AS RELAÇÕES ARGENTINO-BRASILEIRAS: IDENTIDADE COLETIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO MERCOSUL

AS RELAÇÕES ARGENTINO-BRASILEIRAS: IDENTIDADE COLETIVA E SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO MERCOSUL

Daniela Cristina Comin

Volver al índice

 

 

 

 

Agradecimentos

Gostaria de agradecer ao meu orientador, Prof. Dr. Tullo Vigevani, por sua contribuição imprescindível à minha formação acadêmica, sem a qual este trabalho não teria se concretizado.

Aos meus pais, pelo carinho, confiança e apoio incondicionais.

Aos meus professores, que de maneira direta ou indireta contribuiriam para minha formação.

A Fapesp, pelo auxílio financeiro.

Aos amigos Gustavo Faverão e Rodrigo Alves (este também meu professor) em primeiro lugar pela amizade, e também por terem sempre me ouvido pacientemente, e me ajudado através de nossas conversas muito produtivas; além de terem me feito acreditar que eu era “capaz”.

Aos funcionários da FFC-UNESP/Marilia, principalmente ao pessoal do xérox; à Francisca; ao Rony e à Sylvia do Escritório de Pesquisa.

Ao Prof. Sérgio Aguilar, por sua colaboração em vários momentos deste trabalho.

Aos meus verdadeiros amigos que sempre acreditaram em mim e me deram apoio.

Ao meu querido Ro, pelo carinho e pela compreensão.

“Porque sou do tamanho daquilo que vejo

e não do tamanho da minha altura”

(Carlos Drummond de Andrade)

“Pensamos muito mas sentimos pouco;

temos mais necessidade de espírito humano

do que de mecanização”

(Charles Chaplin)

“O homem não teria alcançado o possível se,

repetidas vezes, não tivesse tentado o impossível”

(Max Weber)

“É na esfera política e pública que realizamos nossa condição humana”

(Hannah Arendt)