BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.1.9 – Inauguração metroviária em Shenzen e expansão em Guangzhou

Entre os vários meios de auferição para identificar o nível de desenvolvimento de um dado país, sem margem para dúvida, a quantidade de cidades com mais de 1 milhão de habitantes que são providos de linhas de metrô é um meio. Por quê? Porque a construção metroviária, como tudo na teoria do desenvolvimento econômico, independente da matriz política ideológica, é parte de um todo muito mais amplo: ela requer grandes recursos financeiros, o que demanda ao país executor de obras desse tipo a necessidade de ter viabilizado um sistema de intermediação financeira (leia-se bancos de desenvolvimento, mercado de capitais) com capacidade de mobilizar tais recursos; demanda mão-de-obra especializada, ou seja, engenheiros, técnicos, investimentos em centros de pesquisa e demonstra necessidade de mobilização de mão-de-obra.

O caso chinês lança outra luz para entendermos tais empreendimentos: a centralidade do Estado nacional em todos os níveis – seja no planejamento, na execução ou também na operação. Vale, em momento oportuno, comparação entre os casos chinês e brasileiro nesse sentido.

Pois bem, a expansão de novas linhas de metrô pelas cidades do país obedece a algo concreto e é concernente ao estágio de acumulação atingido pela China desde 1978. Suas cidades costeiras recebem trabalhadores provenientes do interior, a expansão automobilística aumenta o tempo de deslocamento nos centros urbanos valorizados com essas obras, e, valorizados, tornam-se mais atraentes para investimentos.

Abaixo segue algumas considerações acerca dos investimentos que estão ocorrendo em Shenzen e Guangzhou.

Shenzen 75: há vinte anos atrás, era uma vila de pescadores do rio homônimo, que faz fronteira com Hong-Kong. Com a implementação de 5 Zonas Econômicas Especiais em 1980, aproveitando-se da proximidade com Hong-Kong tornou-se a mais dinâmica das ZEE’s.

Atualmente conta com 7 milhões de habitantes. A mobilidade de mão-de-obra foi beneficiada com a construção de um massivo sistema de construção ferroviária.

Em 1995 foi formada a Companhia do Metropolitano de Shenzen com a missão de construir e gerenciar linhas de metrô que, conforme o planejamento, deverão chegar a 230 km, construídos no ano de 2049.

A primeira fase da linha 1 do metrô de Shenzen terá 20 km de extensão com 18 estações. Sua construção foi iniciada em 1998 com término programado para 2005. Custará US$ 1,23 bilhão e será financiada em 70% pela prefeitura municipal e os outros 30% por bancos locais – demonstrando, assim, uma auto-suficiência financeira com relação ao governo central, além de deixar claro o papel do capital financeiro no desenvolvimento urbano (vale comparações com outras cidades da periferia do capitalismo).

Empresas estrangeiras – principalmente japonesas (Mitsubishi) – foram convidadas a participar do processo de licitação de equipamentos, mas não participarão da construção da obra que nesta fase contemplará a ligação da zona econômica especial com Hong-Kong e baldeação com a ferrovia Pequim-Kowlonn.

Guangzhou 76: Capital da província mais rica da China, Guangdong, beneficiária do que se convencionou chamar de joint-venture entre Hong-Kong e Guandong, tamanha a quantidade de unidades produtivas outrora hongkonesas, hoje transferidas para a província. A linha 1 foi inaugurada em abril de 1999 com 18,5 km de extensão. A linha 2 está em construção desde 1999 com término para o final de 2003. Serão 23,3 km e 22 estações com custo previsto de US$ 1,3 bilhão.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet