BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales

A UTOPIA NEGATIVA: LEITURAS DE SOCIOLOGIA DA LITERATURA

Jacob J. Lumier




Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (158 páginas, 763 kb) pulsando aquí

 


A Carência de Contato

A defesa do exemplo de Proust passa não só pelo resgate da arte de Dostoyevski em face da supervalorização do mo-delo do romance de Kafka – o homo absurdus –, mas tam-bém passa pelo esclarecimento das origens deste na obra daquele.

Mas não é só isso que encontra nesta análise. Serve a mesma para introduzir a interpretação que Sarraute nos oferece para a fórmula dostoyevskiana da composição da fantasia ligando autor-personagem-leitor na ação dramáti-ca. Nessa fórmula se apreende o fundo das impressões do sujeito humano de que nos falou Proust na arte do monólogo interior.

Aliás, Dostoyevski ele próprio dizia tirar a matéria de cada uma de suas obras de um eterno fundo, ainda que em conformidade aos seus próprios procedimentos, portanto não interpretado em sentido idêntico a Proust.

Para chegar a uma compreensão de tal lugar de reen-contro nossa autora desenvolve uma reflexão com André Gide tendo sob os olhos a constatação da recorrência “em mil situações diversas” dos movimentos da fantasia em todos os personagens dostoyevskianos, em maneira mais complicada, precisa e delicada, sobretudo em “O Eterno Marido”, de tal sorte que, no seu dizer, “tem-se a impressão por momentos de que se está em presença de uma verdadeira obsessão, de uma idéia fixa”.

Com efeito, para Gide todos os personagens de Dosto-yevski são talhados no mesmo estofo; o orgulho e a hu-mildade permanecem as molas secretas de seus atos, a-inda que as reações sejam matizadas.

Todavia nossa autora observa que o orgulho e a hu-mildade são repercussões e que a impulsão percorrendo “a imensa massa tumultuosa” deve ser formulada como “a carência contínua e quase maníaca de contato”, acolhendo nisso a sugestão de Katherine Mansfield (Ver Sarraute, op.cit. págs.42,43).

Quer dizer, nossa autora encontra nessa formulação o elemento de explicação da ação dramática em Dosto-yevski, na qual prevalece a imagem dos outros. Na trama dessa ação, tal carência contínua e quase maníaca de contato, em seu impossível e apaziguante aperto doloro-so, funciona atraindo todos os personagens como uma vertigem, incitando-os em todo o momento para que for-jem de qualquer maneira um caminho até os outros; para que os faça perder sua insuportável opacidade e, por sua vez, para que esses personagens consigam abrir-se e lhes revelar seus recônditos.

Assim a humildade deles não passa de um apelo tími-do, desviado, certa maneira de se mostrar próximo e a-cessível à compreensão de outrem. Seus sobressaltos de orgulho igualmente não passam de tentativas dolorosas diante da intolerável recusa e surgem como a finalidade da não-aceitação anteposta a seu apelo quando o cami-nho que sua humildade havia buscado se encontra barra-do e, caso aconteça então de se forjar outro caminho em marcha-ré pelo desprezo, o ódio, a dor infringida ou qual-quer ação de impacto, plena de audácia e de generosida-de, que surpreende e confunde isso será feito para che-gar a restabelecer o contato, para retomar possessão de outrem (ib.pág.44).

Por outras palavras, há na ação dramática em Dosto-yevski uma impossibilidade em colocar-se alguém soli-damente à distância e com indiferença, provindo daí a maleabilidade estranha pela qual os personagens se mo-delam sobre a imagem deles mesmos que os outros lhas devolvem.

Apoiando-se em André Gide, nossa autora põe em re-levo que eles não sabem ou não podem se tornar ciumen-tos. Pela ternura ou pelo desprezo seu apelo é sempre ouvido, tornando excluída a rivalidade que o ciúme ou a inveja supõe e eles querem evitar a todo o custo. Neste sentido, pode-se distinguir os personagens de Dosto-yevski em dois grupos. Há aqueles como Aliocha, o sta-retz Zósima ou o príncipi Miuchine para quem os cami-nhos que conduzem ao outro são vias de realeza, amplas e diretas; enquanto os personagens menos felizes encon-tram diante deles os caminhos tortuosos e não sabem andar senão por recuos, tropeçando em mil obstáculos, mas ambos os tipos vão ao mesmo objetivo. Sarraute a-centua que cada um sabe ser apenas um apanhado fortui-to de elementos oriundos do mesmo fundo comum, que todos os outros descobrem neles suas próprias possibili-dades, suas próprias veleidades.

Quer dizer, na ação dramática em Dostoyevski cada um avalia as ações dos outros como julga as suas pró-prias, isto é, de muito perto, de dentro. Aliás, essas ob-servações de Sarraute sobre a impossibilidade de alguém guardar suas distâncias na ação dramática em Dostoyevs-ki se revestem de um alcance especial na reflexão de nos-sa autora. Isto porque conduzem à sua apreciação sobre a pista de Kafka em Dostoyevski e ao esclarecimento sobre o Homo Absurdus.

Por outras palavras, ao mesmo tempo em que, por um lado, (a) – insiste na impossibilidade de se ter aquela vi-são panorâmica da conduta do outro, subentendida no rancor ou no anátema; (b) – acentua igualmente a curio-sidade inquieta com que cada um perscruta sem cessar a alma do outro; ou ainda (c) – as adivinhações surpreen-dentes decorrentes da impossibilidade de se tomar suas distâncias, os pressentimentos que em Dostoyevski não são privilégio apenas dos personagens cristãos ilumina-dos pelo apego divino, mas contempla inclusive a todos os personagens sequiosos e de olhar atravessado, “lar-vas que fuçam o bas-fond da alma e farejam com delícias a lama nauseante”; por outro lado, não sem antes assina-lar o paralelismo que há entre Dostoyevski e Proust, Sar-raute vem mostrando a única exceção que em Dostoyevs-ki leva à ruptura definitiva, tirando a linha que conduz a Kafka.

Desta forma, a análise da ruptura deve ser feita con-frontando o Eterno Marido e as Memórias do Subsolo. No caso de Veltchaninov que estando convencido do desgas-te de suas relações há longo tempo “ousa tomar a lacuna de longe e do alto”, retornando ao papel de homem do mundo satisfeito consigo que ele havia sido anteriormen-te, antes de começarem as relações, a separação não passa segundo Sarraute de “um verniz húmido que esta-la”, permitindo seja retomado o contato, bastando para isso um breve chamado à ordem, “uma mão que recusa estender-se e três palavras: então, e a Lisa”?

Por contra, nas “Memórias do Subsolo” se poderia notar um relato verdadeiramente desesperado, na extre-ma ponta da obra de Dostoyevski, nos confins, em que a ruptura se realiza. Sarraute nos lembra que esta ruptura se dá entre o homem do subsolo e Zverkovi, a quem o narrador dostoyevskiano se refere como “o da estúpida cabeça de carneiro” que, porém tinha maneiras elegantes plenas de polidez distante. Zverkovi este que, ainda no dizer do narrador dostoyevskiano, examina o personagem do subsolo “em silêncio, como um inseto curioso”, en-quanto o perscrutado se debate diante de seus camara-das lançando-lhes em vão seus apelos vergonhosos e grotescos: tal a cena da ruptura.

Mas não é tudo. Sarraute nos esclarece que esta cena da qual se pode ampliar o mundo absurdo de Kafka não esgota a narrativa das “Memórias do Subsolo”, embora, acentuando os traços do universo simbólico de Kafka, nossa autora nos deixe ver a recorrência com que o nar-rador dostoyevskiano desenha insistentemente a imagem kafkeana do homem inseto, conjugada à cena da ruptura e configurando uma situação igualmente kafkeana. Com efeito, ao mesmo tempo em que nos deixa ver como o he-rói das “Memórias...” se reconhece em anti-herói como um inseto, o narrador dostoyevskiano nos conta como aquele Zverkovi, um esbirro dos aparelhos organizados, “o empurra pelas costas e, sem explicação alguma, sem palavra nenhuma, o desloca para o lado e passa como se ele não existisse”. O anti-herói sabe então que para a-quele Zverkovi ele não passa de mero objeto e, prosse-gue o narrador, “se esgueira em maneira odiosa entre os passantes”, “semelhante a um inseto”; ele toma consciên-cia muito nitidamente de que “no meio deles, ele não passa de uma mosca, uma vil mosca”. Tal o ponto extre-mo da ruptura onde por um curto instante o herói-anti-herói das Memórias do Subsolo se encontra. Um instan-te somente, pois, por contra, sublinha Sarraute, ele pude-ra encontrar facilmente ao alcance de sua mão os seres humanos com os quais em Dostoyevski a fusão será sempre possível, mesmo que à maneira do Eterno Mari-do, cuja Lisa o herói poderá no mesmo instante fazer so-frer e por quem ele poderá igualmente se fazer tanto a-mar quanto odiar. Portanto, será daquele ponto extremo que, “inchado às dimensões de um interminável pesade-lo”, se descortinará o mundo sem saída onde se debate-rão os personagens de Franz Kafka.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet