USO EFICIENTE DA ÁGUA: ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

USO EFICIENTE DA ÁGUA: ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

Organizador: José Dantas Neto

Volver al índice

 

 

5 EXPERIÊNCIAS BRASILEIRAS NA ADOÇÃO DAS AÇÕES DE RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA

5.1 PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA (PURA) – SÃO PAULO/SP

O PURA foi criado em 1995 através de convênio entre a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP), o Laboratório de Sistemas Prediais do Departamento de Construção Civil (LSP/PCC), a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) .

Este programa já apresenta várias experiências de implantação de aparelhos poupadores e redução das perdas em edifícios, sendo que em sua maioria são edifícios não residenciais. Contudo, algumas das experiências obtidas por esse programa serão apresentadas aqui por utilizarem as mesmas tecnologias que podem ser empregadas para o caso das residências.

No Instituto do Coração do Hospital da Clínica de São Paulo, o programa Pura InCor foi implantado no período de janeiro de 1997 a dezembro de 1998, com a adoção das medidas de correção de vazamentos e substituição de componentes convencionais por economizadores de água (chuveiros com restritores de vazão, torneiras eletrônicas, torneiras hidromecânicas, torneiras de alavanca, torneira spray-wasehr, esguicho com gatilho para mangueira de lavar veículos, válvulas hidromecânicas para mictórios, instalação de arejadores em torneiras de pias, instalação de reguladores de vazão em torneiras de lavatórios). O impacto na redução do consumo foi de 39,3% (OLIVEIRA; GONÇALVES, 1999).

Na Escola Estadual de Primeiro e Segundo Graus Fernão Dias Paes, localizada na cidade São Paulo, o programa PURA EE foi implantado no período de outubro de 1997 a outubro de 1998, com a adoção das medidas de correção de vazamentos e substituição de componentes convencionais por economizadores de água (torneiras hidromecânicas e mictórios com válvulas hidromecânica). O impacto na redução do consumo foi de 95% (OLIVEIRA; GONÇALVES, 1999).