificadas no SITC, portanto entre os produtos mais exportados pela Coréia estão aqueles mais intensivos em tecnologia.
De um modo geral, nos produtos mais importantes da pauta da Coréia do Sul em 2000 ou para o grupo de quarenta analisados na matriz detalhada, a participação de mercado das exportações em média apresentam market-share de 5,80% da demanda mundial, percentual bem acima da média de participação mundial que foi de (0,94%). Alguns produtos se destacam com contribuições de mais de 10% da demanda, mesmo apresentando perdas de mercado no final do período, é o caso de (6531) - tecidos de materiais 70, têxteis sintéticos e contínuos e (6931) - arame encalhado, cabos, cordas, faixas entrançadas, com market-share de 11,42% e 10,63% respectivamente.
            Nos setores ótimos os maiores ganhos de market-share foram derivado de produtos como: (7764)- microcircuitos eletrônicos; (7525)- unidade periférica, inclusive controle que adapta unidade; (7643)- televisão, rádio-radiodifundindo, radiotelegraphic e radiotelepho; (7523)- complete unidades de processo centrais digitais; trapaceiro de processadores digital  e (6251)- pneus, pneumático, novo tipo normalmente usado em carros de motor, com participações no mercado mundial respectivamente de 11,40%; 9,29%; 11,15%; 6,04% e 6,29%.  
            No período analisado diminuiu a participação de valor exportado na pauta de produtos em que a Coréia do Sul perdeu market-share e a situação externa era de posicionamento favorável. No entanto, a diminuição dos dez mais importantes desse setor foi significativa porque em 1985 suas participações eram de 14,17% e em 2000 caíram para 7,24%, se acrescentado que a queda em 6,93% pode ser entendida como uma exploração inadequada do comércio exterior no final do período devido ao aumento a expansão da demanda para o conjunto dos produtos.
            A perda de market-share ocorreu naqueles setores onde se concentra alta tecnologia pertencente às seções (6,7,8 e 9) aquelas mais importantes do comércio internacional, a perda de market-share também é acompanhada da diminuição de participação na pauta o que indica um desespecialização setorial que pode ser explicada pelo alto nível de concorrência externa desses produtos e a ação das multinacionais descentralizando a produção (linhas de montagem).
            Da pauta sul-coreana os dez produtos analisados responderam por 7,24% do valor exportado em 2000, na situação em que as importações mundias aumentaram e o país reduziu seu market-share. Uma característica importante desse setor foi que não houve concentração entre os três produtos mais importantes deste setor, no final do período as exportações somaram o equivalente a US$ 6,081 (milhões) e as três maiores contribuições foram: (8451)- camisas, puxar-overs, deslizar-overs, twinsets, cardigãs, cama-jaquetas com 17,45% do valor, seguido de (7649)- partes e acessórios para o aparato e equipamento que gerou 17,21% da receita e (9310)- transações especiais e artigos não classificados que contribuiu para 15,14% do valor exportado no setor.
            Nesse sentido, apesar da participação dos cinco principais produtos responderem por 66,44% do valor gerado em situação de oportunidades perdidas, o índice de Herfindahl-Hirschman foi abaixo de 1200 (IHH=968) indicando ausência de concentração do valor exportado nesse setor, estrutura de mercado que se repete aos setores em declínio e em retrocesso. A diversidade se nota nos setores ótimos que apresentaram exportações altamente concentradas segundo o índice de Herfindahl-Hirschman que foi de 1.890 e a taxa de concentração de mercado de 85,08% para os cinco produtos mais importantes do setor.
            A participação conjunta de todos os produtos discriminados em cada setor da matriz de competitividade equivale a 66,98% da pauta da Coréia do Sul, ou seja, 33,01% do valor exportado foram provenientes de outros setores que não estão entre os dez mais importantes de cada setor. Dos quarenta produtos exportados, cinco participam com 39,47% do total exportado todos incluídos nos setores ótimos, isto significa que existe uma dependência da receita sul-coreana, mas de produtos de situação favorável no comércio internacional.
            A participação na pauta de produtos que apresentaram demanda decrescente ao longo do período, mas a Coréia do Sul ganhou market-share acumularam um aumento de 3,42% do valor exportado, portanto em 2000 a contribuição dos setores em declínio equivaleu a 8,68% das exportações, ou seja, uma receita de US$ 7,294 (milhões) dos quais 51,07% foram oriundas de produtos como: (7638)- Outros registradores e reprodutores, e televisão magnética; (3341)- cabeçote de Motor (gasolina) e outros óleos de luz e (7932)- Navios, barcos e outros recipientes (diferente de navios de guerra) todos com participações no total exportado acima de 1%.
            As condições de demanda externa pioraram com os setores em declínio, o que significa que aumentou a especialização nesse setor e diminuiu a competitividade das exportações sul-coreanas pelo aumento da dependência de setores com demanda internacional estagnada. A vulnerabilidade das exportações também aumenta, mas ainda permanece abaixo dos 10%, o que significa que os ganhos de mercado se concentram em produtos dinâmicos.
            As exportações da Coréia do Sul aumentaram a especialização entre 1985 a 2000 nos produtos dinâmicos, ou seja, o notável crescimento verificado nos setores ótimos mas do que compensou a perda de competitividade em produtos com demanda internacional em expansão (figura-16). Na análise vertical da matriz de competitividade, a soma dos setores ótimos e oportunidades perdidas caracterizam uma inserção dinâmica no comércio internacional.
              De fato, em 1985 os produtos dinâmicos participavam com apenas 22,21% do valor exportado, contribuição que aumentou em 2,42 vezes em 2000 determinando que 53,64% da receita das exportações fossem originadas de produtos com demanda em expansão, sendo que 46,40% ou o equivalente a US$ 38,987 (milhões) foram originados de produtos em que o país ganhou market-share (figura-16).4

            A estrutura exportadora sul-coreana melhorou a qualidade da sua inserção externa através da desespecialização nos produtos estagnados, em 1985 essas commodities representavam  22,96% do valor das exportações e em 2000 apenas 13, 35% da receita foram oriundas desses produtos (figura-16). O direcionamento a setores chaves do comércio internacional, através da exportação de produtos dinâmicos foi à política industrial utilizada pelo governo da Coréia do Sul, uma intervenção que protegeu as indústrias nascentes ao mesmo tempo em incentivou a promoção de setores de alta tecnologia compatíveis com os padrões internacionais de produção.
            Os resultados da matriz de competitividade reforçam os caminhos de uma inserção externa competitiva das exportações da Coréia do Sul. No que diz respeito aos ganhos de mercado, apenas 13,30% do valor exportado haviam sido gerados por produtos que ofereceram ganhos de market-share em 1985, dentre os quais somente 8,04% de produtos dinâmicos e 5,26% de produtos estagnados.
            Em 2000, a composição setorial da matriz já havia mudado significativamente, no sentido de estar, mas sintonizada com os padrões do comércio internacional. As mudanças observadas apontam que 55,08% do valor exportado foram provenientes de produtos que aumentaram a parcela de mercado internacional aliado a um aumento de market-share do país, desse percentual 46,40% procederam dos produtos dinâmicos, ou seja, US$ 38,987 (milhões) e apenas US$ 7,293 (milhões) ou o equivalente a 8,68% da receita foram de produtos com demanda estagnada.
            Estes resultados atestam uma mudança significativa na qualidade das exportações sul-coreanas e asseguram a eficácia da política industrial quanto aos ganhos de competitividade internacional. A concentração da bolha nos setores de situação ótima revela que a dependência das exportações da Coréia do Sul é de setores intensivos em tecnologia (figura-16).
            Outra característica importante do elevado dinamismo das exportações sul-coreanas é o seu sincronismo com a demanda internacional. Entre os dez produtos mais importantes da pauta da Coréia do Sul e descritos nos setores ótimos da matriz de competitividade, 9 estão entre os vinte mais dinâmicos do comércio internacional, isto significa que estes produtos juntos movimentaram US$ 1,260 (bilhões) ou o equivalente a 30,48% do comércio internacional em 2000.
            A parcela de mercado na qual corresponde o conjunto dos 9 produtos da pauta sul-coreana, responderam por  3,09% de tudo o que foi movimentado em torno dos vinte produtos mais importantes do comércio internacional, o que significa que  US$ 38,986 (milhões) gerados pelas exportações sul-coreanas nesses produtos representam 46,40% da receita de suas exportações finais em 2000. 

Volver al índice

Enciclopedia Virtual
Tienda
Libros Recomendados


1647 - Investigaciones socioambientales, educativas y humanísticas para el medio rural
Por: Miguel Ángel Sámano Rentería y Ramón Rivera Espinosa. (Coordinadores)

Este libro es producto del trabajo desarrollado por un grupo interdisciplinario de investigadores integrantes del Instituto de Investigaciones Socioambientales, Educativas y Humanísticas para el Medio Rural (IISEHMER).
Libro gratis
Congresos

4 al 15 de diciembre
V Congreso Virtual Internacional sobre

Transformación e innovación en las organizaciones

11 al 22 de diciembre
I Congreso Virtual Internacional sobre

Economía Social y Desarrollo Local Sostenible

Enlaces Rápidos

Fundación Inca Garcilaso
Enciclopedia y Biblioteca virtual sobre economía
Universidad de Málaga