BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


A imagem do Homo Absurdus e Dostoyevski

Se na primeira parte de seu ensaio nossa autora exami-na e refuta a possibilidade de aplicação daquela imagem ao célebre e consagrado romance de Camus acima co-mentado, na segunda parte nos apresentará igualmente o exame e a contestação de que a imagem do Homo Absur-dus tal como tirada da obra de Franz Kafka seja contra-posta a Dostoyevski.

Com efeito, a análise da fantasia na ação dramática em Dostoyevski porta sobre o personagem do velho Ka-rámazovi (Fiodor Pávlovitch) e seu comportamento peran-te o monge “staretz Zósima”, descrito no Livro II da Parte I de “Los Hermanos Karámazovi” . Tal análise é ofe-recida como evidência da insustentabilidade de uma teo-ria do pretenso choque misterioso na imaginada “alma sensitiva” do leitor, preconizada pelos adeptos da chama-da estética do jovem romance americano, a que já aludi.

Põem-se em relevo os procedimentos de Dostoyevski para fazer sobressair os estados ou movimentos sutis dificilmente perceptíveis, fugidios, contraditórios, evanes-centes já notados sob o conceito sociológico de fantasia.

Por nossa autora classificados “primitivos” em face das técnicas literárias do século XX dado a utilização pouco refinada das gesticulações inverossímeis impostas aos personagens, tais procedimentos composicionais dosto-yevskianos são descritos nessa análise e comentados na seguinte ordem: 1º) – a apresentação do velho Karáma-zovi por ele mesmo ao entrar em cena perante o staretz Zósima; 2º) – suas falas trocadas com o staretz. Assim, das páginas 33 a 37 do seu ensaio crítico literário Natha-lie Sarraute reproduz as falas em que o velho Karámazovi se qualifica a ele próprio de “bufão” e como tal se reco-menda à apreciação dos inúmeros presentes naquela ce-na, dizendo ser bufão por um antigo hábito. Então, a esta fala, o personagem faz caretas, se contorce, se exibe em poses grotescas; prossegue contando “com uma feroz e ácida lucidez” como ele se encontrou em situações humi-lhantes empregando ao falar os diminutivos simples e a-gressivos.

Destaca nossa autora que Fiodor Karámazov mente frontalmente e quando pego é ligeiro em dar a volta por cima: “não se pode jamais pegá-lo desprevenido, ele se controla e, em face do flagrante reage dizendo não só que sabia estar mentindo, mas -pois ele tem adivinhações estranhas- dizendo haver pressentido que, tão logo co-meçou a falar aos presentes, ali dentre eles estava o pri-meiro que iria fazê-lo remarcar estar mentindo”.

Mas não é tudo. Parecendo saber que ao diminuir a si próprio diminuía também os outros com ele, que os dei-xava aviltados, ele escarnece confessando haver inven-tado todo o dito naquele instante para fazer mais picante. Sarraute sublinha que tendo o olhar voltado para ele mesmo, ele se perscruta e se espia, pois será para lison-jear aos presentes, para os conciliar, para os desarmar que ele se debate dessa maneira, E ele mesmo o diz: “é para ser mais amável que eu faço caretas , aliás, às ve-zes nem sei porque”. Sarraute compara-o a um “clown” que se despe fazendo piruetas a mostrar como é mordaz quando, ao dizer que um gênio ruim se fosse importante não poderia nele se hospedar, estende tal possibilidade aos presentes, para refutá-la por eles, e acrescenta: “vós sois um abrigo estragado”.

É então a vez do monge staretz Zósima manifestar-se na cena e o faz rogando com instância a Fiodor Karáma-zovi para não se inquietar nem se molestar, para que es-teja como em seu lar. Mas o staretz também é perscruta-dor e, examinando sem indignação nem desgosto “a ma-téria tulmutuosa que borbulha e transborda” (o velho Ka-rámazovi a sua frente), acrescenta: “não tenha vergonha de você mesmo, pois é daí que tudo provém”. Todavia, será em face da contestação de Fiodor Karámazovi gra-cejando com o convite para portar-se ao natural que o staretz chega a compreendê-lo bem e percebe ter sido para se conformar à idéia que eles se fazem dele, para engrandecer-se mais ainda sobre eles, que ele se contor-siona.

E Sarraute nos brinda com as seguintes frases sele-cionadas: “... porque me parece quando vou em direção das gentes... que todo o mundo me toma por bufão. Então eu me digo: façamos o bufão... pois todos, até o último, vós sois mais vis do que eu, eis porque eu sou um bu-fão... é por vergonha, eminente monge, por vergonha.”

Mas a fantasia não pára aí, pois, logo após esta fala ele se ajoelha e Sarraute nos oferece o comentário do próprio narrador dostoyevskiano: “mesmo então é difícil saber se ele brinca ou está emocionado”. O staretz em tom confidencial lhe diz que mentir a si mesmo é ofender-se até experimentar a satisfação, “um grande deleite”. Ora, Sarraute remarca que o velho Karámazovi se apro-veita para afirmar haver sido justamente pela estética que ele sentira-se ofendido em toda a sua vida até o deleite, ironizando ao staretz por haver esquecido de que ser o-fendido, às vezes, não é somente agradável, mas é belo. Então ele faz mais piruetas e se sai com uma nova tirada de arlequim: “vós credes que eu minto sempre assim e que faço o bufão? Saibam que é expresso para testá-los que representei essa comédia”. E Sarraute encerra sub-linhando a frase final que ele interroga ao staretz se havia lugar para a humildade dele junto do orgulho deles.

Neste ponto pode ver enfim, com Sarraute, que, apli-cada à leitura de Dostoyevski, a fantasia é um conceito sociológico essencial. Sem uma apreciação detida e cuida-dosa em que se recorre à experiência vivida ou à experi-ência refletida, à experiência própria ou à de outro, reco-nhecendo os pensamentos fugidios, os sentimentos sutis e dificilmente perceptíveis, contraditórios, bem como os esboços de apelos tímidos e de recuos, jamais um leitor poderia alcançar ao menos uma ínfima parte do que esta passagem da ação dramática em Dostoyevski revelou.

Não se deixa passar em silêncio, pois, o exagero em se pretender descrever do exterior o objeto literário, nem o equívoco em acreditar ao leitor uma suposta extraordiná-ria capacidade intuitiva, tida por positiva e válida, uma ilusão ou sensação de reviver nele a ação, ao mesmo tem-po em que, por tal suposição extraordinária, se priva o personagem de toda a capacidade interior, como foi visto na refutada teoria de um choque elevando a suposta alma sensível.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet