AS RELAÇÕES ARGENTINO-BRASILEIRAS: IDENTIDADE COLETIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO MERCOSUL

AS RELAÇÕES ARGENTINO-BRASILEIRAS: IDENTIDADE COLETIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO MERCOSUL

Daniela Cristina Comin

Volver al índice

 

 

 

 

Capítulo 1. As relações argentino-brasileiras no período anterior à Ata de Iguaçu.

A análise da bibliografia referente às relações entre Argentina e Brasil no período anterior a 1985, isto é data da assinatura da Declaração de Iguaçu, demonstrou que essa história de relações é caracterizada por “antagonismos e conflitos” (CAMARGO, 1987, p.21); por “avanços e recuos” (CANDEAS, 2005, p.173,); “é uma história de conflito e harmonia, de guerra e de paz, de rivalidades e disputas ideológicas, de cooperação e de integração”. (VEGAS, 1995, p.172). Assim, não se pode afirmar que Brasil e Argentina se viram ao longo de suas histórias como inimigos de fato, mas como países rivais.

A questão da rivalidade está relacionada em um primeiro momento à herança das disputas entre Espanha e Portugal, metrópoles de Argentina e Brasil, respectivamente, os quais se chocaram pelo domínio de territórios e, sobretudo, pelo domínio das águas da Bacia do Prata. Assim, a rivalidade entre Argentina e Brasil advém de antes mesmo de suas independências e permanece ao longo do tempo, com períodos de maior ou menor intensidade, sendo alimentada por idéias e teorias de políticos e geopolíticos argentinos e brasileiros.

Além disso, em muitos momentos, o distanciamento entre os dois países ocorreu em razão de suas vinculações com terceiros. A Argentina, por exemplo, sempre esteve mais vinculada à Europa, mais especificamente à Inglaterra, enquanto que o Brasil tradicionalmente manteve relações mais próximas aos Estados Unidos.

O estudo das bibliografias, tanto de autores brasileiros quanto argentinos, demonstrou que existiram momentos de maior rivalidade e cooperação tendo em vista o contexto ideológico que vivia cada um dos países. Além disso, nota-se que algumas teorias, sobretudo as do campo da geopolítica, influenciaram a construção de suas identidades e também a forma como cada um construiu a imagem do outro ao longo de suas relações.