BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.1.7 – França e Alemanha disputam a obra

Saindo um pouco do específico, que se relaciona com a obra em si, e embarcando em fatores de ordem mais geral – o processo que envolve a tecnologia do trem de levitação magnética –, a desistência temporária da China em encampar grandes empreendimentos desse tipo, entre outras coisas, está relacionada com o modo de ela encarar suas relações com os países cêntricos.

De forma mais rasteira podemos dizer que a China joga um país contra o outro, pois conta com imensas reservas de mercado em várias áreas. Outro fator a seu favor é o momento de crise vivido pelo capitalismo – propício para a aquisição de tecnologias, pois empresas como Alston e Siemens, estão à procura de grandes negócios, trabalham com grande capacidade ociosa em sua linha de produção. Esse recado vale para o Brasil que atualmente discute investimentos em infra-estruturas e imensos lobbies se formam no campo interno para beneficiar empresas estrangeiras nas chamadas Parcerias Público-Privadas em detrimento de empresas nacionais com capacidade de absorção de novas encomendas. Podemos estar assistindo a mais uma desnacionalização, agora voltada para as nossas infra-estruturas estranguladas.

Voltando ao ponto, para a China o que interessa nesse empreendimento é quem vai fazer a obra com o melhor preço e quem vai transferir tecnologia. É ponto passivo: sem transferência de tecnologia não há acordo. Por isso, como já dissemos anteriormente, o Japão, por motivos políticos, se colocou fora da disputa.

Sobram a Alemanha e a França. A outro elemento geopolítico devemos atentar: tratase dos dois grandes rivais na União Européia. Nada simbólico, é um jogo de xadrez.

Tanto a França quanto a Alemanha têm grandes negócios na China em várias áreas. No caso do trem, repetimos, que pode alcançar 300 km/h, a França conta com a tecnologia TGV (Alston) e a Alemanha com a ICE (BWG, Pfleiderer e Siemens), no que concerne a técnicas de controle e a Alemanha na parte de transmissão 65.

Todos esses dois países aceitaram transferir tecnologia.

A questão fica no preço e não dispomos de informações precisas sobre isso.

Do ponto de vista pessoal a França leva vantagem nessa disputa, pois além de já ter transferido com sucesso tecnologia TGV para Espanha e Coréia do Sul, os laços políticos entre ela e a China estão cada vez mais fortes desde a visita realizada pelo presidente chinês Hu Jintao a aquele país em março de 2004.

Mas nessa disputa também existe espaço para a Alemanha que já saiu na frente na disputa pelas ferrovias de alta velocidade na província de Guangdong.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet