BIBLIOTECA VIRTUAL de Derecho, Economía y Ciencias Sociales


INFRA-ESTRUTURAS EM ENERGIA E TRANSPORTES E CRESCIMENTO ECONÔMICO NA CHINA

Elias Marco Khalil Jabbour



Esta página muestra parte del texto pero sin formato.

Puede bajarse el libro completo en PDF comprimido ZIP (209 páginas, 1.40 Mb) pulsando aquí

 

 

II.1.2 – Enfrentando o desafio

Uma das soluções imediatas implementadas pelo governo central para a reestruturação do setor ferroviário foi a introdução de contratos de responsabilidade, que já haviam trazido resultados muito satisfatórios na agricultura.

Tais contratos foram implementados em 1997, entre o Ministério das Ferrovias e recém-criados 14 birôs ferroviários e corporações. Eles estimularam o dinamismo e a vitalidade do setor a partir da divisão de esforços em converter prejuízos em ganhos; da manutenção do valor dos ativos de propriedade estatal; da redução dos custos operacionais; da gestão austera dos custos corporativos; e da divisão das cotas de seguro das operações, do pessoal e os ativos correspondentes a cada um dos sub-birôs.

A política de pessoal foi revista com a separação entre a gestão empresarial e a gestão governamental. O Ministério das Ferrovias diminuiu seu pessoal, entre 1997 e 2000, de 809 para 398 funcionários, e, até 2001, todo o setor ferroviário havia dispensado 260.000 dos 3,2 milhões de trabalhadores 43.

Como nota ilustrativa vale registrar conversas ocorridas com funcionários de bordo das linhas Pequim-Tianjin, Xangai-Yichang e Chongqing-Pequim. Em todas as observações colhidas ficou clara a idéia de desafio e divisão de responsabilidades entre Estado e birô e entre birô e trabalhadores.

Todos os trabalhadores não dispensados tiveram seus salários complementados, ou não, de acordo com a eficiência da linha. Segundo o maquinista Yaopeng Ju, da Chongqing-
Pequim, o Estado se comprometeu com investimentos na eletrificação de linhas inteiras (aumento de velocidade, que descreveremos mais abaixo) e com bolsas de estudos em centros tecnológicos criados para a absorção de novas técnicas de manejo de trens de velocidade que variam entre 160 e 210 km/h, com a melhoria das condições de bordo e maciça propaganda induzindo à utilização de trens para viagens ao interior do país.

Aos funcionários administrativos cabia a obrigação de cursos oferecidos pelos próprios birôs – de atendimento ao público a cursos semanais de administração ferroviária e, em alguns casos, até de cursos básicos de inglês (hoje toda estação de trem chinesa deve ter um bilheteiro habilitado em língua inglesa).

E o outro lado do desafio era trazer competitividade ao setor. A primeira tarefa colocada seria a eletrificação do setor, com a finalidade de aumentar a velocidade dos trens.

Cento oitenta milhões de dólares foram investidos em pesquisas e mais US$ 1,6 bilhão, proveniente de dotação disponibilizada pelo governo central, na conseqüente eletrificação de 10 mil km de trilhos entre 1997 e 2001 (9o Plano Qüinqüenal), nos quais a velocidade média passou para 130 km/h, e a máxima a 212km/h. As linhas modernizadas foram: 5 linhas nortesul: Pequim-Xangai, Pequim-Guangzhou, Pequim-Harbin, Pequim-Tanquim, Pequim-
Kowloon (Hong-Kong); e 3 linhas leste-oeste: Lianyungang-Lanzhou, Lanzhou-Urunqi e Hangzhou-Zhuzhu. Assim foram cobertas as principais linhas troncais de todo o país e foi diminuído o tempo de viagem em 38% 44, reaquecendo os intercâmbios regionais do país e promovendo o desenvolvimento econômico.

O aumento da velocidade dos trens é uma grande idéia para se devolver a competitividade ao setor, que obteve entradas em 2001 da ordem de US$ 15 bilhões 45 – o que tem propiciado novas linhas, novos trens e novos horários, além de servir de impulso de demanda para o desenvolvimento econômico nacional.

Tal impulso de demanda se reflete na promoção de setores relacionados, como a Companhia de Locomotivas e Materiais Rodantes, que até 1996 trabalhava com exatos 33% de capacidade ociosa e que, a partir de então, deixou a ociosidade para lograr ganhos anuais de US$ 8 milhões com a transformação tecnológica em grande escala de 839 locomotivas de combustão interna para elétrica e de alta velocidade, e 2.071 vagões de passageiros 46.

Concluída essa breve descrição da retomada da competitividade e vitalização do setor, via reforma gerencial e aumento da velocidade dos trens, passaremos a uma rápida descrição dos grandes projetos concluídos, e em andamento, tanto em ferrovias quanto nos inerentes à expansão metroviária.


Grupo EUMEDNET de la Universidad de Málaga Mensajes cristianos

Venta, Reparación y Liberación de Teléfonos Móviles
Enciclopedia Virtual
Biblioteca Virtual
Servicios
 
Todo en eumed.net:

Congresos Internacionales


¿Qué son?
 ¿Cómo funcionan?

 

15 al 29 de
julio
X Congreso EUMEDNET sobre
Turismo y Desarrollo




Aún está a tiempo de inscribirse en el congreso como participante-espectador.


Próximos congresos

 

06 al 20 de
octubre
I Congreso EUMEDNET sobre
Políticas públicas ante la crisis de las commodities

10 al 25 de
noviembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Migración y Desarrollo

12 al 30 de
diciembre
I Congreso EUMEDNET sobre
Economía y Cambio Climático

 

 

 

 

Encuentros de economia internacionales a traves de internet


Este sitio web está mantenido por el grupo de investigación eumednet con el apoyo de Servicios Académicos Internacionales S.C.

Volver a la página principal de eumednet